28/12/2014

All Yours: Capítulo 3 - Justin Bieber

| |
"Meu coração bate um pouco mais lento, essas noites estão um pouco mais frias, agora que você se foi. Meus céus parecem um pouco mais escuros, doces sonhos vêm um pouco mais difíceis, eu odeio quando você se vai. Todos os dias o tempo está passando, eu estou cansado de toda essa viagem, leve-me embora para onde você está."
(Home Is In Your Eyes - Greyson Chance)

Justin e meu pai falavam sem parar sobre carros e eu tinha um livro da faculdade aberto na minha frente. Me concentrar estava sendo algo quase impossível, já que toda hora minha atenção voltava para o jovem que estava na minha frente. Era impossível não olhá-lo de vez em quando, mas eu estava me saindo bem. Eu ainda tentava assimilar que aquele mesmo Justin Bieber que tinha milhões de garotas enlouquecidas por ele estava comendo a comida que eu fiz, sentado na minha cozinha, dentro do meu apartamento que poderia ser considerado o mais simples do mundo e conversando com o meu pai. Era muita informação para um dia só.
Meus pensamentos foram cortados ao ouvir meu nome.
- Que? – Tirei os olhos do livro e passei a olhar a única pessoa além de mim que estava ali. – Me desculpe, eu estava concentrada no livro. – Menti.
- Você estuda o que? – Perguntou parecendo não muito interessado. Acho que ele só queria quebrar o silêncio que se instalara ali desde que meu pai saiu da mesa, momento que eu não faço a mínima ideia de quando foi.
- Medicina. – Falei timidamente. É difícil agir normal quando se tem uma celebridade dentro da sua casa.
- Legal! E como é? – Perguntou. – Acho que eu nunca teria coragem de cursar medicina. Eu desmaiaria a cada aula prática que eu tivesse. – Ele riu assim que terminou de falar e eu o acompanhei.
- As primeiras aulas práticas são muito nojentas, mas depois é tranquilo. – Falei. – Eu sou completamente apaixonada pela medicina. Não vejo a hora de me formar e poder ajudar os outros fazendo o que eu amo. – Justin sorriu assim que eu terminei de falar e eu senti minhas bochechas corarem. Era a segunda vez que ele sorria pra mim em dois dias e eu aposto que ele nem sabe disso.
- É exatamente o que eu sinto pela música. – Sorri e então a conversa acabou. Eu não queria puxar assunto e correr o risco de fazer perguntas que ele pudesse achar invasivas, então permaneci em silêncio. – Então... – Ele falou novamente e eu levantei meus olhos do livro para olhá-lo. – Esse apartamento é seu? – Perguntou olhando ao redor.
- Acho que posso dizer que sim. – Sorri fraco. – Por que?
- Não é nada, é só que achei ele bem.., simples. Mas não quero que se ofenda, só estou falando isso porque, você sabe... seu pai é dono da West Coast Customs. – Disse parecendo atrapalhado e eu senti vontade de rir daquela cena, mas me controlei.
- Não se preocupe, eu estou acostumada com essas perguntas. – Falei tentando mostrar que estava tudo bem. - É como você disse: meu pai é dono da West Coast Customs, não eu. Ele já paga minhas contas, não é justo que eu gaste mais do que eu realmente precise.
- Seu pai é um cara de sorte, você é uma ótima filha. – Sorri envergonhada. Eu sentia vontade de enlouquecer, de sair gritando pelas ruas o quanto eu sou sortuda, mas mantive o meu semblante mais normal possível. Vocês têm noção de quantas garotas matariam para estar no meu lugar? Acho que a pessoa de sorte aqui não é meu pai.
- Obrigada, ele também é um ótimo pai. – Justin sorriu e então voltou sua atenção para seu celular e eu voltei a minha para meu livro. Ele parecia ser uma pessoa realmente legal e não aquele badboy que a mídia fala.
- Você mora sozinha aqui? – Ele perguntou e eu senti vontade de rir. Justin definitivamente gostava de falar, parece que se sentia incomodado com o silêncio.
- Moro. Meu pai mora em New Jersey.
- Mas e a sua mãe? – E pensar que eu estava com medo de ser invasiva.
- Nós não nos vemos muito, ela mora em Torrance com o marido. – Voltei a prestar atenção no livro. Esse era um assunto que eu não gostava de falar.
- São apenas meia hora entre Brentwood e Torrance.
- Eu sei, Justin. É que... aconteceram algumas coisas, mas não quero falar sobre isso, ok? É algo pessoal. – Ele assentiu.
- Desculpa ser meio invasivo. – Oh, então você percebeu. – É que eu fico muito sozinho e quando encontro alguém pra conversar acabo falando demais. – Justin riu fraco.
- Tá tudo bem.
- Perdi algo? – Meu pai falou voltando à cozinha, local onde estávamos. Ele pegou o papel que estava em cima da mesa e o guardou no bolso. Era um rabisco de um carro, provavelmente o de Justin.
- Olivia é uma ótima filha. – Justin falou voltando sua atenção para meu pai.
- Ela é. – Meu pai sorriu para mim e eu retribuí, me encolhendo na cadeira. Quando eles vão parar com elogios? – Vamos, Justin? Amanhã nós continuamos.
- Vamos. – Ele levantou e então voltou a prestar atenção em mim. – Tchau, Olivia. Nos vemos qualquer dia. – Sorriu e acenou.
- Tchau, Justin. – Falei. – Tchau, pai. – O abracei fortemente e desejei que aquele abraço nunca acabasse. Eu sentia tanta falta de passar mais tempo com ele.
- Tchau, Liv. Se cuida tá? – Assenti. – Amanhã te ligo. – Beijou minha testa e virou-se, caminhando com Justin até a porta. Assim que eles saíram eu a tranquei, depois me joguei no sofá, soltando um longo suspiro depois.

Eu nunca fui de prestar muita atenção em celebridades porque eu achava muito estranho esse negócio de amar alguém que você nem conhece de verdade, por isso nunca reparei em Justin. A única coisa que sabia sobre ele eram as loucuras que ele fazia, mas depois de conhece-lo é impossível não passar a pensar nele. Sua beleza é extraordinária, sua aparência é perfeita. Agora eu entendo porque tantas garotas são loucas por ele. E ele é legal apesar de tudo.
Depois de passar alguns minutos no sofá pensando no que acabara de acontecer, eu finalmente levantei e fui até o banheiro, onde tomei um banho e vesti meu pijama. Depois fui para a cozinha e enquanto lavava os pratos pensei em quanto dinheiro eu ganharia caso vendesse o garfo com o qual Justin comeu. Talvez eu pudesse viajar para Nova York e passar um dia inteiro fazendo compras nas lojas mais caras de Manhattan.
Após arrumar a cozinha fui para o quarto e deitei na cama junto com um dos livros da faculdade. Eu teria a última prova antes do recesso para as festas de final de ano e precisava estudar se quisesse uma nota boa, mas minha mente estava cheia. Muitas coisas aconteceram nesses dois dias.
Nick e Bethany agora dominavam meus pensamentos. Eu queria tanto esquecer a cena dos dois se beijando, mas era impossível quando o cheiro de Nick ainda estava impregnado no meu travesseiro e a minha foto beijando a bochecha de Bethany estava no porta-retrato em cima da minha escrivaninha. Os dois estavam por toda parte no meu apartamento.
[...]
A campainha tocava sem parar me fazendo levantar da cama. Passei as mãos no meu cabelo para abaixar um pouco o volume e fui até a porta da sala.
Abri a porta sem olhar quem era e vi Nick com a cabeça baixa e as mãos no bolso. Meu coração disparou no exato momento que meus olhos bateram nele.
- Oi. - Falou baixo. - Posso entrar? Eu quero conversar com você. - Bufei e dei passagem para ele entrar.
- Não precisa gastar saliva, eu não vou te perdoar. - Cruzei os braços tentando passar uma imagem de durona, mas a verdade é que eu era mole e meus olhos já começavam e se encher de lágrimas. - Você poderia ter me traído com qualquer uma, Nicholas, qualquer uma! Por que logo com a Beth? Minha melhor amiga... Eu odeio vocês.
- Liv... Me desculpa, por favor. Todos nós estávamos muito bêbados e meio drogados, eu não tinha consciência do que estava fazendo.
- Nick... - Falei. - Se você me amasse de verdade não me trairia nem depois de beber todo o álcool do mundo ou fumar toda a maconha, você sabe que é verdade. Agora, por favor, não me procura mais e fala pra Bethany não me procurar também. O que vocês fizeram não tem perdão. - Caminhei até a porta e a abri, como um sinal de que era pra ele sair. Nick então me olhou pela última vez e saiu rapidamente dali de dentro.
Esse foi o momento que eu desabei em lágrimas. Droga, eu o amava! E o filho da puta não tinha nem uma lágrima sequer nos olhos, nem estava com aparência de que estava arrependido. Babaca!
Sequei minhas lágrimas e fui para o quarto, me jogando na cama. Coloquei os livros no criado-mudo e então fechei os olhos, tentando pensar em algo que me fizesse esquecer Nick. Ele não merecia minhas lágrimas.
Meus pensamentos foram para meu pai e uma sensação de aconchego tomou conta do meu coração ao lembrar que ele estava por perto agora e que eu poderia vê-lo a hora que eu quisesse.
Acabei adormecendo lutando para manter minha mente longe de Nick e de Bethany.


Oi!
Vamos admitir que o final desse capítulo foi bem bosta askjdalcsk Me desculpem, sério galera '-'
Falando da minha ausência: eu não postei por causa da minha formatura (adeus, escola :D) e por causa do Natal que acabaram consumindo todo o meu tempo durante esses dias.
E sei que to meio atrasada, mas FELIZ NATALLLLL PARA AS MELHORES LEITORAS DO MUNDO! \o/ \o/
Bom gente, é isso e comente por favor o que acharam do capítulo, ok? Eu adoro ler o comentário de vocês <3
Beijinhos e até o capítulo 4 ;*

13 comentários:

  1. Achei legal *___*
    Mas Não é legal ter que vir aqui todos os dias pra ver se vc postou ou Não

    ResponderExcluir
  2. Gostei do capitulo, e te entendo completamente sei bem como é essa correria toda, então continua logo ta ? estou amando :)

    ResponderExcluir
  3. Amei!! Vc tem wpp?!poderiamos fazer um grupo da IB

    ResponderExcluir
  4. Ficou bom!! Eu estou adorando essa fic e FELIZ NATAL muitoooo atrasado pra vc tbm rs!!!!^^

    ResponderExcluir
  5. AMEEEI O CAPÍTULO, Adorei a conversa dos dois... Achei tão fofo *--*
    Continua anjo, tenta postar com mais freqüência, porque eu sou muito curiosa, e quero saber o que vai acontecer nos próximos capítulos :)
    Feliz natal atrasado :/ e já que está perto do ano novo ...
    Quero lhe desejar um feliz ano novo haha :* bjos, e continua logo mocinha hsuahsu ❤

    ResponderExcluir
  6. Ainda bem que a Liv não perdoou o Nick, porque vamos combinar que certas coisas não têm perdão. :c Bom, sobre o diálogo dela com o Justin: ♥. Sério Bia, você faz parecer tão real que eu sempre acabo shippando casais inexistentes (Jophie, Jarlotte e agora Justin e Olivia que ainda não sei o shipper >.<) Implorando por continuação, porque você sabe que é minha diva number 1 das fics, né? CONTINUAAAA

    Ah, Bia, se não for incômodo poderia divulgar meu blog? Estou escrevendo praticamente às paredes, isso é triste. :c

    Beijos, http://mundodebelieberjb.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Continuaa Oneshot, pleaaase. Presentinho de Ano novo .

    ResponderExcluir
  8. Continua a ib da izzy por favor to louca pra ler mais, to implorando faz mjito tempo que voce nao posta essa ib, bjssss feliz natal, e ano novo atrasado.

    ResponderExcluir
  9. Ownt que fofa sua IB querida.. *-*
    Continua Flor, Ta maravilhoso ;)
    Beijos:*
    VictoriaVelloso (http://victoriaimaginebelieber.blogspot.com/)

    ResponderExcluir
  10. Capítulo meio parado mas vamos ver os outros kk

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar um comentário. Além de deixar a autora feliz, vai ajudá-la a saber se você está gostando ou não. Se achar algum link que não esteja funcionando nos avise.