26/12/2015

All Yours: Capítulo 15 - I don't wanna lose you

7 comentários: | |
"Garota você é o meu tudo, você é tudo que eu sempre quis. Nós podemos fazer isso se tornar realmente muito grande, grande como você nunca teve antes. Você estará acima de qualquer outra coisa, outras garotas nunca estarão em cima. Eu quero isso pra sempre, eu juro, eu posso fazer qualquer coisa para isso acontecer." (Best I Ever Had - Drake)

Janeiro de 2015 - Segunda quarta-feira do mês
Antes mesmo de abrir meus olhos eu já estava sorrindo. Os braços de Justin estavam em torno da minha cintura e seu rosto estava na curvatura do meu pescoço, me dando uma sensação maravilhosa de calma. Passei minha mão lentamente em seus cabelos e em seu rosto sentindo cada centímetro de pele, cada detalhe dele. Justin era tão lindo que doía.
Minha intenção era voltar a dormir, mas o barulho da campainha me fez sentar rapidamente na cama. Quem viria na minha casa às 9 horas da manhã? Meu pai obviamente. Eu estava ferrada, bem ferrada.
Levantei da cama com cuidado para não acordar Justin e saí do quarto, fechando a porta em seguida. Eu não queria que meu pai descobrisse dessa forma que nós estávamos realmente juntos, queria ter planejado um jantar ou algo tão clichê quanto, mas parece que meu plano não iria ocorrer.
- Liv! - Meu pai falou me abraçando logo após eu abrir a porta.
- Oi, pai! Bom dia. - Disse lhe dando espaço para entrar no apartamento. Ele sentou em um dos sofás e eu sentei no outro esperando ele começar a falar.
- Estou bem triste por você ter me trocado pelo seu namorado. - Disse. Ele sorria, então cheguei a conclusão de que estava só brincando, o que não tirou da minha cabeça o pensamento de que eu era uma péssima filha.
- Pai, eu não te troquei. E ele não é meu namorado.- Falei. - Me desculpa ter sumido, eu estou me sentindo péssima por isso e prometo que não irá acontecer novamente.
- Eu estou só brincando. Eu também estive muito ocupado com o trabalho, agora que deu uma aliviada e eu pude vim aqui. - Disse. - E sobre o Justin: eu espero que você tenha pensado sobre o que eu te disse em relação a vida dele. Não quero que você sofra.
- Eu pensei. E eu sei que é difícil, mas não precisa se preocupar. Sei que a vida dele não é fácil, mas eu estou disposta a tentar fazer que dê certo.
- Uau. - Ele falou sorrindo. - Eu nunca vi seus olhos brilharem tanto ao falar de alguém. Está mesmo apaixonada, né? - Sorri timidamente.
- Muito.
- Eu espero de verdade que dê certo, Liv. E caso não dê, eu estarei aqui por você, ok? - Sorri, pulando em cima dele e o abraçando. Não me lembrava mais de como era bom ter meu pai por perto. - Mas me conta o que está acontecendo entre vocês? Já estou cansado de ler tantas especulações na internet. - Ri.
- Você pesquisa sobre eu e o Justin na internet, Ryan? - Ele riu.
- É um modo de ficar de olho em você. - Ri novamente e quando ia abrir a boca pra falar algo, ouvi o barulho da maçaneta da porta do quarto se movendo e meu olhar e o do meu pai se moveram diretamente para a figura sonolenta parada em frente a porta. Justin tinha o cabelo bagunçado todo jogado pra trás, estava sem camisa, usando apenas a calça jeans de ontem e não fez nenhum esforço para esconder a cara de surpresa ao ver meu pai. Pelo menos ele tinha lembrado de vestir uma calça.
- Ryan? - Justin falou passando a mão nos cabelos.
- Bom dia, Justin. - Meu pai falou o fitando. Pela sua cara, ele não tinha gostado muito de saber que Justin tinha dormido com sua filha. Acho que nenhum pai gostaria.
- Bom dia. - Justin falou se aproximando. - Nossa. - Ele sentou no sofá que eu estava sentada antes. - Que situação constrangedora. - Ri. - Olha Ryan, em minha defesa eu digo que respeito sua filha demais e que ela é muito importante pra mim. - Ri novamente, mas dessa vez mais alto. Meu pai também riu, mas discretamente. Provavelmente queria mostrar seriedade.
- Justin, fica tranquilo. - Meu pai disse. - Eu não sou o tipo de pai controlador. A Liv já é uma adulta e pode tomar suas próprias decisões. - Pude perceber Justin relaxar e quis rir novamente, mas me controlei. - Mas aproveitando que por acaso nos reunimos, vocês poderiam me explicar o que está acontecendo entre os dois? Acho que tenho o direito de saber. - Justin me olhou e eu retribuí o olhar, balançando a cabeça indicando que era pra ele falar.
- Nós estamos nos descobrindo. Apesar dos nossos sentimentos um pelo outro evoluírem rapidamente, estamos tentando fazer as coisas andarem o mais devagar possível. Minha vida não é fácil, você sabe, e eu não quero colocar a Liv no meio de tudo isso de uma vez só. Ela precisa ir se acostumando aos poucos. - Eu já disse que ele é incrível?
- Que bom que você se preocupa com isso porque é a única coisa que me deixa receoso sobre esse relacionamento.
- Não precisa se preocupar em relação a isso, eu não deixarei nada acontecer com sua filha. - Justin me olhou sorrindo e eu retribuí o sorriso.
- Eu espero. - Meu pai disse e eu ri, vendo Justin ficar sem graça. - Mas enfim... eu tenho que voltar pra New Jersey amanhã à noite, Liv, então queria que a gente fosse jantar hoje à noite. Você também, Justin.
- Já vai voltar? - Perguntei.
- Já? Tem mais de um mês que estou aqui.
- Por mim poderia ficar pra sempre. - Falei sorrindo fraco.
- Eu queria ficar com você, mas por enquanto eu não posso. Futuramente, quem sabe, eu não me mudo definitivamente pra cá.
- Sim! Ótima ideia. - Disse animadamente, o fazendo rir. - Que horas vamos sair?
- Depois que você sair da faculdade.
- Tudo bem. Você vai, Justin?
- Eu queria, mas vou ficar até tarde no estúdio hoje.
- Vamos, nós precisamos conversar antes de eu ir embora. - Meu pai falou.
- Tudo bem então, eu vou tentar terminar mais cedo.
- Eu encontro vocês no Madeo às 8 horas. - Meu pai disse levantando. - Vou resolver umas coisas da empresa agora. - Ele beijou minha bochecha. - Até mais tarde. - Cumprimentou Justin e eu levantei para levá-lo até a porta. O abracei mais uma vez antes dele ir e então fechei a porta, sentando ao lado de Justin em seguida.
- Que cagaço que eu passei na hora que saí do seu quarto e vi seu pai aqui. - Ele falou e eu ri.
- Você o conhece, sabe que ele é tranquilo.
- Sim, mas ele viu um cara saindo do quarto da filha dele, qualquer pai ficaria bem bravo, achei que ele ia me matar. - Ri novamente.
- Ele te conhece, sabe que você é uma boa pessoa.
- Espero mesmo. - Falou passando um de seus braços em volta dos meus ombros e me puxando para mais perto de si. - A noite de ontem foi incrível. - Disse sorrindo, me fazendo sorrir também. Aproximei meu rosto do seu e o beijei.
- O que eu vou dizer é bem melancólico, mas qualquer segundo que eu passo com você é incrível. - Falei e ele fez uma cena de que ia vomitar, mas logo depois começou a rir.
- Brincadeira. - Disse. - Eu penso o mesmo. O que eu disse ontem antes de dormirmos não foi da boca pra fora, eu realmente te amo. - Sorri.
- Eu sei. Eu também não te respondi só por responder, eu também te amo. Muito. - Ele sorriu, me abraçando e juntando nossos lábios.
Todos nós esperamos um dia encontrar aquela pessoa que nos fará sentir completos, aquela pessoa que fará seu coração bater tão forte como se fosse sair de dentro de seu peito e que fará seus olhos brilharem como nunca, certo? Eu também esperava, eu também queria sentir essa sensação pelo menos uma vez na vida, e então Justin entrou na minha vida e eu finalmente pude sentir tudo isso. A cada dia que passava eu tinha mais certeza de que Justin me completava, eu sabia que nunca sentiria nada tão forte por alguém da mesma forma que eu sentia por ele.
- Vamos sair pra tomar café? - Justin perguntou.
- Sim, estou morrendo de fome. - Falei levantando do sofá e estendendo minha mão para que ele a segurasse.
- Eu também. Acho que poderia comer uns três sanduíches de 30 centímetros do Subway. - Ri.
- Por quê será que eu não duvido disso? - Justin riu irônico enquanto andava na minha frente em direção ao quarto, me dando uma visão de suas costas que estavam cheia de marcas das minhas unhas, o que me fez rir alto. Será que meu pai viu isso? - O que foi? - Justin perguntou me olhando.
- Suas costas estão cheias de marcas de unhas.
- Tá zoando. - Falou indo até o espelho do quarto.
- Não estou não. - Ele riu olhando as marcas.
- Você ultrapassou da sua cota de selvageria ontem. Vou te chamar de tigresa agora. - Mostrei o dedo do meio pra ele, o fazendo rir.
- Ainda bem que está fazendo frio porque não duvido nada que você iria querer desfilar sem camisa por aí. - Disse enquanto abria o guarda-roupa a procura de algo para vestir.
- Qual o problema? Todo mundo sabe que faço sexo.
- Não comigo.
- Você acha isso mesmo? Tá mais do que na cara. Só se for idiota pra não perceber. - Ri.
- Só não sai com essas marcas à mostra, beleza? - Ele deu de ombros.
- Tanto faz. - Disse. - Será que seu pai viu?
- Espero que não. Ia ser bem constrangedor.
- Nem sei se conseguiria olhar pra ele de novo. - Ri.
- Vou tomar banho, já volto. - Ele assentiu.
Tentei tomar o banho mais rápido que eu consegui porque não queria deixar Justin me esperando por muito tempo. Depois de me secar, eu me vesti e terminei de me arrumar no banheiro mesmo, voltando para o quarto apenas para calçar meu sapato. Justin já estava vestido com a mesma roupa de ontem e seu cabelo estava um pouco mais arrumado mas ainda assim meio bagunçado.
- Eu estava pensando aqui e lembrei que o Khalil vai dar uma festa numa boate semana que vem. Vamos? - Perguntou assim que eu entrei no quarto. Ele estava deitado na cama, com o celular em mãos.
- Vamos. - Falei começando a me maquiar. - Pra que que é essa festa?
- Pra nada, só por diversão.
- Vocês gostam mesmo de festas, né?
- É bom pra pegar umas gatinhas. - Disse me fazendo olhar pra ele.
- Sério mesmo, Justin Bieber? - Ele riu.
- Estou brincando. Agora tenho você, não preciso pegar mais ninguém. - Olhei séria pra ele por mais alguns segundos e então voltei a focar na minha maquiagem. Não ia fazer nada extravagante, era só algo para tampar as imperfeições da pele, aliás, eu não estava indo para nenhum lugar chique.
Após terminar, arrumei minhas coisas da faculdade na minha bolsa e peguei meu celular. Justin ainda se mantinha concentrado em algo no seu celular, mas sorriu assim que eu disse que estava pronta.
- Está linda. - Falou beijando meus lábios e eu sorri.
- Obrigada.
- Que horas eu tenho que te deixar na faculdade? - Perguntou enquanto caminhávamos até a porta de entrada da casa.
- Qualquer horário. Não tem nada de importante agora de manhã. - Ele assentiu enquanto eu trancava a porta.
- Eu preciso passar no escritório do meu empresário daqui a pouco, tudo bem? Ele quer falar comigo.
- Tudo bem. - Disse sorrindo pra ele.

[...]

- É uma música eletrônica. - Justin falou. Ele estava me explicando sobre uma música que ia lançar em parceria com dois DJ's, Skrillex e Diplo. - É uma música bem diferente de tudo que já lancei e eu estou bem orgulhoso dela. - Disse antes de beber um pouco de sua bebida. Estávamos em um café em Beverly Hills e tudo estava tão calmo por aqui que eu até me perguntava onde estariam os paparazzis.
- Nunca imaginei ver Justin Bieber lançando uma música eletrônica. - Ele riu. - Suas músicas têm evoluído cada vez mais.
- Você não esperava que eu cantasse Baby pra sempre, né? - Ri.
- Claro que não, é só que você cresceu rápido demais. Não parece que já se passaram seis anos desde quando você ficou famoso. Aliás, eu gostava muito daquela sua música One Time.
- Obrigada. - Disse. - One Time é uma boa música, mas é mais comercial, sabe? Era só o que a gravadora mandava eu gravar, assim como todos os álbuns. Dessa vez eu quero fazer tudo do meu jeito, quero lançar algo que tenha vindo de dentro de mim, deixar os fãs saberem o que eu sinto.
- É incrível saber isso. Muitas pessoas acham que os famosos só fazem o que fazem por dinheiro e eu fico feliz em saber que ainda há os que fazem por que amam.
- Se eu não amasse eu não faria isso porque, sinceramente, as coisas que eu passo não valem o dinheiro que eu ganho. Tem que ser muito forte para não enlouquecer. - Ia respondê-lo, mas seu celular apitou, o fazendo voltar a atenção para o aparelho. Enquanto ele falava com alguém no telefone, eu terminava de beber o meu café. - Nós precisamos ir. Scooter já está me esperando. - Assenti.
- Podemos continuar essa conversa depois? Eu quero saber mais sobre a sua carreira. - Ele sorriu, enquanto segurava minha mão para irmos até o carro. Me surpreendi, já que nunca tínhamos andado assim em público, mas não soltei minha mão. A essa altura eu já não me importava mais se o mundo soubesse ou não sobre nós dois.
- Claro. - Ele falou. - Fico feliz por você querer saber sobre a o outro lado da minha vida. - Disse destrancando o carro e abrindo a porta para que eu entrasse. Ele então deu a volta no carro e sentou no banco do motorista.
- Eu me importo com você. - Falei, o fazendo me olhar sorrindo.
O escritório de Scooter Braun ficava em um prédio comercial em Beverly Hills. Justin me contou que a SB Projects era uma empresa que administrava a carreira dos artistas que assinaram com Scooter e ela ficava localizada no terceiro andar desse prédio.
Logo que adentramos o luxuoso prédio já podíamos ver a recepção, onde uma mulher loira estava digitando algo em um computador. Justin a cumprimentou com um aceno de cabeça e um sorriso e então entramos em um enorme elevador, o qual nos levou diretamente para outra recepção. Atrás do balcão havia uma enorme placa com o logo da SB Projects e uma outra mulher estava ali.
- Bom dia. - Justin falou se aproximando.
- Bom dia, sr. Bieber. - A mulher falou e então passou a olhar pra mim. - Senhorita Abberton. - Sorriu pra mim e eu retribuí. Será que todos já me conhecem?
- Já estão todos lá dentro? - Justin falou.
- Sim. Estão esperando pelo senhor.
- Ok. - Disse. - Liv, me espera aqui, tá? Não vou demorar. - Assenti. Justin então caminhou até um corredor, sumindo do meu campo de visão.
Fiquei ali por vários minutos esperando. Era um local bem parado, nunca chegava e nem saía ninguém, o que era bem tedioso. A recepcionista ficava o tempo todo no computador e só saía para entrar no mesmo corredor que Justin entrou, levando água ou café. Parecia ser um emprego bem chato.
- Você trabalha aqui faz muito tempo? - Perguntei, fazendo ela me olhar.
- Deve ter uns três anos. - Falou. - É um bom emprego apesar de ser tedioso às vezes.
- Parece mesmo. - Falei e ela riu. Ficamos em um silêncio profundo novamente, que logo foi quebrado pela recepcionista.
- Justin é uma boa pessoa. - Ela falou e eu a olhei confusa.
- O quê?
- O Justin. Ele é uma boa pessoa. - Repetiu novamente para que eu pudesse entendê-la.
- Ah sim. Ele é.
- Olha. - Ela disse abaixando o tom de voz. - Ele parece ser uma pessoa forte, mas na verdade ele é bem frágil. com um coração enorme e que se entrega totalmente ao relacionamento. Cuida bem dele, tá? - Ela terminou de falar e eu a olhei totalmente confusa. Qual o motivo dela me contar isso do nada? A única reação que eu tive foi assentir.
- Eu vou cuidar. - Falei.
 - Só estou te dizendo isso porque eu sei que você o ama de verdade, qualquer pessoa vê isso no jeito que você olha pra ele. - Disse. - Eu torço muita pela felicidade dele. Ele já passou e passa por muitas coisas difíceis na vida, ele merece muito encontrar alguém que o trate da forma que ele merece. - Fiquei em silêncio. Eu não estava entendendo nada. Por que essa mulher que eu nunca tinha visto na vida estava me contando essas coisas? - Você deve tá me achando uma louca, né? Me desculpe. - Falou.
- Está tudo bem. Só não esperava ouvir todas essa coisas.
- É só que eu odeio ver as pessoas o usando para se beneficiarem. Eu trabalho aqui tempo suficiente para ver o quanto já o traíram e não foram poucas vezes.
- Imagino. Ser uma celebridade não é fácil. - Ela assentiu. Ia dizer algo a mais, mas o telefone tocou e ela precisou atender. Fiquei mexendo no celular até Justin sair, já que a recepcionista entrou naquele corredor e não voltou mais.
Justin apareceu com um dos braços envolta do pescoço de uma mulher que aparentava ter uns 35 anos e ao lado deles havia um homem um pouco mais alto que Justin, o qual eu reconheci como sendo Scooter Braun.
- Essa aqui que é a Liv. - Justin falou assim que chegou perto de mim e eu sorri timidamente. - Liv, essa aqui é a Allison, minha gerente, e esse é o Scooter, meu empresário.
- Justin falou muito bem de você. - Allison disse enquanto me abraçava e eu sorri para Justin. Primeiro ele falou bem de mim pra Guadalupe e agora para Allison? Eu estava me sentindo super importante.
- Informação desnecessária, Allison. - Justin falou, nos fazendo rir.
- Mas você falou mesmo, Justin. - Scooter disse. - Muito prazer em conhecê-la, Olivia. - Ele falou enquanto apertava minha mão.
- Prazer. - Falei.
- Scott, eu tô querendo viajar no meu aniversário, tem como? - Justin perguntou, enquanto passava um dos braços por cima dos meus ombros, me puxando para mais perto.
- Eu vou dar uma olhada na sua agenda, mas acho que tem sim. Pra onde você quer ir?
- Não sei, eu tô pensando em alugar uma casa no Havaí e ficar lá com alguns amigos.
- Ótima ideia. Vai te fazer bem ficar um pouco longe dessa cidade.
- Se caso eu puder ir, você vê isso pra mim, Allison?
- O que eu não faço por você, Justin? - Ela falou rolando os olhos e Justin riu.
- Obrigada, equipe. Vou indo agora, tenho que deixar a Liv na faculdade. Tchau. - Ele falou abraçando os dois. Depois eu os abracei também e nós fomos embora.
- Como foi lá na reunião? - Falei assim que adentramos o carro.
- Muito bom. Eu vou no programa da Ellen no aniversário dela. Vai ser a primeira vez que vou aparecer na televisão desde a minha pausa. - Disse dando a partida no carro.
- Nervoso? - Perguntei e ele deu um sorrisinho.
- Muito.
- Não fique. Tenho certeza que você vai se sair bem.
- Não é com isso que fico nervoso. - Falou. - Eu tenho medo de não ser bem recebido. Eu fiz muita merda durante esse tempo, muita gente passou a me odiar. - Ele me olhou rapidamente e então voltou a prestar atenção na estrada.
- Você acha mesmo que não iriam te receber bem? Fala sério, Justin. Você fez merda sim, mas se arrependeu. E que diferença faz se um milhão te odeia, mas cinquenta milhões te amam? Acho esse seu nervosismo muito desnecessário. - Ele riu, o que me fez olhar confusa pra ele.
- Fica calma.
- Eu estou calma, só não gosto de te ver assim, com medo do mundo. Você é muito amado, Justin, e é isso que importa. - Ele sorriu e pegou minha mão, a levando até sua boca e a beijando, o que me fez sorrir.
Depois isso nós ficamos em silêncio até chegarmos na faculdade. Justin me deixou em frente ao prédio onde eu teria aula de química, nós nos despedimos com alguns beijos e então ele foi embora.
Fiquei a maior parte do dia fazendo trabalho com Hailey na biblioteca e enquanto isso nós aproveitamos para conversar sobre o fato do meu relacionamento com Justin estar ficando cada vez mais sério e também sobre Bethany, que estava tentando a todo custo voltar a andar com a gente, o que não aconteceria, claro.
Eu voltei para casa de carona com Hailey já que Justin não pode ir me buscar e assim que cheguei em casa - por volta das 6:00PM - eu fui comer alguma coisa e então fui tomar um banho bem demorado e terminar de me arrumar. Fiquei pronta na mesmo hora que Justin chegou aqui.
- Uau. - Falei assim que abri a porta, o olhando da cabeça aos pés. Ele riu e me beijou, entrando em casa em seguida. - Você tá diferente. - E estava mesmo. Ele estava com uma calça preta sem ser daquelas largas e rasgadas, uma camisa preta com detalhes em dourado que por incrível que pareça não era comprida, uma jaqueta de couro também preta e nós pés havia um tênis adivinhem que cor? Preto também. O cabelo estava penteado para trás, sem nenhum boné. Eu não sei me surpreendi mais pelo fato dele não estar usando roupas largas ou por ele estar sem boné.
- Você não esperava que eu fosse jantar com o pai da minha garota vestido pro dia-a-dia, né? - Ri. Ele me puxou pela cintura, juntando nossos corpos. - Você está maravilhosa. - Sussurrou no meu ouvido, me causando arrepios, e então levou sua boca até a minha, dando início a um beijo. Suas mãos deslizaram pelo meu corpo e eu arfei assim que elas chegaram ao meu bumbum, o apertando com força. Pude sentir Justin sorrir com isso, mesmo sem terminar o beijo.
- É melhor não começarmos o que não iremos terminar. - Falei separando nossos lábios, o fazendo rir. - E você está maravilhoso também.
- Obrigado. Podemos terminar isso depois que voltarmos pra casa? - Perguntou e eu ri assentindo.
- Com certeza. - Pisquei pra ele, me afastando.

[...]

O Madeo é um restaurante italiano localizado em West Hollywood por onde várias celebridades já passaram. Eu já tinha visto algumas durante às vezes que eu estive por aquela região.
Nós chegamos lá exatamente 8:04PM e após entrarmos, pudemos ver meu pai sentado em uma mesa no fundo do restaurante bebendo algo em uma taça. Ele sorriu assim que nos viu e nós caminhamos até lá, recebendo o olhar das pessoas que estavam ali.
- Oi! - Disse e eu sorri o abraçando. Justin fez o mesmo depois de mim e então sentou na cadeira ao meu lado. Era esquisito pensar que eles eram super amigos, eu nunca imaginaria isso se meu pai não tivesse me apresentado Justin.
- Está aqui tem muito tempo? - Perguntei e ele balançou a cabeça negativamente.
- Não, cheguei tem alguns minutos. Eu já fiz os pedidos, está tudo bem? - Assenti. - E como foi lá no estúdio, Justin? Eu estive com o Josh [Gudwin] ontem e ele falou o quanto as músicas estão ficando incríveis. - Justin sorriu animado.
- Sim, eu estou dando o meu melhor nesse álbum. Não vejo a hora de lançá-lo. - Falou. - Liv ontem estava me ajudando a escrever uma música. - Justin me olhou e eu sorri.
- É, escrevemos alguns versos.
- Será que vocês podem parar com isso? - Eu e Justin o olhamos confusos.
- Com o quê? - Perguntei.
- De ser tão fofinhos, está me deixando mal por estar sozinho. - Rimos.
- E aquela mulher que você estava saindo em New Jersey? - Justin perguntou. Não sabia que meu pai tinha contado isso pra ele.
- Ela está em New Jersey, ué. - Disse, me fazendo rir. - Ainda estamos nos conhecendo, mas estou torcendo para que dê certo. Ela é uma pessoa incrível. - O garçom chegou com nossa comida e após nos servir se retirou. - Pedi um prato chamado Spaghetti All' Aragosta. Nunca comi, mas parece ser bom. - Observei o prato a minha frente. Basicamente era macarrão com lagosta e molho de tomate e parecia realmente apetitoso.
- Estou torcendo que dê certo. - Justin falou, fazendo meu pai o olhar. - O seu relacionamento.
- Qual o nome dela? - Perguntei.
- Rachel. Ela é uma boa pessoa, vocês se dariam bem. - Sorri. Era bom ver meu pai feliz. - Mas não estamos aqui para falar de mim. - Disse e eu e Justin nos entreolhamos.
- Estava ótimo falar sobre você. - Justin disse e eu e meu pai rimos. - Brincadeira, o que quer saber?
- O que está acontecendo entre vocês porque você me disse que só estavam se conhecendo, mas as coisas parecem estar mais sérias do que isso. - Pude perceber Justin corar um pouquinho.
- Talvez elas estejam um pouquinho mais sérias, mas isso não quer dizer que não estamos nos conhecendo. - Meu pai olhou entediado para nós.
- Será que vocês podem dizer algo que não me deixe mais confuso? - Ri.
- É difícil explicar, pai. Não temos nada sério, mas o que sentimos um pelo outro é mais do que uma simples paixão, sabe? - Justin me olhou sorrindo após eu dizer isso, o que me fez ficar meio envergonhada. Não tinha vergonha de dizer o que eu sentia para os dois, mas o jeito como Justin me olhava às vezes causava esse efeito em mim.
- Nunca fui um cupido tão bom igual fui dessa vez. - Meu pai disse, nos fazendo rir. - Você é um bom garoto, Justin, e eu realmente aprovo vocês dois juntos. - Justin sorriu.
- Obrigado. E eu sei que você tem medo de envolver a Olivia com a fama, mas eu me preocupo de verdade com ela, eu nunca deixaria nada de ruim acontecer. - Sorri.
- Eu sei que não. Você sabe que eu confio em você e só espero que nunca acabe com essa confiança. Minha filha é tudo que tenho e eu sou capaz de mover o mundo por ela, não se esqueça disso. - Sorri após meu pai me dizer isso. Ele era tão incrível e eu o amava tanto.
- Não esquecerei. - Justin falou sorrindo, enquanto eu segurava sua mão por baixo da mesa e entrelaçava nossos dedos. Eu estava tão apaixonada.

Justin's POV
Após jantarmos, dei a ideia de caminharmos um pouco pela região. Eu gostava de fazer isso às vezes, me fazia sentir um pouco mais "normal". Olivia estava meio apreensiva com a ideia e eu podia ver isso apenas ao olhar em seu rosto. Essa seria provavelmente a nossa maior aparição juntos desde quando começamos a sair de verdade, o que aconteceu há poucas semanas atrás.
Tão poucas semanas, mas o suficiente para me fazer apaixonar perdidamente por essa mulher. Eu queria tanto mostrar ao mundo o quanto eu estava feliz, o quanto minha garota era incrível, mas eu não faria isso até que ela estivesse 100% segura com a ideia. A felicidade dela em primeiro lugar, Enquanto isso nós fingimos que somos apenas amigos.
- Pai! - Olivia gritou após Ryan passar a mão em sua cabeça, bagunçando seu cabelo. Ela riu após isso, o que me fez rir também. Eu amava tanto vê-la feliz... - Eu bagunçaria o seu também se você tivesse algum. - Ryan olhou incrédulo pra ela e eu ri mais alto ainda. Tudo bem que ele não era totalmente careca, mas também não podíamos dizer que ele tinha muito cabelo.
- Você me magoou profundamente. - Ryan respondeu fingindo estar magoado.
- Ryan. - O chamei, atraindo sua atenção. - Não fica assim, a gente pode comprar uma peruca pra você. - Olivia riu, estendendo sua mão para que nós fizéssemos um high five, e eu bati minha mão na dela.
- Nós somos ótimos juntos. - Ela disse e eu concordei, ainda rindo.
- Não quero mais vocês juntos, se separem. - Ryan falou. Nós apenas rimos mais ainda, o fazendo rir também.
Pude sentir uma luz bater em meu rosto e minha primeira reação foi olhar para Olivia para ver se estava tudo certo e vi que ela ficou bastante desconfortável. Suspirei frustrado, enquanto a segurava pelo pulso, fazendo ela me olhar.
- Está tudo bem, Justin. - Disse, mas ela não me enganava. Eu sabia que ela não gostava disso.
- Eu sei que não está, Liv. - Falei. - Nós podemos ir para outro lugar ou até mesmo pra casa. Eu não gosto de te ver assim. - Ela suspirou, desviando seu olhar do meu. Pude perceber Ryan nos olhando.
- Não. - Falou após alguns segundos de silêncio. - É só que eu não estou acostumada com essa atenção, mas eu juro que quero me adaptar ao seu estilo de vida. - Liv sorriu, tentando me mostrar que realmente estava tudo bem. Eu sorri fraco, a puxando para um abraço.
- Não quero perder você. - Sussurrei para que só ela pudesse ouvir. Toda vez que eu colocava Olivia em uma situação dessa, meu coração apertava e eu sentia um medo absurdo dela não aguentar as coisas que a minha vida envolve e simplesmente desistir de tudo, desistir de nós. Não sei se suportaria ter meu coração partido mais uma vez.
Olivia separou o abraço e eu pude ver que ela tinha um sorriso enorme, o meu sorriso favorito, aquele que ela dava quando eu dizia algo bonitinho pra ela. Seus olhos procuraram o meu e quando eles se encontraram, eu sorri mais uma vez. Cara, ela era tão incrível.
- Você não vai me perder. - Disse antes de depositar um beijo na minha bochecha e entrelaçar nossas mãos.
O resto do passeio foi assim: nossas mãos entrelaçadas, enquanto eu não conseguia parar de pensar no quanto eu era sortudo por ter encontrado-a.



Oi, gente!
Prometi que o capítulo 15 seria enorme e aí está hahaha Levei muito tempo para escrever, senhor. O objetivo desse capítulo não foi ter grandes acontecimentos que iria chocar vocês, mas sim momentos fofinhos entre os dois, só pra fazer vocês shipparem Jolivia mais ainda haha
Estou pensando em pular alguns dias na fanfic porque to achando muita enrolação e eu tenho muitas ideias pra colocar em prática, o que vocês acham? E bem, já tenho o final de All Yours planejado e já aviso que vai chocar vocês, então se preparem emocionalmente. Acho que a fanfic deve terminar lá pelo capítulo 30, sei lá. Estou tentando escrever mais, já que ano que vem começo a faculdade e quero terminar antes, mas não sei se conseguirei. Orem para que meu cérebro me dê muitas ideias para pôr em prática hahaha
Enfim, como vocês estão? Algum acontecimento emocionante na vida de vocês? Na minha não tá rolando nada de bom, final de ano foi bem chatinho :( Mas estou TÃO ansiosa pro ano que vem! Além de eu começar a faculdade e ir morar um tempo em outra cidade, teremos Purpose Tour! Infelizmente não no Brasil, mas vai ser um ano tão maravilhoso no fandom, eu não vejo a hora askjdkbfjdkfl Só de imaginar o quanto o Justin vai ficar feliz, eu já fico feliz também <3
E por fim, eu gostaria de dizer o quando vocês são fodas! Mesmo depois de eu ficar tanto tempo sem postar, vocês ainda comentam, eu me sinto tão feliz. Eu amo demais vocês, sério. Muito obrigada por não desistirem das minhas fanfics.
Por hoje é isso, gente. Acho que ninguém nem lê minhas notas finais hahaha E ah! Me sigam no twitter, eu gosto de interagir por lá :D Meu user é @hometocaitlin
Beijinhos e obrigada por tudo. Até o próximo capítulo ;*

Divulgando:
http://www.apenasguria.blogspot.com.br/
http://imaginandobeliebersonha.blogspot.com.br/

20/12/2015

Spoiler

Um comentário: | |
Oi, gente! Aqui é a Bia e eu só vim dar um sinal de vida. Estou escrevendo o capítulo 15 de All Yours e está ficando bem grande, então acho que vai dar pra compensar um pouquinho esse tempo todo sem postar, né? Haha Como eu sou legal, vou deixar um spoiler pra vocês:

"- A noite de ontem foi incrível. - Disse sorrindo, me fazendo sorrir também. Aproximei meu rosto do seu e o beijei.
- O que eu vou dizer é bem melancólico, mas qualquer segundo que eu passo com você é incrível. - Falei e ele fez uma cena de que ia vomitar, mas logo depois começou a rir.
- Brincadeira. - Disse. - Eu penso o mesmo. O que eu disse ontem antes de dormirmos não foi da boca pra fora, eu realmente te amo. - Sorri.
- Eu sei. Eu também não te respondi só por responder, eu também te amo. Muito. - Ele sorriu, me abraçando e juntando nossos lábios.
Todos nós esperamos um dia encontrar aquela pessoa que nos fará sentir completos, aquela pessoa que fará seu coração bater tão forte como se fosse sair de dentro de seu peito e que fará seus olhos brilharem como nunca, certo? Eu também esperava, eu também queria sentir essa sensação pelo menos uma vez na vida, e então Justin entrou na minha vida e eu finalmente pude sentir tudo isso. A cada dia que passava eu tinha mais certeza de que Justin me completava, eu sabia que nunca sentiria nada tão forte por alguém da mesma forma que eu sentia por ele."

Espero que gostem! Logo, logo eu posto, não me abandonem, por favor :(