31/01/2015

All Yours: Capítulo 7 - I have to understand your side

15 comentários: | |
"Nós podemos fazer o sol brilhar na luz do luar, nós podemos fazer as nuvens cinzas se tornarem em um céu azul. Eu sei que é difícil. Baby, acredite em mim."
(Up - Justin Bieber)

Acordei com a campainha tocando e bufei antes de finalmente levantar da cama. O relógio em cima do criado-mudo indicava que era 9:20AM e eu xingava mentalmente quem estava me acordando a essa hora nas férias, mas abri um sorriso ao ver meu pai através do olho mágico da porta.
- Pai! - O abracei antes mesmo dele dizer algo e ele riu.
- Oi, Liv. Que demora pra abrir a porta. - Falou adentrando o apartamento e eu fechei a porta, o seguindo.
- Estava dormindo. Aliás, você me acordou de um sonho muito bom. - Me joguei no sofá e bocejei, sentindo o sono ainda presente em mim.
- Sonhando com o Justin Bieber? - Meu pai falou sério antes de sentar no outro sofá e ficar me encarando.
- Não. - Falei com as sobrancelhas arqueadas. De onde ele tirou isso? - Desde quando eu ando sonhando com o Justin?
- Não sei, talvez desde ontem. - Disse. - Eu vi as fotos. - Ri.
- Pai, você acha mesmo que eu estou gostando do Justin? Fala sério. - Revirei os olhos.
- Espero que não, Liv. Não posso mandar em você, mas é melhor não se envolver demais com ele. O garoto tem uma vida difícil e a última coisa que eu quero é ver você sofrendo.
- Não se preocupe, ok? Nós só saímos ontem, não há nada demais.
- E as fotos? Por que você estava chorando? E por que estava abraçada com ele?
- Ei, vai devagar com as perguntas. - Ele riu. - Ele puxou assunto sobre a minha mãe e eu contei tudo. Você sabe como isso mexe comigo. Eu chorei e ele me consolou. - Ele ficou em silêncio por um tempo e eu pensava em dezenas de reações que ele pudesse ter, mas ele apenas suspirou.
- Esse é um assunto sério pra ser contado assim. - Falou.
- Eu sei, pai, mas ele confiou em mim e me contou coisas sobre a vida pessoal dele que ele nunca contou pra ninguém desconhecido. Eu confiei nele porque ele confiou em mim. Não fica bravo. Eu sei que esse é um assunto difícil pra nós dois, mas... - Ele me interrompeu.
- Eu não estou bravo, Liv. - Ele sorriu, demonstrando que estava tudo bem. - Eu só tenho medo de que ele entre na sua vida de alguma forma. Esse negócio de paparazzis tirar fotos é o mínimo de tudo que acontece na vida do Justin, filha. Eu sou amigo dele há algum tempo e já vi fazerem coisas muito ruins pra tentar destruir a carreira dele, não quero que você se envolva nisso. - Sentei ao lado dele no sofá e o abracei forte, com o objetivo de mostrar que ele não precisava se preocupar com isso. Meu pai estava exagerando. Eu só saí com Justin uma vez e ele já tá achando que nós vamos nos casar e construir uma família.
- Não precisa se preocupar, pai. - Sorri fraco. - Eu já sou uma adulta, acho que tenho noção das coisas que estou fazendo. - Ele sorriu.
- Não fala esse negócio de que você é adulta! Pra mim não é. - Ri.
- É, pai, eu estou velha. - Ele riu enquanto eu levantava do sofá e me espreguiçava. - O que vai fazer hoje?
- Tenho umas três horas livre agora de manhã, mas depois vou trabalhar. Tenho que entregar esse carro do Justin logo.
- Vamos no shopping? Preciso comprar umas coisas pro Natal.
- Ah, é verdade! O Natal já tá chegando. - Ri. - Vamos sim. Vai se arrumar que te espero aqui. - Assenti e fui direto para o banheiro, onde tomei um banho rápido e bem quente. Depois disso fui para o quarto e me troquei. Uma das coisas que eu mais gosto em Los Angeles é que o inverno não é tão intenso, então não é necessário usar um monte de roupa, diferente de New Jersey que no inverno as temperaturas ficam muito abaixo de zero.
Após pegar a bolsa e o dinheiro que eu ganhei trabalhando por alguns meses na faculdade, tranquei a casa e fomos para o carro, em direção ao shopping.
- Vamos em qual? - Perguntei vendo meu pai tomar a direção contrária de Santa Monica, local onde ficava o shopping que eu costumava ir.
- Westfield Century City.
- Pai, esse shopping é caro. - Falei. Eu não poderia comprar em muitas das lojas que havia nesse shopping.
- Eu vou pagar e não adianta reclamar. - Odiava o fato de que eu não poderia arranjar um emprego. Eu estudava o dia todo e não sobrava tempo, então tinha que aguentar o fato de ser uma mulher de 20 anos que é sustentada pelo pai.
Nós chegamos no shopping depois de alguns minutos e meu pai me deu seu cartão para que eu pudesse comprar as coisas, enquanto ele me esperava na praça de alimentação. Não demorei muito, aliás eu não queria deixar meu pai esperando. Comprei o presente de Hailey, o do meu pai e comprei algumas coisas na H&M pra mim.
Ao voltar para a praça de alimentação encontrei meu pai conversando com alguém que estava de costas pra mim mas que eu pude reconhecer graças aos dois seguranças parados ao seu lado e os olhares que ele atraía. Meu pai me viu primeiro e acenou para mim, fazendo Justin virar e me olhar sorrindo. Retribuí o sorriso enquanto caminhava em direção à eles.
- Oi, Olivia. - Justin falou e me abraçou.
- Oi. - Falei sorrindo, demonstrando simpatia. - Anda nos seguindo? - Disse brincando e ele riu.
- Sim, sempre sigo mulheres que estão com o pai. - Ri.
- Justin ia na loja me entregar o pendrive. - Meu pai falou levantando o pendrive na altura do meu rosto para que eu o notasse. - Mas como ele tava por perto decidiu trazer aqui mesmo.
- Isso aí. - Justin falou e eu assenti. - Compras de Natal? - Disse apontando para as sacolas nas minhas mãos.
- Sim. Presentes...
- Legal! Eu to indo numa cafeteria aqui perto, querem ir?
- Eu não posso, tenho que trabalhar. - Meu pai falou e Justin voltou sua atenção para mim. Olhei para o meu pai e ele sorriu discretamente, demonstrando que estava tudo bem em eu ir.
- Iria ser ótimo porque até agora não comi nada. - Eles riram.
Entreguei minhas sacolas para o meu pai e me despedi dele. Depois Justin me guiou até seu carro que estava parado na rua em frente o shopping. Era um carro diferente, um Rolls Royce Phantom preto, e havia um motorista.
Nós entramos no banco de trás e Hugo no banco ao lado do motorista.
- Viu as fotos de ontem? - Justin perguntou.
- Vi. - Falei. - Acho que serei o assunto da semana das Beliebers.
- Pensa pelo bom. - Falou. - As fotos ficaram bonitas. - Justin disse fazendo graça e eu ri.
- Pelo menos isso.
- Mas falando sério... seria bom você evitar redes sociais por um tempo porque elas podem ser realmente más quando querem.
- Eu não uso redes sociais mesmo. - Falei e ele me olhou como se eu fosse algum tipo de aberração, o que me fez rir. - O que foi? Eu to falando sério.
- Em que mundo você vive? Meu Deus.
- Até pouco tempo atrás eu nem celular tinha. Não ligo pra essas coisas.
- É até difícil de acreditar. - Ri novamente. Qual o problema em não usar redes sociais?
- Eu não gosto, se eu quero falar com alguém eu ligo.
- Isso é algo bom porque as pessoas estão deixando de fazer ligações. Hoje em dia só se manda mensagens. - Falou. - Mas eu não sei o que seria de mim sem as redes sociais.
- Você é famoso, o seu trabalho pede que você as use. - Ele assentiu.
- Sim. Se não fosse as redes sociais eu acho que nem famoso eu seria. - Senti o carro parar logo depois que ele falou isso e Hugo desceu do carro, abrindo a porta pra mim em seguida.
- Obrigada. - Sorri pra ele. Era estranho, muito estranho, ter alguém pra abrir a porta do carro pra mim.
Justin saiu do carro logo atrás de mim e nós entramos numa dessas cafeterias de ricos de Los Angeles. Pegamos uma mesa afastada e rapidamente um garçom nos atendeu.
- Ryan falou algo sobre ontem?
- Não, ele só perguntou porque eu tava chorando. - Menti. Óbvio que eu não falaria que meu pai mandou eu tomar cuidado com Justin.
- Que bom. Normalmente os pais ou empurram suas filhas pra cima de mim ou mandam elas se afastarem e eu nunca consigo fazer novas amizades com pessoas que não sejam famosas. - Falou com o semblante triste e eu me senti mal por ele.
- As pessoas não conseguem entender que celebridades são pessoas normais, como todas as outras. - Ele suspirou.
- Nem me fale. É tão difícil viver sem poder confiar nas pessoas que se aproximam de você. Mesmo que elas falem que não ligam pro meu dinheiro, sempre tem um pouquinho de interesse.
- Ei! Eu não to aqui com você por interesse! - Ele riu.
- Eu sei disso. Eu vejo que você não é interesseira, até porque seu pai é rico e você nem liga pro dinheiro dele. - Assenti.
- É bom saber que você vê isso. Algumas pessoas pensam que eu sou metida, ou algo do tipo, e meu pai me mandou levar essa vida pra ver se eu mudo. - Ri lembrando de quando ouvi falarem isso de mim. Foi a coisa mais ridícula que eu já ouvi.
- As pessoas são muito criativas quando é pra falar da vida dos outros. Podiam usar essa criatividade pra fazer algo produtivo.
- Exatamente! O mundo seria um lugar muito melhor. - Ele riu concordando com o que eu disse.
- Ah, lembrei! - Ele falou de repente. - Hoje alguns amigos meus vão lá pra casa, vai ser tipo uma social. Você quer ir? Prometo que vai ser legal. - Fiquei pensando por um minuto antes de responder. Eu não sabia se devia ir, não sabia se devia estar tão próxima do Justin a ponto dele me chamar pra casa dele, não sabia se meu pai estava certo quando disse que eu não devia me aproximar tanto dele, eu não sabia de nada.
- Eu não sei... - Foi só o que saiu da minha boca.
- Vamos. - Implorou. - Eu juro que vai ser algo normal, não vai ter nenhuma pessoa super famosa lá. Tirando eu, é claro. - Se gabou e eu ri. Ele era engraçado quando tentava se gabar porque parecia muito forçado. - Já sei! Você tá com medo de ir, é isso? Olha, não precisa ficar com medo, eu não vou te agarrar lá, nem o Khalil. Ele é safado, mas não a esse ponto.
- Justin! - Falei rindo. - Não to com medo de alguém me agarrar lá.
- Então o que é?
- Você sabe... vão falar mais ainda de mim e eu me sinto incomodada. - Ele bufou irritado.
- Você gosta de passar um tempo comigo? Por que se realmente gostasse você não ia se importar de que algumas pessoas que você nunca viu na vida falem de você. - Ele falou tudo de uma vez e eu suspirei, procurando as palavras certas para falar.
- Eu gosto de... "passar um tempo" - Fiz aspas com os dedos. - com você, mas tenta se colocar no meu lugar. Eu nunca gostei de receber tanta atenção assim e de uma hora pra outra eu tenho meu rosto em vários sites do mundo. To assustada com tudo isso, Justin.
- Eu sei, mas tenta enxergar que as pessoas só se assustaram ao me ver abraçando uma mulher na praia. Logo a poeira vai abaixar e vão esquecer. - Falou. - E aliás, vamos parar com esse assunto porque estamos parecendo um casal discutindo. - Nós rimos.
- Tem razão. Olha, posso te dar uma resposta depois? - Ele assentiu.
- Pode, mas eu espero que seja um sim. - Ri. - Você viu como o carro tá ficando? - Perguntou mudando o assunto.
- Só vi de longe e ele estava muito bonito.
- Ele tá ficando lindo! Você tem que ver.
- Você tá mesmo animado com esse carro. - Ele riu.
- Sim, toda vez que algum carro meu é personalizado eu fico assim. - Falou e em seguida levantou da cadeira. - Vamos? Não posso ficar muito tempo em um mesmo lugar senão aparece um monte de fãs e paparazzis.
- Vamos... - Falei. Cada vez que eu saía com ele eu me surpreendia mais com a sua vida.
Justin pagou a conta e nós voltamos para o carro, mas não antes de dois paparazzis que estavam ali tirarem fotos nossas.
- Acho que vai ter mais umas fotos suas na internet. - Dei de ombros e ele me olhou com a sobrancelha arqueada. A verdade é que eu precisava entender que essa era a vida do Justin, não tem como ele fugir disso, e já que estamos nessa fase "amigos", então eu teria que me adaptar a sua vida. Ou era isso, ou eu paro de falar com ele, coisa que eu não quero fazer. É bom poder conversar com ele, apesar de toda essa loucura.
- Acho que tenho que passar a entender o seu lado. - Ele sorriu e passou a olhar para frente.
- Obrigada. - Falou agora me olhando e eu retribuí o sorriso. - Acho que nunca ouvi isso. - Falou e riu fraco, o que me fez sorrir.
- Ainda posso ir na sua casa?
- Claro! Eu te busco lá pelas 8 horas, pode ser?
- Sim. - Ele assentiu e então voltou a olhar para frente. Ficamos em silêncio por um tempo e então ele voltou a falar.
- Quer saber de uma história engraçada que eu tava lembrando? - Perguntou.
- Sim.
- Uma vez eu parei pra tirar foto e falar com alguns fãs e teve uma garota que pediu um beijo na bochecha. Claro que eu dei, mas ela virou o rosto e me beijou na boca. - E então ele começou a rir, o que fez eu, Hugo e o motorista rir também.
- Essa garota sabe como conseguir o que quer. - Hugo falou e Justin riu mais ainda. Sua risada era contagiante.
- Sim, cara. Eu fiquei com vergonha na hora, mas sempre vou rir quando lembrar disso.
- Ela deve tá feliz até hoje. - Falei e ele assentiu.
- Quem não ficaria feliz em me beijar? - Revirei os olhos.
- Vamos abaixar a bola, né querido. - Falei o fazendo rir novamente.
- Sr. Bieber, vamos pra sua casa? - O motorista perguntou.
- Não, não. - Ele virou pra mim. - Quer que eu te deixe em casa ou na oficina?
- Em casa se não for incomodar. - Ele assentiu.
- Vamos pra casa dela. Fica em Brentwood.
- Justin. - O chamei.
- Que?
- Quem vai tá na sua casa?
- O Ryan Butler, Khalil, Hailey, Sammy, Kendall, Hugo e acho que só. - Assenti. Como se eu conhecesse todas essas pessoas. - Você pode levar alguém se quiser.
- Não acha isso meio perigoso? - Ele riu.
- Você é de confiança. - Sorri.
Nós ficamos em silêncio o resto do caminho. Justin estava cantando baixo a música que tocava no rádio, Hugo mexia em seu celular e eu fiquei apenas olhando a paisagem e pensando no que eu estava fazendo com a minha vida.


Heeeey! Olha quem tá aqui de novo! rsrsrsrsrs
Como estão gente?
Se não gostarem desse capítulo eu entendo pq eu também não gostei muito :( Vou tentar compensar no próximo, ok?
Mas então gente, o que vcs acharam da participação do Justin na Ellen? Eu to muito feliz ljdfkldsjfldjel Ele estava tão lindo e tão nervoso haha <3 2015 é o ano dele e ele vai voltar sambando *u*
E genteeeee amanhã, dia 01/02, é meu aniversáriooooooo! \o/ TO MUITO VELHA, SCRR
Queria pedir a ajuda de vcs pra eu conseguir o follow do Justin como presente haha Meu Twitter é @BieberIsAngel_ aí se vcs pudessem tweetar coisas do tipo "hey Justin, follow @BieberIsAngel_, it's her birthday" iria me ajudar muitooo. E ah, se puderem me seguir eu sigo de volta, é só deixar o user aqui ^^
E fiquei feliz que vcs gostaram do Envie Sua Fanfic. Eu tenho mais algumas aqui pra postar, espero que gostem delas tbm :D
E é isso, gente! Obrigada por todos os comentários e elogios, vcs me deixam muito felizes <3
Beijinhos e até o próximo capítulo ;*

Divulgando:

28/01/2015

Envie sua fanfic: Vou te esperar por @NoahDunne

16 comentários: | |
Nome da autora: Noah Viana
Idade: 18 anos
Twitter: @NoahDunne


Vou te esperar

Deixe-me contra uma historia que aconteceu há 40 anos atrás. Eu era uma moça muito bonita nessa época, mas tinhas alguns problemas familiares. Mas quem não teve nessa época? O mundo estava perdido. Eu trabalhava em uma loja da Apple que anos depois veio a falir, você acredita? O velho iPhone que todo mundo queria ter que hoje nem existe mais. Eu me lembro de um rapaz bonito e amado por milhões de garotas pelo mundo inteiro, que fez muito sucesso um dia nos anos de 2009. Meus netos sempre riem de mim porque eu conto a mesma historia toda vez que eles me perguntam "Vó, quem é Justin Bieber?" e minhas netas dizem que ele não tinha estilo. Eu quase bati nelas, mas naquela época esse tipo de roupa era o nosso estilo (pra quem tinha dinheiro né). Eu era uma dessas milhões de garotas apaixonadas pelo loirinho canadense que conquistou o mundo tão rápido. Anos se passaram e ele deixou a cabeleira enorme e adotou um corte mais pra idade dele, mas continuou lindo e todas as garotas ainda mais apaixonadas por ele, fãs de carteirinha. Como se chamava mesmo? Ah sim, Belieber! Eu era... perdão, sou uma Belieber de sangue roxo. Lembro-me de ter ido ao show dele uma vez com minhas boas e velhas amigas Thamirys e Isabelle. Hoje a idade não nos permite mais ir a lugares tão barulhentos, mas nessa época dançávamos e cantávamos feito loucas. Isabelle faleceu jovem, que deus a tenha, mas ela era doida. Quem falasse mal do nosso queridinho ela queria bater (ela era Belieber barraqueira). Thamirys era a chorona, sempre foi assim. E eu, Noah, sempre a Belieber juntos e misturados, aquela que sente tudo sabe? (todas em uma só). Na minha época a risada se escrevia assim kkk hoje e algo estranho k3k3k3k3k3k3k3k. É mudou um pouco, mas também estamos em 2045. Continuando, nós três no ano de 2020 fomos à um show dele nos EUA (eu moro aqui agora, me mudei com um amigo para NY porque esse sempre foi o sonho dele. Depois nos casamos e anos depois ele veio a falecer). Eu estava tão animada pela minha primeira vez que eu iria à um show dele, porque ser Belieber e brasileira nunca foi fácil. Curtimos muito o show. Ele tinha na época 27 anos e eu 25, e em todo show (acho que você que esta lendo vai lembrar do que vou dizer ou se não lembrar vai ate o D4RCÁ ou o antigo YouTube e veja) ele tinha acabado de fazer um medley de algumas músicas antigas, se não me falha a memória foram One Time, Eenie Meenie, Baby, Love Me e acho que só, eu não me lembro. Eu estava curtindo as musicas quando ele disse “aonde esta a OLLG desta noite?” e a senhorita (ainda chamo ela assim, mas eu prefiro sogra) Pattie veio em minha direção e disse: “Você quer ser a OLLG desta noite?“. Eu travei, é serio, não sabia o que dizer. A Thamirys disse sim por mim porque eu não conseguia falar. Eu sorri quando me dei conta que isso realmente estava acontecendo. É o sonho de toda Belieber, não é? Enfim, foi um dos melhores momentos da minha vida, esse era o meu maior sonho. Contudo, assim que saimos do palco ele disse: “Fique aqui”. Eu assenti e tirei fotos com todos da equipe que estavam ali. Assim que o show encerrou ele desceu do palco sorrindo. Eu me lembro do sorriso dele como se fosse hoje...

FLASHBACK ON (ano de 2020)
Ele desceu do palco e me fitou. Eu sorri e ele veio em minha direção.
Justin: Gostou do show?
Noah: Ainda pergunta. – Sorrimos. - Foi perfeito. - Eu o abracei e disse a ele tudo que toda Belieber diria se tivesse essa oportunidade.
Justin: Eu não entendi seu nome. – Sorri.
Noah: É Noadia, mas pode me chamar de Noah porque eu não gosto do meu nome. – Rimos.
Justin: Gosto do seu nome.
Noah: Ah, obrigada.
Justin: Mas como você não gosta eu vou te chamar de Noah, ta bom?
Noah: Por mim tudo bem.
Justin: Você sabe do concurso né?
PAUSA NO FLASH


Eu não contei pra vocês do concurso né? É que toda OLLG de cada show naquela época ganhava “UM DIA COM O JUSTIN” e eu fiquei muito feliz nem acredito que um dia com ele me daria anos de alegria.


Noah: Ah sim, o concurso. – Eu surtei. Meu Deus, eu iria ganhar um dia com ele, meu ídolo querido. Me belisque. - Nossa, nem acredito nisso.  – Horas depois eu me despedi e fui pra casa feliz, muito feliz mesmo.
Thamirys: Piranha, não acredito! Que sortuda.
Noah: Ai Thammy, nem eu acredito nisso! – Demos pulos e gritos histéricos. - Chega. - Rimos.
Thammy: O que você vai vestir?
Noah: Ah não sei, me ajuda! Eu só tenho 12 horas pra escolher uma roupa, fazer meu cabelo e unha, não vai dar tempo! (eu contei pra vocês que na minha juventude eu era muito dramática? Não? Agora vocês sabem.)
Thammy: Claro que dá maluca. Eu te ajudo amanhã né, porque hoje eu to cansada, mas não quero dormir. AHHHHHH – Gritou. - OLLG! OLLG! OLLG! – Ela começou a cantar e eu maluca acompanhei. Pra que eu fiz isso meu Deus? E lá se foram horas e horas até o dia quase clarear mas depois dormimos.
(...)
Eu levantei toda feliz e reluzente. Hoje seria um dia mágico pra mim. Fiz cabelo e maquiagem com a ajuda da Thammy e da Isa e fiz a unha. Estava linda. Eu recebi uma mensagem dele porque na noite passada ele pediu meu número: “Estou ansioso para o nosso dia. Você está? Justin”
Noah: Ah, Justin é um fofo mesmo.
Thammy: Muito mesmo, que sortuda você.
Isa: Muito mesmo, amiga. Curta, beije, transe com ele por mim. - Ri.
Noah: Isa, que isso. – Rimos.

Desci as escadas do apê e tinha um carro preto a minha espera e muitas fãs dele. Eu entrei no carro com ajuda de um dos seguranças dele, mas ele não estava lá dentro. Seguimos em silêncio até um restaurante e quando eu entrei eu o fitei ao lado de uma mesa falando ao celular. Quando me viu sorriu e eu retribuí.
Justin: Oi, Noah. Nossa, que linda!
Noah: Ah, obrigada. – Nos abraçamos e era impossível não chorar, era muita emoção.
Justin: Não chora. – Enxuguei as lágrimas.
Noah: Não dá. - Sorri e ele também. - É um sonho se realizando. – Sentamos, ele pediu e começamos a comer.
Justin: Então, Noah, o que mais gosta em mim?
Noah: Eu podia dizer tudo porque sou Belieber, mas eu admiro muito a forma como você compõe. Eu consigo enxergar... como posso te explicar... - Me fitou. - Sabe quando somos crianças e ganhamos o nosso primeiro presente. – Assentiu. - Por mais simples que seja, a melhor parte é ver a reação da criança ao receber tal coisa.
Justin: A alegria. Você consegue ver os olhos dela brilhando.
Noah: Isso! É isso que eu vejo nas suas músicas. Consigo imaginar você escrevendo cada palavra, eu vejo que há sinceridade em cada melodia. Você é um excelente compositor. - Sorriu.
Justin: Obrigado. Nossa, que profundo. Muito profundo. – Sorri. - Então... me fala de você.
Noah: Ah. - Joguei meu cabelo pro lado. - Eu sou uma cantora mundialmente conhecida, sabe? Com fãs no mundo inteiro. Minha vida é uma loucura. – Rimos. - Brincadeira. – Sorriu. - Tenho 25 anos, eu moro em NY com duas amigas, elas são as melhores do mundo inteiro, e um amigo também.
Justin: Amigo. - Sorriu.
Noah: É, só amigo. - Ri. - E comecei a fazer artes cênicas. Eu amo teatro.
Justin: Que legal! Você é uma atriz, isso explica o seu senso de humor.
Noah: Péssimo senso você quer dizer né. – Rimos.
Justin: Não, eu acho você engraçada. Gosto de garotas engraçadas. - Sorri.
Noah: Legal, acho que é só isso.
Justin: Família, diz aí.
Noah: Meu pai morreu tem dois anos e minha mãe eu nem sei dela, faz alguns anos que não há vejo. Ela praticamente sumiu antes do meu pai morrer e abandonou os 4 filhos já adultos porque não aguentava a gente. – Sorri. - Meus irmãos casaram e cada um seguiu sua vida. Eu nunca mais vi eles. Desde que me mudei pra cá não tenho mais notícias deles.
Justin: Desculpa por tocar nesse assunto.
Noah: Não, tudo bem eu falo numa boa. - Sorri.
Justin: Deve ser triste não ter uma mãe por perto pra lhe orientar e guiar seus passos.
Noah: É sim – Sorri. - mas eu acredito que com o tempo tudo passa.
Justin: E você encontra motivos pra sorrir?
Noah: Sem pressão, mas um dos meus motivos pra sorrir é você. – Sorriu.
Justin: Você também é o meu, linda. – Sorri.
Noah: Uma coisa que aprendi é que quando as coisas vão mal tudo pode mudar se você sorrir e é por isso que sorrio.
Justin: É um bom lema de vida - Sorri.
Terminamos de comer e o celular dele tocou.
Justin: Se importa de ir ao estúdio comigo?
Noah: Claro que não.
Fomos até o estúdio e ele resolveu algumas coisas. Ele quis ser bem rápido para que possamos aproveitar o dia e depois ele me levou até um jardim lindo que foi fechado pra "nós". Eu fitei aquele lugar e sorri.
Noah: Gosto de verde.
Justin: Que bom. – Eu fui até uma arvore e a fitei. Ele parou do meu lado e fitou ela também.
Noah: Me ajuda a subir.
Justin: Você vai subir? - Assenti. - Que corajosa. - Rimos. - Claro que ajudo.
Noah: Faz cadeirinha.
Justin: O quê? – Mostrei a ele como se faz e ele fez.
Noah: Agora só te peço uma coisinha: não olha pra cima tá? Porque eu to de saia.
Justin: Isso é tentador. - Rimos. - Mas eu não faria isso. - Eu subi nas mãos dele.
Noah: Não olha hein.
Justin: Já olhei. - O fitei. - Brincadeira. – Sorriu e eu sentei na árvore.
Noah: Bobo. - Sorriu. - Você não vem? – Assentiu. Escalou a árvore e sentou ao meu lado. - Tudo é tão diferente depois que superamos  o medo.
Justin: Por que diz isso?
Noah: Porque eu tinha medo de altura e já cai de uma árvore. – Rimos. - E agora olha pra mim. Estou aqui há 4 metros do chão numa árvore.
Justin: Você acreditou que podia superar seu medo e conseguiu.
Noah: Sim, mas eu tomei belos tombos.
Justin: Como na vida né? - Assenti e me desequilibrei e caí da árvore propositalmente. - NOAH! - Ele pulou da árvore e ajoelhou no chão enquanto eu ria. - Maluca, que susto que você me deu! - Sorri. - Se machucou?
Noah: Não, foi de propósito. - Rimos.
Justin: Não faça mais isso, que susto.
Noah: Sua cara foi tão engraçada. Tomara que amanhã o TMZ não crie notícias assim: "Justin Bieber empurra fã de uma árvore porque ela encheu seu saco." - Rimos.
Justin: Seria uma boa notícia. - Rimos e sentamos na grama. - Sinto falta dos meus amigos.
Noah: Imagino. Essa vida de fama pode ser boa, um sonho, mas tem seus contras. Você conquista fama, prestígio, dinheiro, mas perde privacidade, respeito e integridade.
Justin: Quem é você? Minha consciência? - Rimos.
Noah: Não, apenas te entendo. – Ficamos por um tempo fitando o nada e eu reparei ele me fitando. - O que foi?
Justin: Você e uma garota incrível, sabia.
Noah: Que isso.
Justin: É sério. Faz tanto tempo que eu não encontro alguém assim como você.
Noah: Imagino. Deve ser difícil não saber quem está contigo pela amizade ou seu dinheiro e fama. - Assentiu.
Justin: É, eu nunca sei.
Noah: Vou te ajudar. – Me fitou. - Vamos pensar assim: o nosso corpo tem milhões de anti-corpos, certo?
Justin: Como isso vai me ajudar? – O interrompi.
Noah: Presta atenção. - Assentiu. - Temos milhões de anti-corpos que são como nossos amigos, certo? - Assentiu. - E os nossos problemas podem ser...
Justin: Uma gripe.
Noah: Isso! A questao é que só metade ou talvez um terço desses anti-corpos vão combater sua gripe e os outros anti corpos não vão fazer nada para evitar que você adoeça.
Justin: Então isso explica que eu posso ter milhões de amigos mas só os verdadeiros vão estar comigo nos momentos difíceis.
Noah: Isso aí! - Sorri.
Justin: Você é inteligente.
Noah: É, eu sei.
Justin: E convencida.
Noah: Aprendi com meu ídolo.
Justin: Eu não sou convencido. – Ri.
Noah: Acredito.
Justin: Tá me chamando de mentiroso?
Noah: Imagina, de jeito nenhum. – Rimos. - Quem sou eu pra dizer tamanha calúnia? - Rimos.
Justin: Muito boba essa menina, meu Deus.
Noah: Ele me fez assim.
Justin: E muito bonita também – Sorri.
Noah: Ah, para. – Corei.
Justin: Ficou vermelha.
Noah: Não tem graça, sabia? - Rimos.
PAUSA DO FLASH


Depois desse dia ficamos melhores amigos por meses. Era como se nos conhecêssemos há anos e estávamos separados pelo destino. Nessa época foi um caos na carreira dele que o abalou profundamente. Seu irmão mais novo Jaxon foi diagnosticado com um grave problema no cérebro. Lembro-me como se fosse hoje todas as vezes que Justin corria para o hospital com ele e todas as noites em claro que passamos juntos com ele, mas com ajuda de grandes profissionais da medicina Jaxon foi curado e hoje é um homem lindo. Cantar está no sangue dele, assim como está na alma do irmão. Justin passou a significar pra mim muitos mais que antes porque foram esses momentos que passamos juntos que me mostraram o quão frágil ele é em relação a família e as pessoas que ele ama, o que me fez admirá-lo ainda mais.
Teve um momento ao tudo começou acontecer.

Justin: NOAH! – Eu fui até a sala e ele me esperava porque como sempre íamos a praia de madrugada porque ele poderia andar com menos seguranças, mas hoje andaríamos pela iluminada NY. A noite é linda aqui e ele aproveitaria tudo sem precisar de 50 seguranças ao redor dele ou correr de flashes de paparazzis.
Noah: To pronta. - Ele me fitou.
Justin: Uau, tá cada dia mais linda.
Noah: Valeu. – Saímos e assim que colocamos os pés na rua o silêncio reinava, as luzes brilhavam como num show.
Justin: Entra. – Ele abriu a porta do carro pra mim.
Noah: Não, vamos andando, princesa. - Rimos. - Quero que você possa ser alguém comum por pelo menos uma horinha sem gritos e flashes.
Justin: Tá, mas sem seguranças também.
Noah: Leva só dois pra não sermos assaltados. - Rimos. Ele fechou o carro e caminhamos pelas ruas de NY. – Aonde estamos indo?
Noah: Não sei, não conheço esse lado da cidade. - Ele me fitou assustado.
Justin: Estamos perdidos? - Assenti - Ai cacete. - Ri.
Noah: É brincadeira, calma aí astro pop, eu não vou te sequestrar não. – Ri. - Pra que eu iria fazer isso?
Justin: Sei lá, ninguém sai de madrugada pra andar nas ruas e você me dá medo. - Rimos.
Noah: Hey! Brasileiro é maluco mas nem tanto! – Me fitou.
Justin: Você é brasileira? - Assenti. - Sério?
Noah: Nunca te contei? - Negou. - Nossa, que estranho. Mas sou sim. Nasci na cidade maravilhosa.
Justin: Que legal! Você é brasileira e eu amo o Brasil.
Noah: Quem não ama? – Rimos e fitamos alguns fast food 24 horas. Compramos alguns lanches e saímos antes que alguém o reconhecesse.
Justin: Ah, é tão bom andar pelas ruas sem...
Noah: Se esconder. – Assentiu.
Justin: Sim. – Sorrimos e fomos até o Central Park. Sentamos e comemos, rimos bastante, contamos coisas engraçadas e micos da vida. Depois ficamos em silêncio e eu o fitei. Ele parecia nervoso.
Noah: O que você tem? Por que você tá suando? – Ele assentiu que não estava bem e eu me assustei. - Ai meu Deus, o que você tem?
Justin: Eu to nervoso.
Noah: Relaxa, ninguém vai te reconhecer não.
Justin: Eu sei, mas eu to nervoso por outra coisa. – Me fitou. - Eu posso te pedir um conselho?
Noah: Claro, diz aí.
Justin: Eu to apaixonado por uma garota faz um tempo. - O fitei.
Noah: Awn. Me conta tudo. Quem é ela? Conta quem é.
Justin: Não. – Rimos.
Noah: Tá bom, continua então.
Justin: Ela é inteligente, linda, tem um sorriso encantador, é fofa, querida, companheira...
Noah: Chega de adjetivos né. - Rimos.
Justin: Eu amo ela de verdade.
Noah: E qual e o problema nisso?
Justin: É que eu não sei se ela gosta de mim, sabe? Não sei se me declaro pra ela.
Noah: Ah sim... – Ri. - Justin, quem não gosta de você? Tirando um terço da população mundial que são seus haters. - Rimos.
Justin: Eu queria pedir ela em namoro mas não sei se devo, me ajuda.
Noah: Claro. Olha você só precisa ser você mesmo, tomar coragem e dizer a ela aquilo que você sente.
Justin: Você acha?
Noah: Claro que sim. – Ele me fitou, segurou minhas mãos e eu sorri de volta.
Justin: Noah, eu te amo.
Noah: Também te amo, Justin. – Sorri.
Justin: Não, você não entendeu. Eu sou completamente apaixonado por você. – Eu fiquei em choque. não sabia o que dizer. – Olha, faz algum tempo que eu sinto muitas coisas por você mas não disse porque tinha medo de você não corresponder. Por isso inventei de você me mostrar NY de madrugada pra que pudéssemos ficar sozinhos e juntos.
Noah: E-eu não sei o que dizer.
Justin: Eu vou entender se você não puder me corresponder. - Ri.
Justin: Justin, eu também te amo, mas é amor e fã e ídolo, entende? Eu amo o Justin Bieber, o cantor, eu idolatro ele e você, o Justin, só o Justin, eu sou apaixonada.
Justin: Não entendi.
Noah: Retardado. - Rimos. – Olha, vamos fazer assim: já somos amigos, certo? – Assentiu e eu não sabia o que dizer. - Uau, pela primeira vez eu não sei o que fazer, logo eu a "sabe tudo".
Justin: Verdade. Você quer namorar comigo? - Tirou uma caixinha do bolso com um anel solitário dourado.
Noah: Quero. - Sorrimos e ele colocou o anel em mim e nos abraçamos. – Então...
Justin: Então... – Rimos. – é diferente né?
Noah: É sim. – Sorri sem graça.
Justin: Vem cá. – Fomos pra debaixo de uma árvore e ele me abraçou.
Noah: Se for um sonho não me acorde.
Justin: Se for um sonho quero dormir pra sempre. – Alisou meu rosto e nos beijamos. Ele foi tão carinhoso comigo. Era perfeito, muito mágico, eu me sentia feliz.
PAUSA DO FLASH

Ah, eu me lembro como se fosse hoje as juras de amor, a alegria de ter ele todos os dias pra mim e poder abraçá-lo e beijá-lo, saber que fomos feito um pra o outro. É tão especial como tudo acontecia entre nós que parecia ser mentira. Namoramos e depois de um ano eu decidi me entregar pra ele, foi o melhor da minha vida.

Eu iria dormir na casa dele como sempre, mas nada rolava entre nós. Eu nunca pensei que esse dia iria chegar, eu me sentia preparada pra ele, estava pronta pra isso.
Justin: Boa noite, amor. – Ele me deu um beijo e foi pro quarto dele. Eu tomei um banho depois que ele saiu e coloquei uma lingerie preta que eu tinha comprado recentemente. Eu nunca pensei que eu um dia iria comprae algo tão curto e tão fino mas eu comprei. Me perfumei e soltei meu cabelo. Fui até o quarto dele e entrei. Fitei ele dormindo apenas de box vermelha e sorri.
Noah: Justin. - Ele virou e se assustou ao me ver ali e vestida daquele jeito.
Justin: Oi, amor, porque você esta vestida assim? Não provoca. – Sorri e ele veio até mim. – Você tá linda, sabia?
Noah: É, eu sei. – Nos beijamos e ele me levou ate a cama. Rimos durante o beijo, ele deitou na cama e eu fiquei por cima. Senti ele arfar com meus beijos e sorri.
Justin: Um lema de vida. – Beijo. - Não comece aquilo que você não possa terminar. – Sorri e continuei beijando ele.
Noah: Tenho um novo lema. – Nos fitamos. - Estou pronta pra você. – Nos fitamos e ele sorriu.
Justin: Sério? – Assenti. Ele tomou meus lábios e ficou por cima de mim, tirou minha camisola com carinho e fez um caminho de beijos no meu corpo. - Prometo não te machucar. – O fitei.
Noah: Confio em você. – Nos beijamos.
PAUSA NO FLASH

Vocês podem imaginar o resto daquela noite né? Acho que sim porque não cabe a mim uma senhora de 60 anos falar isso pra jovens como vocês. Eu não tenho mas idade pra essas coisas, minhas crianças concordam.
Tudo estava tão bem entre nós. Eu posso dizer que vivi o filme "Starstruck: meu namorado é uma super estrela", um filme da minha época.
O tempo foi passando e com ele os problemas chegaram.

Justin: Eu não quero você dando ideia pra esses seus amigos da faculdade. Sabe como eles são. E você não vai a essa festa. Você não percebeu que seu professor está dando em cima de você? Eu vi a maneira que ele te olha e te trata, com muito carinho, não acha?
Noah: Justin, isso de novo? Pelo amor de Deus, eu já disse que sou fiel a você assim como você é fiel a mim, não precisa desconfiar de mim. Sei que você já foi traído e eu não pretendo fazer isso com você.
Justin: Não desconfio de você, amor, mas como você acha que eu me sinto quando eu estou do outro lado do mundo e vejo fotos suas beijando e abraçando um monte de rapazes e eu aqui, o bobão apaixonado, tenho que fingir que isso não me incomoda, que é normal?
Noah: Mas é normal, Justin. Isso é normal, mas seu ciúme não te deixa enxergar isso.
Justin: Ah, e você vai morar comigo, já ta decidido. Não quero mais você no mesmo teto daquele garoto.
Noah: O Carlos... Ah Justin, não acredito. - Ri.
Justin: Mas pode acreditar.
Noah: Não sou uma cadelinha que você põe a coleira, carrega contigo pra onde você for e faz o que você mandar.
Justin: VOCÊ É MINHA NAMORADA, CARAMBA!
Noah: NAMORADA, NÃO UM CÃO ADESTRADO! - Nos fitamos e eu senti minhas lágrimas caírem. Enxuguei e ele se aproximou.
Justin: Desculpa. – Segurou minha mão.
Noah: Sua vida se resume em me pedir desculpas né? – Eu o fitei. - Eu aguento tantas coisas por você há 3 anos que estamos juntos, aguento críticas, sou xingada diariamente por muitas de suas fãs sendo que eu também sou uma. Muitas simplesmente me odeiam e fazem questão de mostrar isso. Eu aguento metade do mundo me julgando, ouço todos os dias as mesmas coisas: "ela só esta com ele por dinheiro. pela fama".
Justin: Amor, já disse pra você não ligar pra isso.
Noah: Não dá, não consigo! Metade do mundo me julgando sem me conhecer e eu não sou nem famosa. Olha, eu to cheia disso, eu acho que vou surtar! – Levei minhas mãos a cabeça e ele me abraçou.
Justin: Eu to aqui pra te ajudar, vamos sair dessa juntos.
Noah: Não, Justin. Não tem como sair dessa porque esse é o seu mundo e eu não consigo viver nele. – Respirei fundo. - Olha, terminamos aqui, tá? Acabou. – Me encarou.
Justin: Tá terminando comigo? – Eu via as lágrimas dele. - Não, você não pode fazer isso. Você não me ama mais?
Noah: É claro que te amo, meu amor.
Justin; Então vamos aguentar tudo isso juntos. - Neguei.
Noah: Eu fico meses sem te ver porque você está rodando o mundo pra fazer as pessoas felizes, sendo que eu não estou feliz porque quando você volta só brigamos e quando nos entendemos você está voltando pro mundo outra vez. Nunca vamos dar certo. Chega de brincarmos com nossos sentimentos, isso aqui não é um filme em que no final tudo é "felizes para sempre", estamos no mundo real e na maioria das vezes não tem final feliz. - Ele ia as lágrimas.
Justin: Para, para, para. – Enxugou as lágrimas. - Não, Noah, não. NÃO, POR FAVOR, NÃO ME DEIXA. – Ele se aproximou. - Olha pra mim. – Fitei. - Isso é só uma fase, é só uma fase ruim, tudo vai ficar bem. - Eu neguei e enxuguei as lágrimas.
Noah: Quem estamos enganando, Justin? – Neguei. - Nada vai ficar bem, para de se enganar.
Justin: Vai sim. - Alisou meu rosto. - Vai sim, amor.
Noah: Eu não consigo mais, Justin. Acabou. - Eu ia sair da casa dele mas ele me segurou.
Justin: Tudo vai ficar bem, eu sei disso. – Ele soluçava. - NÃO ME DEIXA, POR FAVOR. NÃO ME DEIXA.
Noah: Desculpa. - Enxuguei as lágrimas que insistiam. - Me perdoa.
Justin: Não.. não me deixa, amor. EU TE AMO, PORRA.
Noah: Eu também te amo mas não dá mais.
PAUSA DO FLASH

Eu lembro-me até hoje como foi difícil. Essa foi a pior época da minha vida. Nos separamos e doeu tanto. Naquela época eu só chorava. Lembro que ele se desligou do mundo por meses, não fazia shows e nem entrava nas redes sociais, o que preocupou a família dele, suas fãs e a mim também. Minha vontade era de ir até ele mas isso só iria piorar tudo, então ficamos assim, cada um sofrendo no seu canto até a dor passar.
Cinco anos depois eu me casei, acho que foi no ano de 2028 ou foi em 2029. Eu me casei com meu falecido esposo e amigo Carlos. A gente acabou gostando um do outro e aí casamos. Tivemos dias felizes e bem conturbados mas fomos felizes enquanto durou. Lembro que naquela época fui convidada para o aniversario da Jazzy de 22 anos. Ela estava uma moça linda. Eu estava com 33 anos e Justin com 35. Lembro de estar nervosa porque seria a primeira vez que íamos nos ver desde o término do namoro mas algo me dizia que meu coração ainda pertencia a ele.

Assim que entramos na festa Pattie nos recebeu.
Pattie: Muito feliz em te ver, Noah. – Abraço. - Você está uma linda mulher.
Noah: Obrigada, Pattie. E você magnífica como sempre. - Sorriu e eu apresentei a ela o Carlos, meu esposo, e depois fomos curtir a festa que era no jardim da casa dele.
Carlos: Não vamos ficar por muito tempo né amor? – O fitei.
Noah: Não, Carlos. – Eu fitei cada canto daquele jardim na esperança de encontrá-lo.
Carlos: Ele não esta aqui, Noadia. - Ele franziu a testa.
Noah: Carlos! – Ele se afastou de mim. Eu decidi não ir atrás dele porque quando ele se irrita é como se o céu desmoronasse na cabeça dele. Fui até uma mesa de petisco que ficava embaixo de uma árvore. Sorri ao lembrar do “UM DIA COM O JUSTIN” e que foi daí que tudo começou. Queria que as coisas dessem certo pra gente mas já é tarde demais.
Xxx: Precisa de cadeirinha? Prometo que não olho pra cima. - Virei automaticamente ao ouvir aquela voz rouca e sorri.
Noah: Oi! – Disse animada e o abracei. - Menino, você dorme no formol. – Riu. - Não mudou nada.  – Sorrimos.
Justin: E você cada dia mais bela. Soube que casou.
Noah: É, eu casei e você também né?
Justin: Casei sim mas não deu certo e estamos nos divorciando.
Noah: Ah, que pena. Se eu não estiver sendo muito inconveniente porque não deu certo?
Justin: Por que eu ainda sou apaixonado pela mesma garota depois de anos e eu quero ela de volta. Será que tenho chances? - Sorriu. Ele sabia como me seduzir e pra isso um sorriso, uma arrumada no cabelo, me deixava extasiada.
Noah: Depende... Ela sou eu? - Assentiu. – Você sempre terá todas as chances do mundo. meu amor. - Sorriu. - Mas não posso, sou casada.
Justin: Vem comigo. - Me puxou pelo braço.
Noah: Justin, pra onde você está me levando?
Justin: Vem. - Sorrimos e corremos feito dois apaixonados pela festa até dentro da casa. - Eu ainda te amo, Noah.
Noah: Eu também, Justin, mas você sabe que não dá.
Justin: Eu sei que você não ama o Carlos.
Noah: Não fala assim, eu gosto dele. – Sorriu.
Justin: Viu? Você disse que gosta, não que ama. – Fitei meu celular e abri uma mensagem. Era do Carlos: "Fui pra casa andando pra esfriar a cabeça. Deixei o carro pra você na garagem da Pattie. Não demora. TE AMO, Carlos." Eu sorri e ele também.
Noah: Tá, eu confesso que meu coração ainda pertence a você mas você sabe que não podem... - Ele me beijou e eu retribuí. Estávamos com uma certa urgência pra isso. Ele me levou até uma área da casa que parecia a dispensa. Entramos ali aos beijos e ele me pressionou contra a parede.
Justin: Você sempre será minha. – Beijo.
Noah: Sempre. – Sorri. Nos beijamos. Ele abriu meu vestido e eu tirei a camisa dele. Eu precisava dele tanto quanto ele precisava de mim. Transamos ali. Foi uma loucura, a primeira vez que trai o Carlos com alguém, mas era uma loucura de amor, um pecado que você quer cometer. Assim que chegamos ao ápice juntos nos beijamos e nos vestimos. Quando saímos da dispensa um garçom nos fitou. Rimos e saímos dali correndo feitos dois jovens cometendo o maior crime nacional. Voltamos a festa, fomos pra debaixo de uma árvore e ele me pressionou nela e me beijou.
Noah: Justin, aqui não.
Justin: Volta pra mim, amor. – Beijo.
Noah: Não posso, amor. Eu queria muito mas não dá.
Justin: Sinto sua falta, princesa. - Me agarrou e eu sorri.
Noah: Também sinto. – Beijo. - Sinto falta dessas nossas loucuras. – Rimos. - Do seu cheiro. – Beijo - Desse seu sorriso e dessa sua voz que me deixa extasiada. Você é minha droga, você é a endorfina  que corre em minhas veias, eu sou viciada em você.
Justin: Me senti a mulher da relação. - Rimos. - Sinto falta disso, sabia? De te ouvir, das suas orientações, a forma como você usa as palavras me faz sorrir, me deixa bobo, eu sou viciado em você.
Noah: Você é minha droga perfeita. - Nos beijamos.
Justin: Foge comigo. - Ri. - É sério. Vamos fugir. Podíamos cair no mundo como dois apaixonados, sem se importar com nada, viver cada dia em um país.
Noah: Como dois fugitivos. – Rimos.
Justin: Podíamos ir pra Paris. - Beijo.
Noah: E transar na Torre Eiffel. – Rimos.
Justin: Eu iria adorar. – Beijo. - Depois podíamos ir ao Brasil, Canadá, China, Japão, Austrália.
Noah: Rússia, Bélgica, Bósnia, Equador, Honduras.
Justin: Itália, Espanha, México, Colômbia. – Rimos. – O mundo é nosso. – Beijo. - E eu dou ele pra você.
Noah: Eu iria adorar. – Ele me pegou no colo e me girou. Rimos e eu cruzei meus braços nele. – Mas não posso fazer isso com o Carlos. Ele é um cara legal e eu estou grávida dele.
Justin: GRÁVIDA? – Assenti e ele ficou em choque. – Era pra ser nosso bebê.  – Abraço.
Noah: Desculpa, Justin, por ter sido fraca, por não ter aguentado tudo por você, por não ter te apoiado e não ter te entendido. Eu fui tão egoísta.
Justin: Hey. - Segurou meu rosto. - Você foi perfeita, a mulher mais perfeita desse mundo, não se culpe por nada. – Nos beijamos. – Vamos viver o agora. – Assenti e fomos beber. Dançamos feito loucos e bebemos todas. Eu já estava sem sapatos e ele sem camisa. Corri pelo jardim e ele correu atrás de mim.
Noah: Sai, Justin. - Rimos.
Justin: Eu vou te pegar. – Sorri. Eu já estava bêbada o bastante e me sentindo muito feliz por ter esse momento junto com ele. Era como se o tempo tivesse parado e só existia nós dois ali.
Noah: Me pegue quando quiser. – Rimos e ele me alcançou. Nos beijamos e quando eu dei por mim já estávamos entrando no quarto dele. Arrancamos nossas roupas e transamos a noite inteira.
PAUSA DO FLASH

Lembro-me desse dia. Foi uma loucura, foi fora do normal. Naquela época nos vimos por várias vezes e durante um ano, UM ANO, eu traí o Carlos com o Justin, mas como eu disse era um pecado que você queria cometer, era mais forte do que eu, era impossível resistir a Justin Drew Bieber. Esse homem era um monstro na cama. Eu adorava ser domada, ser devorada por ele todas as noites enquanto meu marido trabalhava, mas teve um tempo em que a culpa começou a bater na minha consciência. Carlos nessa época estava mais carinhoso por causa da minha gravidez. Eu tive um menino lindo e coloquei o nome dele de Drew. Meu lindo bebê que hoje já é um homem casado e com três filhas lindas. Às vezes Justin dizia que queria contar tudo a todos, queria que acabássemos com essa mentira porque isso fazia mal pra nós e para ele. Era mais difícil pra ele pois ele era uma pessoa pública e por diversas vezes chegamos a brigar por isso e eu dizia: "chega, não precisa me ver mais" e ele com todo jeitinho me ganhava outra vez. Mas mesmo assim, como amantes, tivemos brigas feias mas o amor sempre falava mais alto.

Justin: Noah, pensa bem. – Eu andava de um lado pro outro pensando na proposta dele.
Noah: Eu não sei, Justin. – Eu não tinha mais unhas, já tinha comido todas.
Justin: Se você me ama foge comigo. Eu vou estar te esperando amanhã e vamos viver felizes, eu, você e o nosso filho Drew. - Ele se apegou ao Drew com uma força, parecia até que era pai dele e ele dizia: "meu filho porque naquela noite eu te engravidei" mas era impossível porque naquela época eu já estava com dois meses de gestação.
Noah: Tá, eu vou com você. – Sorriu e me beijou.
Justin: Vou estar te esperando no Central Park amanhã meia-noite – Beijo. - Te amo.
Noah: Também te amo. – Sorri mas estava morrendo de medo.
(...)
Eu levantei cedo. Carlos dormia e horas depois foi trabalhar. Eu estranhei mas mesmo assim tentei não surtar. Hoje eu iria fugir e nunca mais ia voltar. Eu não sabia se tinha coragem pra ser sincera, eu não sei, sinto medo, muito medo de algo acontecer. Apesar de tudo eu gosto dele. Ele sempre foi um bom marido e um bom pai pro Drew. As horas foram passando e logo anoiteceu. Minha angústia foi maior quando fitei Carlos entrando em casa. 23:00 da noite. Engoli o pouco de saliva que tinha em minha boca e eu não tive coragem de ir ele. Estava com um buquê de flores lindo e me pediu perdão pelas nossas brigas, que seria um marido e um pai melhor. Eu me senti mal por tudo e não pude ir. Eu tinha perdido o amor da minha vida.
Os dias passaram e cada minuto eu me sentia pior. Eu não conseguir ter contato com ele porque ele nunca retornava minhas ligações e isso acabava comigo. Eu vi em um site que ele tinha entrado em turnê e parecia estar triste. As notícias diziam: "Por que Justin parece estar tão triste? O que houve com Justin Bieber?"
Eu peguei o Drew e fui ate a caixa de correio, como faço toda segunda feira. Peguei todas as cartas, entrei, coloquei ele no berço e fitei todas as contas. No meio tinha uma carta com meu nome. Ela não tinha remetente, mas o tinha o nome dele. Eu fitei aquela carta e não tive coragem de abrir mas sabia,  tinha a certeza que ele estava me odiando.
FLASHBACK OFF

Minha juventude foi tão conturbada e eu me arrependo de tantas coisas que deixei de fazer. Tantos planos e sonhos que abri mão. Casei com o homem errado mas tive dois filhos lindos e disso eu não me arrependo. Eu poderia ter sido mais feliz se tivesse ele aqui comigo. Eu nunca tive coragem de abrir a carta, não encontrei a coragem que sempre faltou em mim. Tantas coisas mudaram, estamos em 2045 e não vemos mais aquelas meninas histéricas e apaixonadas por ele por todo lugar que ele ia, nas redes sociais não é mais aquela febre de comentários em uma postagem dele.
Hoje eu levantei da cama com dificuldades e fui ate meu closet. Peguei minha caixa de lembranças e procurei a carta. Assim que encontrei senti um nervosismo. Sentei e abri ela. Hoje eu iria ler a carta que há muitos anos ele deixou pra mim.

“Quando eu te vi pela primeira vez tudo era tão mais simples. Você era apenas umas garota e tudo era novidade. Todas as vezes que estávamos juntos, os dias eram como as horas e as horas como os minutos. As vezes nem precisávamos falar, pois o tempo que passávamos juntos era o suficiente e muito precioso. Ah! Como eu amava ouvir o doce som da sua voz aos meus ouvidos. Mas agora tudo mudou, tudo se tornou tão complicado... não que eu tenha mudado, simplesmente as coisas não são como antes. Por várias vezes quando namorávamos eu chegava feliz após uma turnê, cansado mas feliz, e queria te ver, te abraçar, sentir seu cheiro, mas você estava ocupada demais pra mim. Eu não conseguia ouvir sua doce voz com tantas brigas e discussões. Lembro que uma vez você não foi nem um pouco gentil comigo, me cobrava carinho, atenção e compreensão, era como se eu tivesse bloqueando sua vida. Por que me abandonou, minha querida? O que eu preciso pra que você entenda o quanto é importante pra mim? Às vezes me pergunto se não dei provas o suficiente do meu amor por você. Nós estávamos sempre ocupados e não restava tempo pra nós. Por favor, não me entenda mal, eu só queria que a coisas mudassem entre nós dois. Eu a amo tanto... meu coração está partido e isso me machuca por várias vezes. Durante nosso ano de loucura, aonde eu prestei um papel de amante em sua vida conjugal, eu fui feliz e infeliz. Feliz por ter você, mas ao mesmo tempo eu sabia que não tinha. Eu te esperei no Central Park para cairmos no nosso mundo do nosso jeito, pra vivermos o nosso amor. Eu te esperei por horas mas você não apareceu. Escrevi esta carta para que você saiba que não deixei de amá-la e ainda estou a sua espera. Eu a conheço melhor do que você mesma e sei que descobrirá que eu sou o melhor pra você. EU VOU TE ESPERAR, não importa o quanto demore, eu vou te esperar. Sei que lá no fundo você ainda sente minha falta e sente falta de nós. Éramos algo tão forte, nossas loucuras, seus lemas de vida, sempre me acompanharam por toda minha trajetória de vida. Quando eu ia te dar tudo de mim você retrocedeu, mas não importa, minha querida, ainda há tempo pra estarmos mais juntos do que nunca. É só você me dizer quando e eu irei correndo até você, colocarei uma aliança em sua mão, te tornarei minha esposa e declararemos juntos uma nova vida PRA SEMPRE. O mundo inteiro vai testemunhar o nosso amor, o verdadeiro amor que nos une cada dia mais, e é por isso que vale apena esperar. EU VOU TE ESPERAR!
JUSTIN"

Ele estava a minha espera esse tempo todo e eu nunca percebi. Eu te amo tanto, meu amor, e sempre vou amar você, não importa quanto tempo passar meu amor ainda é o mesmo.
Eu estava em prantos. Levantei feliz porque ele ainda me ama. Eu ainda sou apaixonada por ele, esse retardado que me fez sorrir por anos, desde a época de uma simples fã brasileira sendo a OLLG até sendo a mulher da vida dele.
Horas depois eu fui até a cozinha fazer meu café, liguei a TV e estavam falando sobre ele: “Morre pela manhã o cantor Justin Bieber. Ele, que foi a sensação da música, considerado o príncipe do pop por mais de 4 décadas, morreu ontem aos 62 anos...”
Meu mundo havia desmoronado, eu estava em prantos. Ele se foi ele se foi pra sempre, meu anjo, minha vida, não estava mais entre nós. Eu demorei muito e agora já era tarde demais.
(...)
Eu peguei a carta e fui até meu jardim andando com dificuldades porque já sou uma velha de 60 anos. As lágrimas caíam sem cessar e todas as minhas lembranças passavam como um flashback em minha mente. Nós dois sempre juntos, felizes, rindo e cometendo loucuras como dois apaixonados, sem se importar com nada e nem ninguém. As minhas traições... não me arrependo de nenhuma, eu só estava amando o meu grande amor em segredo. Sentei debaixo da árvore de meu jardim e minha respiração ficou mais acelerada por causa do choro incessível. Senti o perfume dele no ar tão forte, era como se ele estivesse ali. Fechei meus olhos e eu via a imagem dele na minha mente, o sorriso lindo como sempre e embalei num sono profundo.

NOAH FOI ENCONTRADA MORTA NA MANHÃ DO DIA 24 DE JUNHO DE 2045 ÀS 11:30 DA MANHÃ



Ei gente! Essa fanfic foi enviada pra mim tem muitos meses e eu até ia postar, mas estava com muito erro e a formatação não estava boa, eu também fiquei afastada do blog... Enfim, demorei a postar. Queria pedir pra que quando vocês forem mandar fics pro meu email, tentem corrigir os erros, deixar com uma boa formatação, deixar ela bonitinha, porque dá um trabalhão, tipo essa fic, que é enorme e eu tive que praticamente  reescrevê-la. Bom, é isso, até o próximo capítulo de All Yours ;*

Obs.: Se a sua fic não foi postada ainda é porque ela não era oneshot (um capítulo só) ou não chegou. Releia as regras do "Envie sua fanfic", veja se não fez nada errado e reenvie sua fanfic :)