26/05/2014

Only Best Friends Second Season: Capítulo 16 - Nothing Like Us

41 comentários: | |

Katherine Collins P.O.V
Me encolhi mais no sofá ao notar que todos haviam deixado a sala, apenas Justin havia ficado. Seus braços estavam caídos na lateral do corpo e seu corpo um pouco encurvado para frente, os seus olhos me observavam atentamente e em seu rosto estava estampado confusão. 
- Kath? - ele me chamou, sussurrando. Apenas me encolhi mais e escondi meu rosto nas mãos - Kath por que você esta chorando?
O sofá ao meu lado afundou e segundos depois seu braço pousava em minhas costas, estremeci com o seu toque e ele percebeu já que tirou seu braço rapidamente. A sua respiração bateu contra o meu ombro quando ele se aproximou para depositar um beijo no mesmo. Funguei e virei meu rosto para poder ver tal ato dele. Nossos olhos se encontraram e Justin sorriu fraco, sua mão pousou em minha bochecha e começou a acaricia-la com o dedão 
- Eu fiz uma música para você - ele sussurrou novamente. Sua respiração bateu, dessa vez, em meu rosto e eu respirei fundo para não atacar seus lábios - Ela diz tudo o que eu sentia em todos os dias que fiquei longe de você - ele abaixou os olhos para as mãos e começou a brincar com os dedos. Abracei mais forte minhas pernas e apoiei meu queixo no joelho. Eu estava parecendo, definitivamente, uma adolescente - Não pretendo lança-la - ele deu de ombros e suspirou -, queria que você a escutasse. De verdade, pode parecer algo bobo mas...
- Tudo bem - o interrompi -, eu escuto - Justin voltou a olhar para mim, ele sorriu e antes de falar passou a língua sobre os lábios
- Sério? - assenti e ele esfregou as mãos animado. Se levantou e eu fiz o mesmo, ele me conduziu ate o salão onde havia alguns de seus inúmeros instrumentos musicais. No canto esquerdo do comodo havia três violões, todos em seu devido suporte, no canto direito a bateria e no centro do salão estava o piano de cauda branco. 
Justin se sentou no banquinho e bateu ao seu lado, indicando que era para mim sentar ao seu lado, assim eu fiz. Ele pousou os dedos nas teclas e abriu a boca, travando em seguida 
- Promete que a escutará inteira? - assenti e ele respirou fundo. Justin fechou os olhos e começou a tocar 

Justin Bieber P.O.V

Lately I've been thinking
Thinking about what we had
And I know it was hard, it was all that we knew, yeah
Have you been drinking
To take all the pain away?
I wish that I could give you what you deserve

Eu tentava de todas as formas, expressar tudo o que eu sentia quando cantava. Tentava deixar claro o quanto que eu precisava que ela voltasse para mim. Nunca seria o bastante um "eu te perdoo Justin", tudo ficaria bem se Katherine simplesmente voltasse a ser minha. Voltasse aos meus braços. Era somente isso que eu desejava nesse instante. 

Cause nothing can ever
Ever replace you
Nothing can make me feel like you do, yeah
You know there's no one
I can relate to
I know we won't find a love that's so true

Abri meus olhos brevemente e olhei para aquele mar, eles estavam mais azuis do que o comum. Sorri para Kath e ela retribui só que sorrindo fracamente.  Dei de ombros e voltei a fechar os meus olhos cantando com mais firmeza o refrão:

There's nothing like us
There's nothing like you and me
Together through the storm
There's nothing like us
There's nothing like you and me
Together

I gave you everything baby
Well, everything I had to give
Girl, why would you push me away?
Lost in confusion
Like an illusion
You know I'm used to making your day

Eu estava arrependido porra, será que ela não conseguia ver isso? Não estava estampado na minha cara o quanto eu a desejava? O quanto eu precisava mais que tudo, dela? Eu sou completamente apaixonado por Katherine e eu sabia que ela ainda sentia o mesmo em relação a mim. 

But that is the past now
We didn't last now
I guess that this is meant to be
Tell me, was it worth it?
We were so perfect
But baby I just want you to see

There's nothing like us
There's nothing like you and me
Together through the storm
There's nothing like us
There's nothing like you and me
Together

Eu chorei todos os dias, todas as noites dos exatos dois meses em que estamos divorciados. Chorava todas ás vezes em que acordava e não a via ao meu lado, com nossas pernas enroscadas, seu cabelo em meu rosto e nossos corpos abraçados aquecendo um ao outro. 
Aquela mulher era e é tudo para mim. Ela é como o ar, sem ele não posso viver. Eu sinto meu coração se dilacerando ao ver o quão distante estamos um do outro. Sinto as forças se distanciarem de mim, uma vez que seus beijos sempre foram a minha fonte de energia. O que restou agora? Santo Deus, eu só podia observar seus lábios se mexeram enquanto ela falava, enquanto ela sorria. Eu não podia tocá-los, eu não podia saboreá-los. 
Apenas observá-los. 
Sua voz, seu jeito arrastado de pronunciar meu nome. O modo como olhava para nosso filho e ria de algo bobo que ele fazia. 
Tudo me encantava em Katherine Collins.

There's nothing like us
There's nothing like you and me
Together through the storm
There's nothing like us
There's nothing like you and me
Together

Só queria deixar a entender que não há nada nesse mundo, como nós dois. Não há nada mais perfeito que nós dois juntos. Não há nada como Justin e Katherine, como Jatherine. 
Encerrei a música e abri os olhos, deixando-os fixos nas teclas do piano. Suspirei e dei uma risada fraca ao sentir meus olhos se encherem de lágrimas. Céus, o quanto eu ainda iria me humilhar por Kath? 
- Quando você vai finalmente destruir esse muro que construiu em volta do seu coração? - perguntei em um sussurro, não esperava resposta alguma dela, então continuei - Eu... eu venho te mostrando o quanto estou arrependido por todo o sofrimento que fiz você passar. S-seu eu pudesse eu tiraria toda a dor de você. Se eu pudesse eu faria com que eu sofresse duas vezes mais que você sofreu. Eu faria qualquer coisa por você, faria e faço - olhei para ela e senti as lágrimas serrem finalmente liberadas. Katherine estava da mesma forma que eu, mas ela não esboçava reação alguma - Eu te quero de volta - sussurrei 
- E-eu... eu sinto muito - ela falou negando com a cabeça. Meu coração acelerou com suas palavras - Sinto muito - ela se levantou e foi andando para a porta do salão
- Kath não, por favor - corri ate ela a puxando pelo braço. Seu corpo trombou com o meu fazendo-me cambalear pra trás – Por favor
- Eu não posso
- POR QUE VOCE NÃO PODE PORRA? - gritei segurando seus braços. Katherine fechou os olhos e negou com a cabeça - RESPONDE! POR QUE NAO PODE?
- Me deixe ir - ela sussurrou abrindo os olhos, os mesmos se encontravam repletos de lágrimas
- Se você for embora agora eu nunca mais vou tentar algo com você. Eu sumo da sua vida
Ela paralisou com minhas palavras, seus olhos arregalados e sua boca aberta
- E Brian...
- Eu quero saber de você - vociferei - Quer que eu suma da sua vida? - ela lentamente negou 
- Não, eu não quero 
- Então pare com isso, pare de negar algo que você quer - franzi a testa e passei meus dedos pelo cabelo. Katherine suspirou e desceu seu olhar lentamente, ate pará-lo no chão - Diga que não me quer - sussurrei passando meu dedo sobre seus lábios 
- Eu não quero - falou olhando para minha boca. Palavras vazias
- Repita - falei no mesmo tom - Agora olhando em meus olhos
Aquele par de olhos azuis se encontraram com o meu e eu senti minha respiração falhar. Arquei minha sobrancelha e comecei a empurrar Kath lentamente 
- Diga que não deseja meu corpo, que não sente minha falta, que não pensa em mim todos as noites e em todas as manhãs em que acorda sozinha. Diga - insiste rude - Diga que não me ama mais 
Quando ela não respondeu, empurrei seu corpo, brutalmente, para a parede. Quando bateu no mesmo, nossos corpos se chocaram fortemente. Minha mão parou em sua cintura, ate começar a subir pela lateral de seu corpo. Kath me olhava atentamente. Meus lábios estavam entreabertos e meus olhos estavam cansados, quase se fechando, direcionados para sua boca. A minha outra mão puxou sua coxa para cima fazendo-a se entrelaçar em minha cintura.
Pressionei mais o meu peitoral contra o seu me fazendo arfar e fechar os olhos brevemente. 
Eu não quero - ela repetiu ofegante. Olhei em seus olhos sustentado um olhar intenso, onde eu poderia, de alguma forma, mostrar toda a mistura de sentimento. Amor. Medo. Insegurança. Desejo. Paixão.
Aproximei lentamente, esperando alguma reação dela. Nada. Como eu pensei, palavras vazias. Coloquei uma mão em sua bochecha e a escorreguei para a sua nuca. Katherine abriu a boca lentamente e arfou quando eu pressionei mais a minha pélvis contra a sua.
Suas delicadas mãos pousaram em meus braços, uma em cada. E começou a deslizar para cima e para baixo. Ainda sem desviar nossos olhos, encostei minha testa na sua e rocei nossos narizes
- Justin – ela falou em meio a um gemido
- Hum? - perguntei fechando meu olhos enquanto sentia sua respiração se chocar contra meus lábios. 
- Pelo amor de Deus - ela sussurrou e por conta de tal ato, nossos lábios se roçaram. Essa foi a deixa para mim, qualquer sanidade que ainda me restava, simplesmente evaporou com esse pouco contato.
Colei nossos lábios em um selinho brusco, assustando Katherine. Puxei seu corpo para mais perto e enrosquei meus dedos em seu cabelo. A boca de Kath se abriu lentamente quando eu ameacei a pedir passagem com a língua, quando elas se enroscaram eu apenas a suguei. Mordi seu lábio o puxando para mim e em seguida voltei a beija-la. Katherine lançou seus braços em volta do meu pescoço e me puxou para mais perto de si – se isso era humanamente possível.
Desci meus braços e os enlacei em sua cintura fazendo, em seguida, a mesma coisa que ela. Parecia que iríamos nos fundir a qualquer instante, como se fossemos se transformar em um só.
Meu coração explodia. Eu estava elétrico. Aquilo era surreal.
Meu corpo foi empurrado para trás com força e eu bati minhas costas na lateral do piano. Grunhi de dor e olhei incrédulo para a loira em minha frente
- Mais que... – sabe-se lá o que eu iria dizer. Kath avançou sobre mim, atacando meus lábios novamente. Virei seu corpo a imprensando contra o piano e meu corpo. Nossas bocas se moviam vorazmente tentando de alguma forma matar toda a saudade existente.
Coloquei minhas duas mãos em seu rosto e novamente mordi seu lábio o puxando para mim. Depositei um longo selinho no mesmo e sorri ao sentir meu lábio ser sugado. Assim que separamos nossas bocas, desci meus lábios pelo pescoço de Kath dando leves mordidas e sugadas que ficariam a marca, mesmo que fossem fraquinhas. Seus pelos se arrepiavam a cada selinho que eu dava naquela região e eu ficava extremamente satisfeito com isso. 
Katherine tombou a cabeça para trás e soltou o ar enquanto enroscava seus dedos em meu cabelo. Dei mais uma mordida em seu pescoço e fui subindo ate encontrar seus lábios. A beijei lentamente, transmitindo toda a minha saudade. Nossas línguas se enroscavam e disputavam por lugar. Mordi levemente seu lábio inferior e lhe dei um último selinho. Abri meus olhos e fiquei encarando Katherine, encostei minha testa na sua e me pronunciei, um tanto receoso
- Isso realmente aconteceu? – Kath ficou em silencio por um longo tempo ate esboçar um sorriso sapeca. Senhor como eu amo esse sorriso
- Acho que sim – sorri negando com a cabeça e a abracei forte. Ela logo retribui, escondi meu rosto na curvatura do seu pescoço e dei um leve beijo ali. Não demorou muito para que as lágrimas escorressem livremente sob meu rosto e caíssem na pele de Kath – Hei o que foi? – funguei e olhei em seus olhos, o olhar que ela me lançou fez com que a intensidade das lagrimas aumentasse. Ela me olhou preocupada e com...amor
- Me diz que não vai se arrepender disso daqui a dois minutos – implorei pousando meu rosto em seu peito e abraçando forte sua cintura – Me promete por favor, diga que não se arrepende. Ai meu Deus Katherine eu preciso saber. Preciso saber se você realmente dará uma chance a nós e... se ainda me ama e que
- Justin calma – ela me interrompeu, rindo – Calma – ela acariciou meu cabelo com os dedos e riu novamente – Qual pergunta quer que eu responda primeiro?
- Você ainda me ama? – levantei-me para poder olhar em seus olhos e sorri nervoso, aguardando ansioso por sua resposta
- Eu não disse que sempre te amaria, mesmo quando dissesse que não? – sorri alegremente e enchi seu rosto de selinho escutando sua gargalhada gostosa invadir todo o ambiente
- AI MEU DEUS, ISSO SÓ PODE SER UM SONHO – gritei e a girei no ar. Katherine fez uma careta e negou, a coloquei de volta no chão e a encarei preocupado – Que foi?
- Só fiquei tonta, não faça mais isso – ela respirou fundo e fechou os olhos por cerca de vinte segundos. Quando tornou a abri-los, sorri para ela, que deu uma leve risada e deu de ombros
- Eu amo você princesa – ela sorriu de forma encantada e juntou as duas mãos, como se fosse rezar, e as encostou em a sua boca
- Princesa é? – ela perguntou risonha me arrancando um sorriso gigante
- É, princesa. A minha princesa – ela corou e eu ri com isso. Passei meus braços ao redor de sua cintura e dei um leve selinho em seus lábios
- Vamos ir com calma, ta legal? – ela falou apontando o dedo indicador para mim. O mordi fazendo ela puxa-lo para si e fazer um bico – Combinado?
- Combinado – assenti como uma criança e ela sorriu satisfeita
- Eu senti a sua falta, bobinho - ri e coloquei uma mecha de seu cabelo atrás de sua orelha 
- Eu também senti sua falta. Todos os dias desde que te perdi - sussurrei encarando seus olhos - Me perdoe por tudo o que te fiz passar e...
- Shhhh! - ela falou colocando seu dedo em meus lábios e calando-me - Eu já te desculpei não?
- Mesmo assim, sinto obrigação de te pedir perdão a todo instante. Eu errei feio com você - ela fixou seu olhar na corrente que eu usava enquanto eu falava, eu a olhava atentamente esperando uma expressão de arrependimento ou raiva, mas o que ele fez foi apenas suspirar alto e deixar seus ombros caírem como se não tivesse importância 
- Águas passadas, sim? - segurei seu queixo e levantei seu rosto fazendo ela olhar em meus olhos. Kath sorriu fraco e me abraçou fortemente - Eu te amo mais que tudo 
Fechei meus olhos fortemente e dei um beijo em sua bochecha 
- Eu também te amo e vou provar que estou imensamente arrependido pelo que fiz
- Não precisa provar - ela desfez o abraço e roçou nossos lábios -, seus olhos já dizem tudo 
- E só agora que você percebeu? - perguntei risonho e ela corou, dei risada com isso.
- Vamos dizer que não - ela se soltou de mim e caminho ate o outro lado do piano, apoiou os dois braços nos mesmo e deitou sua cabeça por cima deles. Kath sorriu e mordeu os lábios - Só estava esperando você algo grandioso para poder voltar pra você 
Revirei os olhos e ela riu, tombei minha cabeça para o lado e tentei reprimir um largo sorriso
- Funcionou? - perguntei - Digo, meu presente de dia das mães funcionou? - ela se endireitou e fez uma expressão brava
- Achei que minutos atrás estávamos nos beijando - abri um sorriso gigante e corri ate ela a abraçando forte quando chocamos nossos corpos. Eu parecei um adolescente.
Katherine gargalhou quando eu apertei sua bunda e mordi sua orelha
- Acho que devemos voltar - assenti me pondo ao seu lado - Vamos fingir que não nos acertamos e que vamos continuar sendo amigos - acenei com a cabeça e ela riu
- Por um tempo né? Não vejo a hora de mostrar ao mundo inteiro que você é só minha - murmurei a última parte
- Sim por um tempo Justin. Vamos apenas falar para o Bry tá?
- Imagina o quanto que ele irá ficar feliz - Kath sorriu e seus olhos brilharam, antes de ela sair correndo do salão. Dei de ombros sorrindo. Ali estava a minha Kath. 

Katherine Collins P.O.V

Antes de se quer conseguir entrar na cozinha, meu braço foi puxado e consequentemente meu corpo foi para trás
- É o seguinte - Justin sussurrou tampando minha boca - Diga ao Bry que eu estou o chamando lá no meu quarto, fica algum tempinho ali na cozinha, ai depois de uns minutos você sobe dizendo que irá pegar ele para ir embora ok? - assenti com os olhos arregalados e ele riu antes de dar um beijo em minha testa - Vai lá então, gostosa 
Revirei os olhos. 
Entrei na cozinha e no mesmo instante, todos se silenciaram. Olhavam para mim com uma chama de esperança. Respirei fundo e coloquei em meu rosto a pior expressão possível 
- Bebe, seu pai esta te chamando lá em cima - falei baixo, colocando tristeza em meu tom de voz. Brian assentiu triste e pulou da cadeira saindo da cozinha com a cabeça baixa
- Kath - Pattie começou mais eu tratei de interrompê-la
- To morta de fome, vou pegar um pedaço desse bolo aqui - cortei o bolo de chocolate e coloquei o pedaço em um pratinho - Já estou indo embora, ok? Esta um tanto tarde
- Amiga, vocês... vocês não - Cait disse se interrompendo
- Não Caitlin, e não Pattie se é isso que iria me perguntar. Nós não nos acertamos... - suspirei passando as mãos pelo rosto - Eu... Justin me magoou muito e acho que não serei capaz de superar isso 
- Mas - Pattie começou, mas, novamente a interrompi
- Eu sei que vocês queriam muito que voltássemos, mas é algo muito delicado 
- Tudo bem - sussurrou Cait e Pattie juntas. Sorri fraquinho e terminei de comer meu bolo aproveitando para tomar um copo de suco de uva 
- Bom, vou pegar meu filho. Estou indo 
Me levantei e assim que sai da cozinha, subi a escada correndo ate chegar ao quarto onde Justin estava ficando. Abri a porta sem bater e o encontrei sentado na cama enquanto Brian estava deitado no pequeno sofá de couro que ali tinha. Sua cabeça estava escondida entre os braços. 
O chamei e ele se levantou lentamente 
- O que foi? - Bry caminhou ate mim e estendeu os braços para pegá-lo. Assim fiz e me sentei ao lado de Justin - Por que esta com essa carinha? 
Seus olhos se encheram de lágrimas e ele se começou a chorar. Eu o olhei assustada por que não estava entendo nada
- Filho o que foi? – Justin perguntou
- E-eu... eu queria m-meus papais juntos de novo – ele soluçou alto e voltou a chorar. Abracei seu corpo e depositei um longo beijo em sua testa
- E se eu te disser que isso esta acontecendo? – sorri quando ele me encarou confuso
- Se dissermos que... – Justin entrelaçou nossos dedos e beijou minha mão – logo, logo seremos uma família novamente?
Brian arregalou os olhos e voltou a chorar, só que dessa vez mais alto
- Você não gostou? – perguntei
Ele negou com a cabeça e nos abraçou de uma vez
- Eu não acredito – ele disse baixinho e nós rimos com isso – Era tudo o que eu queria
- Desejo realizado então – Justin riu novamente e deu um beijo em minha testa – Somos novamente uma família
- Isso – assenti e me levantei – Mas agora precisamos ir
- Ahhhhh não! – Brian e Justin disseram exatamente no mesmo tempo e eu gargalhei
- Ahhhh sim! Que tal nos vermos amanha? Nós três? – ambos assentiram – Então vamos filho
Ele deu um beijo em Justin e se levantou
- Ah garotão – Bry se virou para o pai – Faça uma carinha triste ta? Porque é segredo nosso tá legal? – Brian assentiu rindo – Agora vá na frente, quero conversar com sua mãe
Dei risada revirando os olhos. Justin fechou a porta e me prensou contra a mesma
- Vamos nos ver amanha mesmo? – ele sussurrou contra meus lábios
- Que tal você ir lá para casa quando todos estiverem dormindo – sugeri arqueando a sobrancelha. Justin riu malicioso e eu neguei – Não para isso Justin, acho que é
- Eu sei – me interrompeu – Estava apenas brincando ok?
Assenti e lhe dei um selinho
- Nos vemos mais tarde então tá? – ele assentiu e sorriu antes de me beijar profundamente. Suspirei contra seus lábios e ele soltou uma risadinha com meu ato. O abracei com a intuição de trazer seu corpo para mais perto de mim. Eu estremecia a cada vez que nossas línguas se encontravam
- Amo você – sussurrou assim que me deu um ultimo selinho
- Amo você – repeti e ele sorriu. Abri a porta e sai do quarto segurando a mão de Justin. Antes de descer o primeiro degrau, ele me puxou e me deu um selinho antes de descermos como se nada tivesse acontecido.
Voltei com a expressão de tristeza de antes e me despedi de todos. Prometendo, milhares de vezes, a Caitlin que no dia seguinte ela e eu passaríamos a tarde juntas. Antes de fechar a porta da sala atrás de mim, dei uma piscadela para Justin – quando ninguém olhava -, e ele riu fazendo a mesma coisa em seguida.
Isso tudo parecia um sonho.
[...]
Terminei de passar meu creme no corpo e no segundo seguinte a campainha tocou.
Uma e meia da manha.
Sim, eu havia acabado de tomar banho.
Desci correndo e fui ate a cozinha para atender o interfone, mesmo que soubesse quem era
- Quem é? – perguntei risonha
- A pessoa mais gostosa desse mundo – dei risada e mordi os lábios enquanto enrolava o fio do meu cabelo nas pontas de meu dedo
- Não acha que esta um pouco tarde para ir na casa dos outros, senhor-pessoa-mais-gostosa-desse-mundo?
- Nunca é tarde para estar com que se ama  - Justin sussurrou roucamente e eu suspirei. Eu o amava tanto.
- Estou abrindo o portão – falei e desliguei o interfone. Corri ate a sala e quando a abri dei de cara com Justin sorrindo. Pulei em seu colo e ele logo tratou de me envolver
- Senti sua falta – ele murmurou e eu ri
- Vou confessar que também sentia a sua
O puxei pela mão e fomos direto para o meu quarto. Nos jogamos na cama em sincronia, Justin esticou o braço e desligou o abajur.
Me aproximei dele e enroscamos nossas pernas. Ele me envolveu com seus braços fortes e apertou-me
- Ainda não acredito que estamos finalmente juntos, novamente – sorri fraquinho e comecei a acariciar seu abdome.
- E se isso tudo for um sonho? – sussurrei
- Seria mais um pesadelo se não for verdade – ri fraco e o encarei
- Pode ter certeza que é verdade – garanti e ele sorriu – Podemos dizer então que nosso amor jamais foi em vão?
- Jamais – ele me deu um longo selinho – Tudo o que é verdadeiro dura eternamente, pode ter algumas pausas – ele deu de ombros – Nosso amor é verdadeiro, eu sei disso. E como eu disse, ele teve suas pausas. Porem, isso não significa que ele, em algum minuto, acabou ou diminuiu.
- Por que uma vez Jatherine, sempre Jatherine – falei já sentindo meus olhos pesarem
- E uma vez juntos, novamente, jamais estaremos longe um do outro. 

O que acharam? Gostaram? Ai nem acredito que Jatherine esta de volta :3
Estou feliz e radiante haha
Caracas TREZE capítulos separados, eu hein, que trauma
Será que irá durar pra sempre mesmo? Próximo capítulo promete, duas revelações que eu tenho certeza que você sabem quais são. 
Espero que coração que tenham gostado 
AAAH ANTES QUE EU ESQUEÇA, esse capítulo é dedicado a todas as leitoras, mas em especial a Myn ok? Ela esta fazendo niver hoje, não sei quantos aninhos pq ela não me falou. 
Mas esta ai Myn, como pediu espero que tenha sido um bom presente :)
Bye bye!


20/05/2014

Only Best Friends Second Season: Capítulo 15 - My surprise for you

40 comentários: | |
OBS: vamos fingir que a música Turn To You não existe ok? Vcs vão entender daqui a pouquinho

Katherine Collins P.O.V

- Eu já liguei para o Kenny e em poucos minutos ele estará aqui - Justin disse se pondo ao meu lado. A porta de entrada do hospital era transparente e através dela eu via o quanto de pessoas esperavam que nós saíssemos do prédio para poder nos fotografar. Paparazzi, fãs e também curiosos gritavam algo inaudível enquanto eu os observava com medo, Brian estava em meu colo dormindo. E eu não via a hora de chegar em casa. 
Era exatas três e meia da manhã, ainda estava escuro, e eu me perguntava a todo instante se toda essa gente não tinham o que fazer. O médico que atendera Brian havia o liberado a cerca de quinze minutos e desde então eu e Justin esperávamos para podermos irmos embora. 
- Tudo bem - assenti sorrindo fraco e acariciei as costas de Brian 
- Quer que eu o segure? - assenti mais uma vez e coloquei o pequeno nos braços de Justin, deu um beijo em sua testa e sorri fraco - Você ta acabada 
- Muito obrigada - ele riu. Passei as mãos no rosto e suspirei alto - Eu realmente estou cansada e minhas costas doem. Vamos combinar, aquele sofá não é aquela coisa. 
Dez minutos depois Kenny chegou e junto com ele estava três seguranças do hospital. Parei ao lado deles e cruzei os braços enquanto Kenny falava
- Kath você vai com Justin, depois eu levo o seu carro para a casa - assenti - Não tem como vocês saírem pela porta de trás já que o carro de Justin esta no estacionamento da frente, então a única opção é por aqui - ele apontou para a porta de entrada e eu me encolhi
- Tem muita gente - mordi o lábio inferior - Como vamos conseguir passar ali?
- Nós vamos cercar vocês - eu e Justin assentimos juntamente. 
- Eu leva o Bry agora - falei pegando ele do colo de Justin
- Coloca minha blusa por cima dele - Justin tirou sua jaqueta e jogou por cima do corpo de Brian - Vá direto para o banco de trás ok?
Assenti. Enquanto caminhávamos ate a porta os três seguranças e Kenny fizeram uma roda ao nosso redor, a porta se abriu e junto com esse ato vieram os gritos e flashes de todas as direções. Mal conseguíamos sair do lugar. Algumas fãs de Justin tentava puxá-lo ao fazer com que ele desse atenção a elas. Os paparazzi apontava as câmeras para mim e falavam todos no mesmo instante. 
Com todo esse barulho, Brian acordou chorando. Eu apenas o apertei mais e comecei a implorar para que me deixasse passar. Demos cerca de dez passos e ainda estávamos a mais ou menos quinze metros do meu carro. O choro de Brian e os gritos estavam me deixando nervosa e isso não era boa coisa. Justin não se encontrava diferente de mim. 
- Por favor, deixe-nos passar - implorei mais uma vez. Eu sentia que choraria a qualquer momento 
- Pelo amor de Deus nos deixem passar, meu filho não esta bem - Justin elevou a voz mas mesmo assim não adiantou nada. Os seguranças começaram a empurrar de leve os paparazzi e com isso conseguimos dar mais alguns passos. Porém não impediu que os flashes praticamente me cegassem. 
- Mamãe, eu to com medo - Bry falou chorando e eu assenti para ele
- Já estamos chegando no carro ta bom? - ele balançou sua cabecinha enquanto encarava todos á nossa volta. 
Justin! Justin vocês voltaram?
Katherine, o que seu filho tem?
Justin a Kath te perdoou?
- Deixei-nos passar, caralho! - Justin gritou assustando a mim e Brian. Mais uma vez conseguimos voltar a andar e eu respirei fundo quando percebi que o carro estava perto - Filho da puta! 
Foi tudo o que eu ouvi antes de começar um tumulto, me virei e encontrei Kenny tentando soltar Justin de um cara. Arregalei os olhos ao ver que eles estavam brigando e foi ai que eu comecei a chorar. 
- JUSTIN! - gritei - JUSTIN PARA PELO AMOR DE DEUS! 
Brian começou a chorar mais ainda, eu estava desesperada. Mesmo com Kenny tentando sessar a briga eu sabia o quanto isso daria o que falar. O que me intrigava era o por que daquilo? Por que Justin estava batendo em um paparazzi? Será que ele não percebia o quão idiota era isso?
Quando Kenny conseguiu puxá-lo, voltamos a andar e eu podia escutar a respiração ofegante de Justin. De longe se notava o quão nervoso ele estava. Finalmente chegamos ao carro, me sentei no banco de trás ainda segurando o Brian e observei, pela janela, Justin dar a volta pelo veículo e entrar dentro do mesmo. 
O carro entrou em movimento e quando conseguimos sair da muvuca, Justin acelerou mais. Minha casa era longe de onde estávamos. O percusso ate ela duraria mais ou menos meia hora. Duraria, se Justin não parasse no acostamento minutos depois e se curvasse no volante. 
Fiquei observando ele e ao perceber que ele chorava entrei em alerta
- Justin? - ele não me respondeu - Hey Justin, o que foi? - mais uma vez ele não disse nada. Seu choro não era alto, mas dava para perceber o quanto ele queria gritar. Coloquei Brian na cadeirinha com cuidado para não acordá-lo e pulei para o banco da frente. Pousei minha mão em suas costas e ele assustou - Olha aqui para mim - pedi sussurrando e ele negou
- Não - ele choramingou 
- Por favor, olhe pra mim - Justin suspirou e finalmente olhou para mim. Seus olhos estavam vermelhos e seu rosto inchado, ele fungou e abaixou o olhar para as mãos - O que aconteceu lá?
Ainda sem levantar o olhar para mim, ele respondeu
- Um dos paparazzi te ofendeu - tombei minha cabeça para trás e suspirei 
- Oh Justin! Mas para que você foi brigar com ele? Deixasse que ele falasse de mim, eu estou pouco me importando
- Mas eu me importo Katherine - ele olhou para mim e bateu em seu peito - Eu me importo sobre o que as pessoas falam de você. Não quero que essa porra da mídia fale algo que não é verdade
- O que aquele cara falou?
- Ele disse que você era completamente falsa, que por trás dessa cara de santinha havia uma prostituta e que....
- Tá legal, eu não quero mais saber - falei negando com a cabeça e ele riu fraco - Não mesmo!
- Viu? Você se importa, eu fiquei completamente puto com o que ele falou. Por que isso não é verdade, você é uma pessoa incrível e eu sei disso. 
- E isso não é o suficiente? - arquei a sobrancelha. Justin corou e mordeu os lábios, ri com isso - Saber quem eu sou de verdade não é o suficiente? Você viveu cinco anos ao meu lado e nunca ligou para o que falavam de nós. Por que isso agora?
- Porque agora você não é minha - ele falou firme sustentando um olhar intenso - Quando estávamos juntos eu não sentia a necessidade de te defender, porque juntos éramos fortes. Eu sabia o que você fazia o dia todo e... agora eu te acho frágil. Tenho medo que as pessoas te machucam e isso faz com que o meu lado protetor aumente 
- Justin aquilo não era necessário - falei sussurrando, não queria deixar claro o quanto suas palavras haviam me afetado - Eu sei me defender. Você tem noção do quanto irão falar sobre isso não tem?
- Sim, eu tenho 
Ficamos em silêncio por incontáveis minutos. Eu encarava a rua ao lado de fora e pelo canto do olho vi que Justin fazia o mesmo. Seus soluços tinham parado mas eu via que as lágrimas ainda escorriam. Ele estava arrependido e estava estampado na sua cara 
- Eu sou uma pessoa tão ruim assim? - ele sussurrou e se eu não estivesse perto dele, não escutaria. 
- Como assim? - perguntei sem entender
- Ruim, eu sou uma pessoa ruim? - franzi a testa e neguei - Então por que todos tentam me colocar para baixo? Por que o mundo não liga se eu tenho sentimentos, eles não se importam com nada. Só sabem julgar e julgar e eu nunca posso errar. Sei que não sou perfeito mas será que sou tão ruim assim? Eu erro caralho, eu erro demais. 
- Todo mundo erra Justin - falei sentindo as lágrimas escorrerem 
- Mas eu sou a pessoa que mais erra nesse mundo. Olha tudo o que venho fazendo, eu paguei para uma prostitua Kath - engoli em seco - Eu fiquei bêbado, fui para uma boate de stripper e... continuo errando. Parece que nunca estou satisfeito 
- Seus hormônios estão á flor da pele, como um adolescente - brinquei e ele revirou os olhos
- Estou falando sério. E parando para pensar agora, de todos os meus erros o maior deles foi chamar você de vadia - senti meu corpo enrijecer - , sendo que você nunca se comportou com uma, você nunca me deu motivos para te chamar disso. Eu sinto muito 
- Sei que sente - falei encarando a janela - Não vou dizer que não fiquei chateada com aquilo, por que estaria mentindo, mas... eu te conheço Justin. Eu sei tudo sobre você, conheço cada detalhe da sua personalidade e quando você falou aquilo de mim, eu sabia que era da boca pra fora. Sabia que você só estava nervoso e quando esta assim, fala o que pensa e não o que sente 
- Não consigo aceitar o fato do quanto fui idiota em te perder, em deixar você escapar pelos meus dedos feito água
- Foi o que disse, todo mundo erra - Justin engoliu em seco e passou o lábio pelos lábios 
- Posso te pedir uma coisa? - ele sussurrou, o olhei em dúvida porem assenti - Me abraça? Como quando você me abraçava quando éramos crianças
Engoli em seco tentando reprimir minha vontade de gritar. Abri meus braços lentamente e Justin se aproximou de mim. Ele passou seus braços por minha cintura e eu por seu pescoço. Meu queixo ficou apoiado em seu ombro quando nossos peitoral se encostaram. 
E Justin me apertou forte, fazendo eu soltar um longo suspiro e fechar meus olhos. O apertei também como quando eramos crianças. Como quando ele se sentia triste e a única coisa que eu fazia era abraça-lo e dizer a ele que eu o amava profundamente. Como quando ele se sentia sozinho em dias de turnê e nós passávamos a tarde no quarto do hotel assistindo filme. Como quando eramos melhores amigos e não precisávamos nos importar com o amor que sentia um pelo outro.
- Obrigado por nunca dar as costas para mim, mesmo quando fui um completo idiota 
- Tirando as duas vezes em que ficamos tempos sem nos falar... - dei de ombros e ele riu - De nada! 
Ele deu um longo beijo em minha bochecha e acariciou a mesma com a ponta do nariz. Fechei os olhos por breves segundos quando ele começou a arrastar sua boca pela minha bochecha tentando chegar ate meus lábios. Soltei-me dele e cerrei os olhos, surrando em seguida 
- Você sempre tem segunda intenções!

Dias depois
Justin Bieber P.O.V
- Esta tudo pronto mesmo Fredo? Tem certeza de que nada, nadinha de nada, saíra errado? - perguntei pela quinta vez. Alfredo bufou alto 
- Justin eu já te disse que eu e Ryan já vimos os dois vídeos mais de trinta vezes e ambos não tem porra nenhuma de erro ok?
- Tá legal, tá legal! - dei risada e sorri - Obrigado por fazerem isso por mim ok?
- Eu sou pago para isso - gargalhei e ele me acompanhou
- Achei que diria que só fez por que eu sou seu melhor amigo 
- Estaria mentindo - revirei os olhos e ri 
- Amor reprimido é o nome disso - Fredo riu e nos despedimos depois de alguns minutos acertando os últimos detalhes do meu presente virtual. 
Depois de uma semana produzindo os dois vídeos mais importantes da minha carreira, eu finalmente iria lança-los hoje. Era dia das mães e como já disse esse era o meu presente virtual. 
Vesti a minha calça branca, coloquei um supra azul e uma blusa da mesma cor. O pessoal do Canadá já estava lá embaixo e daqui do meu quarto dava para ouvir a bagunça que todos faziam. Sorri com isso. Era maravilhoso ter a família unida em dias comemorativos.
Passei mais uma vez meu perfume predileto e sorri para o meu reflexo no espelho
- Se hoje Kath não me perdoar, não sei mais o que fazer - arregalei os olhos e comprimi os lábios. Isso daria uma boa foto. Peguei meu celular e tirei uma foto, postando em seguida com a seguinte legenda "Feliz dia das mães! Preparadas para algumas surpresas?"
[...]
Minha mãe se levantou para abrir a porta, assim que tocaram a campainha. Virei meu rosto para trás e sorri ao ver Kath abraçando Pattie. Seus olhos estavam fechados e ela dizia alguma coisa á ela. 
Ela desfez o abraço e sorriu mais uma vez. Brian correu ate o sofá onde estava Chaz e Chris e pulou no colo de ambos fazendo-os rirem. Ele finalmente estava melhor depois de tantos dias de cama. Bry deu um beijo na bochecha de Cait e depois fez um toque com Helber, seu namorado/noivo. Assim que me viu, Brian correu ate mim e pulou no meu colo. Gargalhei enquanto o abraçava e dei um longo beijo em sua testa 
- Como você esta?
- Bem - ele sorriu e me abraçou novamente - A surpresa da mamãe esta pronta?
- Shhh! Fala baixo - ele arregalou os olhos e tampou a boca com as duas mãozinhas - Ta sim 
Bry sorriu e respirou fundo. Quando olhei para frente, Kath estava abraçando Caitlin e assim que se soltou da mesma, ela me olhou. Sorri fraco e me levantei caminhando ate ela. Passei meus braços por sua cintura e a apertei enquanto ela fazia o mesmo
- Feliz dia das mães! - senti ela sorrir e ri fraquinho
- Obrigado! - nos soltamos e voltei a me sentar. Caitlin encarava o nada com a testa franzida, da mesma forma que Chris e Chaz. Dei risada chamando a atenção deles 
- Kath? - Caitlin a chamou 
- Sim
- Precisamos trocar umas palavrinhas, não é mesmo? - ela falou firmemente fazendo Kath corar. Não me aguentei e soltei uma risada escandalosa 
- Foi mal! 
[...]
- Uhuuuuu! Lindonaaaaa! - Katherine gritou assim que Caitlin terminou a sua apresentação de dança. Estávamos jogando Just Dance 4 e devo dizer que nunca ri tanto na minha vida. Cait sempre fora desengonçada em dançar, mas acho que ela se superou hoje. Chris rolava no chão de tanto rir e Chaz havia saído correndo para ir ao banheiro. Helber tampava a boca com as mãos para não gargalhar, afinal não seria boa coisa se ele fizesse isso. 
- Qual é? Foi tão mal assim?- Cait perguntou colocando as mãos na cintura e batendo o pé esquerdo no chão 
- Foi maravilhoso - disse Kath rindo
- Foi péssimo - falei balançando a cabeça. Caitlin bufou e se jogou no sofá - Para de rir animal! - ela empurrou o corpo de Chris com o pé fazendo eu rir mais ainda. 
As horas foram se passando rapidamente. Ter todas as pessoas que eu amava comigo era algo sem preço. Em um piscar de olhos já era noite e todos estavam jogados na sala de barriga cheia, e conversando sobre muitas coisas que já passamos. 
E eu estava ali no meu canto, esperando dar oito horas para lançar o primeiro vídeo. Faltava exatos cinco minutos, mas parecia que a relógio estava brincando de estatua comigo. Bufei alto e entrei no twitter
"Cinco minutos pessoal, cinco minutos!"
Não sei bem o por que mais amava ver as Beliebers se corroendo de curiosidade. Tornava as coisas mais emocionantes. 

Katherine Collins P.O.V

Pliin!  (ignorem meu jeito de demonstrar o som de uma notificação de mensagem)
Peguei meu celular no bolso do meu short e encarei a tela do celular. 
"Eu fiz um vídeo para minha mãe" - Justin
O olhei com a sobrancelha arqueada e ele riu. Fala sério, ele estava sentado no sofá ao meu lado e ele me mandou uma mensagem? Revirei os olhos e respondi
"Do que?"
"Um presente de dia das mães" - Justin
"Deixa eu ver?"
"Entra na minha conta do YouTube" - Justin
Bufei alto e ele riu novamente. Peguei o notebook dele que estava na mesa de centro e o liguei. O plano de fundo me fez engolir em seco e sorri de lado. Uma foto de nós dois na praia. Acho que foi algum tempo depois de nos casar. Estávamos sentado na areia, Justin com o braço em volta do meu ombro. Foi Pattie que tirou a foto. 
O olhei de canto de olho e ele sorria encarando a tela. Respirei fundo e apertei a janela da internet, quando ela abriu fui direto para o YouTube. A essa hora todos estavam ao nosso redor. Entrei na conta de Justin e o último vídeo postado estava intitulado apenas com "Para a minha rainha!" 
- Espera! - Justin disse. Ele pegou o notebook do meu colo e eu o olhei sem entender. Justin abriu a gaveta da raque e retirou de lá um cabo, o conectou no computador e depois na televisão. A janela do YouTube apareceu na enorme TV
- O que é isso? - Pattie perguntou
- Meu presente pra você - ele sorriu alegremente e apertou play no vídeo. Todos o observavam a tela atentamente. Justin apareceu sentado em uma cadeira com o violão em suas mãos. Uma luz iluminava somente ele deixando tudo em volta escuro. Peguei meu celular e comecei gravar a reação de Pattie. 
A música dizia simplesmente tudo o que ela e Justin passaram e devo dizer que era simplesmente perfeita a letra. Eu chorava e Pattie criava um novo oceano. Seus olhos brilhavam e a boca estavam em um perfeito O. Todos a encarava sorrindo. 
- Cause I, I turn to you - Justin cantou a última parte junto e sorriu para a mãe. Pattie por sua vez correu ate ele e o abraçou forte enquanto chorava alto. Justin ria com sua reação
- Você é a pessoa mais incrível desse mundo - ela falou. Os olhos de Justin brilharam com tal frase e eu sorri. Sabia que ele se lembrou da nossa conversa no meu carro dias atrás. 
- Obrigado mãe, eu amo você - ele deu um beijo na testa de Pattie e pegou seu celular mexeu no mesmo por alguns segundos e depois olhou para mim - Agora o outro presente. 
Oh não! Ele não fez isso. 
Justin atualizou a página e agora o último vídeo que havia sido postado era um intitulado com "Para a mulher da minha vida" Bastou essas palavras para mim entender que ele faria qualquer coisa por mim. 
A cena a seguir fez eu colocar as mãos na boca e começar a chorar. Não me importava se Caitlin e Chaz estavam filmando minha reação e que provavelmente postariam na internet logo em seguida. 
"- Olhe só, ele é tão pequeno! - Justin falou sorrindo e eu ri 
 - Claro que é bocó - ele riu e deu um beijo em minha testa 
 - Obrigado por me dar a coisa mais importante da minha vida - sorri acariciando seu rosto - Eu amo você!
- Também amo você! - ele sorriu fraco e me deu um longo selinho antes de voltar a atenção para o pequeno Brian
***
- Por que você esta filmando Justin? Eu estou com a cara enxada não percebeu? - bufei e ele gargalhou
- Esta linda, sempre esta
- Eu acabei de sair do hospital - murmurei caminhando pelo corredor da nossa casa
- Agora o quarto do meu filho - ele abriu a porta e sorriu satisfeito encarando o quarto de Bry. Ri da sua cara e adentrei o comodo e coloquei meu filho no berço - Isso é tão incrível 
- O que?
- Eu tenho um filho - ele sorriu e deu um beijo na minha bochecha - Tenho uma esposa - deu mais um beijo em minha bochecha me fazendo rir - Tenho uma família agora, todos os meus sonhos foram realizados
***
Gargalhei ao ver Justin espatifado no chão, estávamos lavando o quintal e ele escorregou
- Para de rir e porra por que você esta filmando? 
- Você gosta de me filmar, agora vou fazer com você - caminhei ate ele porem acabei caindo ao seu lado, comecei a gargalhar mais alto ainda. Justin logo me acompanhou e tentou se levantar - Me ajude aqui! 
Ele se levantou e me ajudou a levantar. Apontei a câmera para nós e sorri para a mesma 
- Não somos normal - Justin riu e virou o meu rosto para poder me beijar 
- Gosto da sua anormalidade - o choro de Brian me fez assustar e sair correndo, não foi uma boa idéia. Acabei caindo mais uma vez o que fez Justin se contorcer de tanto rir 
- Nunca mais lavo quintal! - bufei
***
- Isso! Calma bebê - sussurrei rindo. Brian arregalou os olhos e deu mais um passinho caindo em seguida. Olhei para Justin e ele riu - Vamos de novo - o ajudei a levantar e segurei em seus dedinhos - Vem com a mamãe vem!
Ele soltou uma risada e deu mais dois passinhos, deu uma cambaleada porem ficou de pé. O incentivei mais uma vez e ele caminhou ate mim. Sorri como nunca e o abracei forte. Era uma emoção boba, mas era lindo ver ele dando seus primeiros passos.
Justin se agachou ao nosso lado e deu um longo beijo na testa de Bry 
- Já esta pronta para pegar as gatinhas - dei um tapa na sua cabeça e ele riu 
***
- Ele esta dormindo - eu e Brian espionávamos pela fresta da porta do meu quarto 
- Posso pular em cima dele - Bry perguntou com os olhinhos brilhando, dei risada e assenti. Ele abriu a porta e correu ate minha cama, pulou em cima de Justin fazendo-o levar um susto e cair da cama. Começamos a dar risada. 
Me aproximei dele e filme sua reação 
- Pestinha safado! - resmungou pegando Brian no colo e o jogando na cama, ele gargalhou e começou a pular na mesma - Vai cair
- Do chão não passa - dei risada
- Tal pai, tal filho - Justin sorriu encarando o filho em sua frente antes de subir na cama e começar a pular junto com ele - Santo Deus o que eu fui arranjar?
***
- Esse vídeo é para mostrar para nossos netos - Justin falou para a câmera. Estávamos andando pela calçadão de uma praia. Brian a nossa frente pulando e correndo atras das pombas - Eu e Katherine somos a prova concreta de que melhores amigos sempre acabam juntos no final. Tipo, sempre mesmo. 
- Isso - assenti sorrindo - Seu melhor amigo é a melhor pessoa para você casar e ter um filho 
Justin riu e olhou para mim
- Ainda mais quando seu melhor amigo é Justin Bieber não é? - revirei os olhos rindo 
- Bobão
- Vou dizer para os meus netos que... - ele voltou a olhar para a câmera e sorriu - que eu amo demais essa mulher e eu faria qualquer coisa por ela. Qualquer coisa mesmo. Ela é incrivelmente perfeita e eu sou o cara mais sortudo do mundo por tê-la só para mim. Eu amo você Collins
- Você sabe como me fazer chorar em segundos - resmunguei e ele riu - Também amo você Bieber! Para sempre tá? Mesmo quando eu disser que não te ame, não acredite. Eu sempre vou te amar. Sempre sempre e sempre
- Mesmo?
- Quer jurar de dedinho?"

Heey babes como estão?
Essa última frase é bem tipica de Jatherine não?
O que acharam desse capítulo? Eu estava suuuuuper ansiosa para postá-lo. É muito importante que vocês digam o que acharam dele e que se querem que eles já dão uns beijinhos ou esperem mais um pouquinho tá?
Sorry por não ter postado mais cedo, eu dormi a tarde toda e ainda tinha que finalizar o capítulo 
Para a girl que pediu meu whats: 19-998678444
É isso :) Beijokaas 

16/05/2014

Only Best Friends Second Season: Capítulo 14 - Like a family! PART II

34 comentários: | |

               Justin Bieber P.O.V 
- O filme foi muito legal! – Brian disse animado mais uma vez. Eu e Kath segurávamos suas mãozinhas enquanto caminhávamos em direção ao meu carro – Você gostou mamãe? – parecendo se despertar de um transe, Katherine olhou para Brian e sorriu fraco.
- Gostei sim filho! – fiquei a olhando por longos segundos ate ela perceber. O que foi? Perguntei apenas movendo os lábios. Ela negou com a cabeça e voltou a olhar para frente. Enruguei a testa e fiz o mesmo que ela.
Justin, você precisa reconquistar essa mulher!
Quando estacionei meu carro em frente à casa de Katherine, ou o melhor; em frente à casa que um dia já morei, virei para trás e sorri para o pequeno.
- O que achou do passeio? – ele sorriu alegre, tirou o cinto que o prendia na cadeirinha e se colocou entre eu e Katherine. Brian não disse nada, apenas passou seu braço por meu pescoço e o outro pelo de Kath e nos abraçou fortemente. Sorri com isso. Baguncei seu cabelo e dei um beijo em sua bochecha quando ele se soltou – Eu te amo muito tá?
- Também te amo pai! – ele riu e deu um longo beijo em minha bochecha –  A gente pode jogar no vídeo game agora. O tio Jace me deu um jogo. Vem, eu vou te mostrar
Brian se virou para abrir a porta, mas eu segurei seu braço, ele me olhou confuso e eu sorri fraquinho.
- Hoje não meu anjo – falei suavemente. Por mais que eu quisesse mais que tudo passar o resto do dia com ele, sabia que não era o certo. Aliás hoje era o dia em que ele ficava com Kath – Eu tenho que ir embora agora
- Mas papai... – ele desfez seu sorriso e enrugou sua testa. Ele pulou para frente e sentou no colo de Kath, batuquei no volante e suspirei em meio uma risada.
- Amanha vamos passar a tarde juntos ok?
- Eu, você e a mamãe? – enrijeci meu corpo e olhei para Katherine esperando algo dela. Kath apenas revirou os olhos e negou com a cabeça
- Só você e eu – Brian tombou a cabeça para o lado e fez bico – Um dia de homens, hein? Que tal?
- Ai Bry será legal, sim – Kath falou sorrindo.
- Tá, só se me prometerem que vamos sair todo mundo junto, de novo – ele colocou sua mãozinha a frente do corpo e me encarou. Um brilho de esperança passou pelos seus olhos fazendo meu coração se amolecer. Quando eu iria me pronunciar, colocando minha mão por cima da sua; Katherine colocou a sua primeiro.
Eu não sei bem o que eu senti naquele exato momento. Não sei se foi uma onda de extrema felicidade, ou apenas um alivio por saber que ela não só queria como iria passar mais tempo comigo e com Brian.
Poderia ser a coisa mais idiota isso, poderia ser uma ilusão de um cara apaixonado. Mas eu sei que não era. Eu sentia que minha vida estava finalmente sendo consertada.
- Ok! Nós prometemos – finalmente falei, colocando minha mão por cima da de Kath, ela apenas sorriu fraco e deu um beijo na bochecha de Brian
- Verdade? – ele perguntou animado. Quando ambos assentimos ele gritou e novamente nos abraçou de uma vez – Como uma família... de novo!

Katherine Collins P.O.V 
The Mistress estava finalmente criando vida. E eu estava satisfeita com isso, estava satisfeita com meu trabalho.
Faltava cerca de cinco ou seis cenas á serem gravadas e puff o meu primeiro filme estaria pronto. Essa semana ficaria pronto o trailer e o mesmo seria lançado três dias depois dos Dia das Mães. Claro, gravaríamos as cenas que não aparecerá no trailer.
E de falar em Dia das Mães, eu planejava passar o dia inteiro com Brian e com minha mãe. Talvez fazer uma sessão de desenhos da Disney ou passarmos o dia inteiro jogando vide-game, coisa que ele mais gosta de fazer. Tenho que colocar limites nele, Bry esta ficando viciado naquele treco. Ás vezes acho que por eu estar passando muito tempo no estúdio, ele não tem o que fazer – mesmo que Naomi brinque algumas vezes com ele -, então o que resta á ele é o aparelho.
- Ficou perfeito – Dylan murmurou encarando a tela do computador de edição. A cena em questão que víamos era a que Amy, ou seja eu, dizia finalmente que amava 'James'. Eu havia gostado de gravar ela, não sei bem o por que, mas quando eu comecei a ditar todo a minha parte, eu simplesmente comecei a chorar. A equipe inteira ficou abismada achando que tudo aquilo era encenação, mas simplesmente não era. Eu estava chorando de verdade.
- Eu amo você 'James', e não tem mais como esconder isso!  - foi o que eu dissera. E vendo a cena já pronta agora, com a música de fundo tornando tudo mais dramático, com alguns efeitos e transições de câmeras, eu me lembrei do dia em que disse para Justin, pela primeira vez, que eu o amava. Me lembrei de cada detalhe e devo dizer que não gostei de tal lembrança.
- Ficou mesmo – sorri satisfeita
- Só vou pedir Cody – disse Dylan para o chefe de edição – Que na hora do beijo, aumente um pouco mais a musica ok? E depois disso vamos partir para a próxima cena
- Ok! – Cody assentiu e se virou para o notebook
- Eu ainda tenho esperança de que terminemos esse filme em duas semanas – Dylan disse enquanto encarava a mim e Ian. Ambos assentimos – Mas para isso precisamos de trabalho duplicado, esforço duplicado. Precisamos de... de a animação ao lembrar que estaremos finalizando o filme, as partes mais importantes do mesmo. Entenderam?
- Sim – respondemos em uníssono
- Beleza! Estão liberados por hoje. Vejo vocês amanha aqui ás oito em ponto. Sem atraso viu Katherine?
Dylan não me deixou responder, apenas virou as costas e seguiu a caminho de alguma sala. Ele estava incrivelmente insuportável nas ultimas semanas, não sei se é pelo fato de que eu faltei para a gravação no dia em que fui no cinema com Brian e Justin.
Eu sentia que estava a beira de ter um colapso nervoso com essa cara. Olhei para Ian e apenas revirei os olhos fazendo-o rir
- Eu to com vontade mata-lo – ele deu de ombros e começamos a caminhar em direção a entrada do estúdio.
- Você não é a única – ele sussurrou como se fosse um segredo, dei risada e me empolguei com o assunto
- O que acha de montarmos um plano maligno contra Dylan Bremann?
- Uma ótima ideia, amada Amy – dei risada e corei quando Ian passou seu braço por meu ombro e me apertou – Estou gostando muito de trabalhar com você Kath
- Digo o mesmo Ian – contorci minha boca. Ele se soltou de mim quando paramos em frente ao seu carro
- Quer carona?
- Não – fiz careta – Estou de carro – apontei para o Cadillac Escalade prata e Ian assobiou
- Tudo bem então. Ate mais – ele acenou e eu sorri. Caminhei ate o meu carro e destravei o alarme. Quando entrei no carro e estava prestes a ligar o mesmo, meu celular tocou escandalosamente me assustando.O procurei na bolsa a assim que vi escrito “Mãe” atendi rapidamente.
“- Oi mãe!
Filha onde você esta?
- Saindo do estúdio, por que?
Passa aqui no Hospital Mount Sinai
- O que aconteceu com a senhora? – perguntei preocupada
Comigo nada. Foi com Brian – arregalei os olhos e senti meu coração acelerar. Minhas mãos começaram a tremer – Ele passou mal, vomitou e esta branco como um papel. A Naomi ligou para mim e nós o trouxemos ate aqui
 - Tá! – falei confusa e piscando freneticamente – M-mas ele esta bem mãe?
Não consegui falar com os médicos ainda. E ah, o Justin acabou de chegar aqui. Eu o avisei também!
- Estou indo para aí mãe – falei sentindo as lagrimas salgadas escorrendo pelo meu rosto”
Joguei meu celular no banco e acelerei para Manhattan.
Ao chegar no hospital, estacionei o carro e corri para dentro do prédio. Uma mulher nova com o cabelo comprido escuro atendia as pessoas na recepção. Ao parar – devo acrescentar: feito uma louca – em sua frente, a jovem arregalou os olhos.
- Pediatria, onde fica? – falei ofegante
- Terceiro andar senhorita Katherine! – revirei os olhos quando ela me reconheceu. Corri para o elevador e apertei o botão apressadamente. Assim que a porta metálica se abriu o adentrei feito um furacão e apertei o numero três.
Demorou cerca de vinte segundos, o que mais pareceu horas. A porta se abriu e eu corri em direção a minha mãe, quando a encontrei.
- Como ele esta? – minha mãe veio ate mim e beijou o topo de minha cabeça
- O médico acabou de passar aqui – ela falou de forma arrastada e calmamente – Ele disse que Brian esta com febre e vomitou mais uma vez quando ele o examinava. Talvez pode ser uma virose ou uma gripe forte, não garantiu nada
- Como? Ele estava tão bem hoje de manha mãe – falei enrugando a testa
- Se acalma ok? Sente ali
- Não, eu quero ver meu filho.
- Kath eles estão cuidando do Bry, ta legal? Daqui a pouquinho você ira vê-lo – ela secou meu rosto. Assenti fraco – Senta ali do lado de Justin.
Só então fui notar sua presença ali, mesmo que minha mãe tenha falado que Justin já estava no hospital, eu nem se quer me lembrei disso. Quando o encarei nos olhos, Justin desviou. Ele estava com uma expressão séria, parecia com raiva. Seu queixo estava apoiado na mão e seu braço em seu joelho. Engoli em seco caminhando ate ele e me sentei no banco ao seu lado.
Olhei para Naomi que estava a três bancos de mim e a chamei
- Na, o Brian comeu alguma coisa diferente?
- Não. Ele só tomou o café da manha com a senhora e depois almoçou
- O que a Luce fez de comida?
- Ela fez sopa, já que Brian havia pedido para ela – assenti fraco e entrelacei minhas mãos. Estava nervosa e precisava conversar com alguém para me distrair um pouco
- Justin? – sussurrei. Ele respirou fundo e se virou para mim. Meus olhos marejaram ao ver como ele me olhava, engoli diversas vezes antes de falar algo – Por que esta assim comigo?
Ele riu irônico e balançou a cabeça
- Por que Katherine? Onde você estava quando Brian passou mal? – mordi meu lábio e continuei encarando seus olhos – Onde Katherine? Para que você contratou uma babá? Eu nem se quer sabia que Brian precisava de uma babá. Quer dizer, você esta colocando uma responsabilidade sua nas mãos de uma outra pessoa? – ele negou novamente, eu apenas abaixei minha cabeça e deixei que ele continuasse – Se você não tem tempo o suficiente para o seu filho, deixasse-o comigo. Sim, eu estou passando dias no estúdio, mas pelo menos ele ficaria com o pai. O que vem fazendo para não parar em casa?
Fiquei em silencio encarando o chão ate Justin perguntar mais uma vez
- Eu arranjei um trabalho – falei baixo ainda sem olhar para ele
- Para que? Você não precisa trabalhar Kath, tem dinheiro de sobra. Eu deixei uma boa parte para você e Brian – revirei os olhos e passei a mão em meus cabelos
- Não é por questão de dinheiro Justin – o olhei – Eu precisava de algo para me distrair quando nós nos divorciamos, eu não estava nada bem e... só precisava esquecer todo meu sofrimento por algumas horas – dei de ombros e suspirei – Então ouço você me falando tudo isso agora e parece ser errado o que estou fazendo - Justin ficou em silencio e franziu a testa
- Do que exatamente esta trabalhando? – ele arqueou a sobrancelha. Desviei mais uma vez nossos olhos. Depois de um breve silencio e quando eu iria me pronunciar, um homem velho e gorducho passou á minha frente. Seu perfume inebriando e tomando conta de todo o local. Parecia uma mistura de cigarro com sabão em pó. Um cheiro horrível que fez meu estomago embrulhar. Coloquei as duas mãos na boca e corri para o banheiro mais próximo. Antes de passar pela porta só escutei os gritos preocupados de minha mãe e Justin.

Justin Bieber P.O.V 
- O que ela tem? – Emma perguntou para si mesma – Filha! Filha abre essa porta. 
O barulho da tranca da porta fez com que eu olhasse atentamente para a mesma. Quando ela se abriu, vi uma Katherine completamente pálida, seus olhos azuis não tinha o mesmo brilho de sempre.
Engoli em seco quando ela se pôs a chorar.
- Hey meu anjo, o que foi? – perguntou Emma a puxando pela mão ate o banco
- Não aguento mais isso – ela respondeu – É quase todo dia a mesma coisa – ela fez um bico e soluçou
- Todo dia? – perguntei chamando sua atenção – Não foi só daquela vez? – ela negou e se encolheu toda e fungou
- Vou pegar algo para você comer ali na lanchonete ok? – Emma falou se levantando. A observei ate virar o corredor e em seguida voltai a olhar para Katherine
- Não acha melhor passar com um medico Kath?
- Não é nada Justin, eu sei que não é
- Você não sabe, é melhor você falar com um medico. Ele pode, sei lá, te dar um remédio de enjoo ou fazer um exame.
- Eu não quero. Não hoje. O que importa agora é meu bebê, só isso.
- Vem aqui – a chamei. Minha voz saiu mais suave do que eu imaginava – Anda! Você esta tremendo – ela me olhou em duvida, mas eu apenas assenti com a cabeça a incentivando. Katherine fungou novamente e se aproximou de mim lentamente, parecendo com medo de completar tal ato. Passei meu braço pelo seu ombro e a puxei para se aconchegar em meu corpo. Fechei meus olhos ao sentir o contato de nossas peles juntas. Seu corpo estava quente, não pelando apenas na temperatura normal, porem isso bastava para me deixar em chamas. Kath passou seu braço por minha barriga e a deixou parada em minha cintura. Apoiei meu queixo em sua cabeça e a apertei mais forte.
- Eu quero ver meu filho – ela murmurou baixinho
- Já já vamos vê-lo amor – Katherine estremeceu e enrijeceu o corpo. Arregalei os olhos quando me dei conta do que tinha falado – M-me desculpe. E-eu... não era a intenção
- Tudo bem – ela falou e eu pude notar que estava com vergonha.
Cerca de quinze ou talvez vinte minutos depois, o pediatra que atendia Brian parou a nossa frente. Eu e Kath, que nos encontrávamos ainda abraçados, nos levantamos rapidamente e caminhamos ao lado do médico quando o mesmo disse que poderíamos ver nosso filho.
Os corredores eram todos iguais, aquilo mais parecia um labirinto do que um hospital. Nunca gostei de hospitais. O quarto de Bry era o 345 da ala 6. O médico abriu a porta e nos deu passagem para entrarmos. Katherine correu ate a cama e se curvou sobre o pequeno corpo de Brian e o encheu de beijos no rosto.
- Brian irá ter que ficar de observação – falou o medico se pondo ao meu lado. Assenti para ele e encarei as duas pessoas mais importantes da minha vida. Kath agora sorria lindamente e segurava as mãozinhas do Brian enquanto o mesmo falava alguma coisa para ela – Ele está cansado e por conta do remédio que injetamos ele ficaria meio mole mesmo. Só peço a vocês dois que não o forcem a nada ok?
- Tudo bem doutor, mas já sabe o porquê dele ter passado mal?
- É apenas uma virose – falou calmo – Nada grave, o segredo é apenas descansar e se alimentar bem – assenti voltando a olhar para Katherine e Brian – Mais uma coisa Justin.
- Sim?
- Quando estava diagnosticando Brian, ele pediu muito pelos pais. Imagino que ele ainda não tenha se acostumado totalmente à separação de vocês dois. Será comum ele ficar carente, então é muito bom também que você e a senhorita Katherine fiquem com ele. Juntos.
Assenti e o médico apenas sorriu fraco e antes dele sair do quarto, deu dois tapinhas em meu ombro.
- Oi papai! – Brian murmurou quando eu me sentei ao seu lado. Segurei em sua mão e comecei a acariciar com o meu dedão
- Oi filho! Como esta se sentindo?
- Melhor – ele se sentou e encostou-se à cabeceira da cama – Mamãe eu vou ter que passar a noite aqui?
- Sim meu anjo!
[...]
Katherine Collins P.O.V 
- Through the sorrow and the fights Don't you worry, cause everything's gonna be alright – cantei baixinho a última parte da musica. Brian já dormia novamente.
Era por volta de duas da manhã. Fazia cerca de meia hora que eu tinha pegado no sono, quando Brian acordou chorando. Ele correu para o banheiro e vomitou. Isso ocorreu cerca de duas vezes. E depois pediu para cantar uma música para ele. A primeira que me veio em mente foi Be Alright.
- Por que ainda esta acordada? – escutei a voz rouca de Justin ecoar pelo quarto ate então silencioso. Me virei para ele e o encontrei coçando os olhos enquanto bocejava. Ele piscou algumas vezes antes de fixar seu olhar em mim
- Brian tinha acordado – falei baixinho para não acorda-lo. Voltei a me sentar no sofá onde minutos atrás eu e Justin dormíamos. Puxei o cobertor ate o ombro e abracei minhas pernas.
Eu e Justin havíamos discutido sobre quem iria passar a noite com Brian. Não entravamos em acordo de jeito nenhum. Então o médico nos deixou dormirmos aqui. Como nos velhos tempos, Justin dissera quando nos sentamos no sofá prestes a dormir. Nem preciso dizer que corei com tal comentário.
E agora estávamos novamente da mesma forma; em silencio e encarando o teto branco.
- Em que esta pensando? – Justin perguntou, dei risada com sua pergunta e sentei-me de lado no sofá para poder melhor vê-lo
- Em nada – dei de ombros. Ficamos novamente em um grande silencio
- Eu queria te fazer um convite – Justin falou novamente – E antes que nega mesmo sem saber sobre o que, me deixe falar ok? – revirei os olhos e assenti – Meus avós e todo o pessoal do Canadá vão vir para cá no Dia das Mães – ele pausou e passou a língua sobre os lábios e em seguida fechou os olhos – Eu queria que passasse o dia conosco, pode parecer algo bobo mas... realmente quero que você passe o Dia das Mães comigo
- Justin... eu, não sei. Estava pensando em passar o dia todo com o Brian e com minha mãe
- Pattie disse que estava pensando em chamar sua mãe também. Por favor Kath? Eu ainda creio que vamos voltar e....
- Então quer dizer que tem segundas intenções nesse pedido? – o interrompi incrédula
- NÃO! – ele gritou e eu tampei sua boca rapidamente
- Cala boca – murmurei brava e ele riu baixo
- Desculpe
- Idiota – ele riu novamente e tirou lentamente as minhas mãos da sua boca
- Mas então, você aceita? – ele tombou a cabeça para o lado e sorriu
- Vou pensar – dei de ombros e olhei para Brian
- Ah Kath! Quero uma resposta concreta. Sim ou sim? – ele arqueou a sobrancelha
- Sim ou sim Justin? E se eu não quiser ir?
- Ai eu vou ficar chateado – revirei os olhos e me encolhi mais ainda no sofá, com a intuição de dormir.
- Isso importa? – falei baixo. Já podia sentir o sono tomando conta de mim
- Importa e muito – ele suspirou e depois se encolheu no sofá da mesma forma que eu – Kath?
- Que foi Justin? – bufei
- Um dia você vai me perdoar? Tipo, não dá boca pra fora, mas de coração mesmo?
- Por que quer saber? – perguntei engolindo em seco
- Porque eu preciso do seu perdão.
- Justin isso não é um assunto que devemos falar agora. Eu estou com sono
- Eu ainda te amo e você sabe disso. Você me ama ainda? – deslizei meu olhar lentamente por ele. Justin tem uma expressão apreensiva no rosto, ele tinha medo da minha resposta – Só quero saber se... temos chance
- Não sei te dizer – me virei para a almofada do sofá e escondi meu rosto ali. Estava me segurando para não me entregar a ele.
- Kath?
Respirei fundo e respondi
- Sim?
- Eu te amo tá?
- Você já disse isso – respondi tentando esconder meu sorriso. Droga, ele estava conseguindo o que queria – Vá dormir Justin, vá dormir.
Ele soltou uma risadinha. Senti ele pousar sua mão em minha coxa por debaixo do cobertor e acariciar, com meu pé tirei a mesma dali e pressionei os dedos contra sua cintura fazendo coceguinhas nele. Justin se contorceu todo no sofá o que me fez rir.
- Para, para, para! – ele riu mais uma vez e segurou meus pés. Justin sorriu enquanto me encarava – Boa noite Collins
- Boa noite Bieber! – murmurei sorrindo. Isso tudo me fazia lembrar nossa época de melhores amigos.

Oieeeee :)
Capítulo pequeno esse heeeein?
Bom antes de tudo eu havia falado no grupo que talvez iria postar a segunda parte ainda essa semana. E eu postei. O capítulo deu 9 páginas no word, ou seja deu o tamanho de quase dois capítulos que eu costumo postar. Isso significa que eu talvez não poste segunda. Nada garantido. 
Sobre a coisa fofa que eu tinha falado capítulo passado, ela irá ficar para o próximo por que bem eu tinha me esquecido que o Brian iria ficar doente e tals e se eu fosse colocar esse treco fofo o capítulo ia ficar mais grande ainda ok?
Um super hiper mega plus spoiler: esta chegando o capítulo em que o Justin irá descobrir sobre o filme ok? Acho que daqui dois ou talvez ate seja o próximo. Só isso :) haha
É isso! Brigada por todos o comentários tá? Beijokas e até!