30/12/2013

Only Best Friends: Capítulo 18 - Outburst live

22 comentários: | |
É como se você me conhecesse melhor do que eu mesma
Eu amo o modo como você pode dizer
Todos os pedaços de mim
Ashleee Simpson Pieces Of Me

Katherine Collins POV

Justin realmente achava que eu iria perdoá-lo de uma hora para a outra. As coisas não são assim, é difícil pensar em confiar nele novamente. A todo instante me pego pensando na cena dele com a tal garota da boate, e isso é uma droga por que me dói muito. Vê-lo com outra me dói muito. 
Eu acordei cedo, mais fiquei até as 10hrs na cama tentando encontrar coragem para sair debaixo das minhas cobertas, já que hoje o dia estava nublado. Meu café da manhã foi uma vasilha de cereal enquanto eu assistia um filme. Meu pai estava no trabalho e minha mãe havia acabado de sair e só então fui perceber que eu não via Thomas desde quando descobri que era adotada. Levantei em um pulo e fui ate seu quarto, ele dormia profundamente e eu sorri, fechei a porta e me dirige ate sua cama onde eu sentei e comecei a fazer carinho em seu cabelo. Tom tinha o sono muito leve então logo abriu os olhos e sorriu torto vendo que era eu
- Bom dia! - falei baixo, ele se sentou na cama e coçou os olhos tentando se acostumar com a claridade. Antes que ele pudesse responder, eu pulei em seu colo e o abracei forte - Me desculpa por aquilo dia
- Não tem que pedir desculpas - me deitei ao seu lado e ele me puxou me abraçando - Nenhum de nós deveria ter escondido de você Kath... 
- Eu sei, mas agora esta tudo bem - falei animada e ele riu - Sei que tenho os melhores pais do mundo e também o melhor irmão do mundo - fechei os olhos sorrindo
- Eu te amo tanto pequena
- Eu também te amo grandão - dei risada - Vamos fazer algum juntos hoje? Faz tempo que não saímos
- Eu adoraria - fiz bico - Mas Clary quer se casar o mais rápido possível, então combinamos de começar a ver as coisas do casamento hoje
- Ela esta certa, a quanto tempo você esta enrolando a pobre coitada? 
- Enrolando? Não estava enrolando ela, só queria ter certeza de que Clary é a mulher da minha vida - sorri, ele era tão fofo
- Chegou na sua conclusão? - ele assentiu - Gosto da Clary, ela é muito legal e também muito bonita
- Bom saber disso - ri fraco - Eu também gosto do Bieber - na mesma hora minha expressão de total felicidade mudou completamente. Tom franziu a testa sem entender - Falei algo errado?
- Ás coisas não são mais como antes - falei baixo - Eu queria poder voltar no tempo e não ter aceitado a proposta de "amizade colorida" - fiz aspas com os dedos - Justin me decepcionou
- Vi o que ele fez mas achei que vocês já tivessem se acertado. Quer dizer, vocês sempre brigaram mais nunca ficavam mais do que duas horas sem se falar - dei uma risada fraca e pude sentir meus olhos lagrimejarem 
- Eu queria ter a inocência de perdoá-lo sem ver o que fez, mas... não sou mais criança - suspirei - E o pior de tudo é que eu sinto falta dele, eu preciso dele. 
- Pretende perdoá-lo? - fiquei pensando em uma resposta por um bom tempo
- Eu não sei - disse por fim - Parece que estou fazendo muito drama por isso só que não é só a questão dele ter comido uma vadia. Ele simplesmente fez isso no pior dia da minha vida, no dia seguinte, quando nos acertamos, ele agiu normalmente. Você não via em seu rosto nenhuma expressão de nervosismo muito menos de arrependimento, e droga! Eu amo ele - falei reprimindo um soluço, Thomas não falou nada apenas ficou acariciando meu cabelo, era tudo do que eu precisava. Atenção e desabafar. 

Justin Bieber POV

Ela não respondeu minha mensagem. Ignorou mais uma vez minha ligação e sem querer aceitar, sei que merecia isso. Sei que arrependimento não é nada nesse momento. Para piorar ainda mais meu dia, hoje teria uma entrevista e eu tinha certeza de que tocariam no assunto do qual não estava afim de falar.Terminei de me arrumar e fui direto para garagem, não estava com um pingo de fome. Em alguns minutos eu cheguei no estúdio do programa e adentrei o local pela porta dos fundos. Scooter logo que me viu veio ate mim e passou algumas instruções. Fiquei aguardando a minha hora em um local dos bastidores que dava para ver o palco e o que se passava nele

Katherine Collins POV

Depois de um bom tempo desabafando com Thomas, ele me expulsou do seu quarto falando que precisava se arrumar para encontrar sua amada. Não havia nada para fazer então fiquei em meu quarto mexendo em minhas redes sociais. Era 13:45 quando uma mensagem da Chloe chegou em meu celular

"Ligue a televisão AGORA na NBC, ta passando o programa da Ellen" 

Revirando os olhos liguei a TV e bufei quando vi que era uma entrevista com Justin, pelo que entendi já havia começado a algum tempo e agora eles falavam sobre seu último show que era daqui três dias
- Eu realmente estou mal por estar acabando minha turnê - falou Justin - Eu vou fazer uma pausa depois do último show, quero estar mais com minha família e meus amigos
- Justin, mudando de assunto totalmente, talvez você não queira falar sobre isso mas e Katherine?
- O que tem ela? - Ellen revirou os olhos e a platéia riu
- Nós vimos as fotos Bieber, de vocês se beijando e da viajem para Roma. As pessoas querem saber o que há entre vocês dois
- Não há nada entre nós dois - ele disse e notei um pingo de tristeza - Ela é minha melhor amiga
- Melhores amigos não se beijam Justin - dessa vez Justin que revirou os olhos 
- Aquilo, quer dizer o beijo - ele engoliu em seco - aconteceu do nada, não foi planejado
- Mas a viajem foi
- Sim, foi planejada. Eu queria passar um tempo sozinho com ela 
- Quer dizer que vocês estão de rolo? 
- Não estamos tendo nenhum tipo de relação. Não mais!
- Isso é consequência da sua saída com uma garota noites atrás?
- Não quero falar sobre isso - ele torceu os lábios e fitou o chão - Eu não suporto errar
- Aquilo foi um erro?
- Já disse que não quero falar sobre isso - Ellen arqueou a sobrancelha e assentiu logo em seguida
- Sobre o show que levantaram aqueles cartazes, o que tem a dizer? Suas Beliebers são realmente muito protetoras - ele assentiu sorrindo fraco
- Por mais que não seja a primeira vez, não me acostumei com o fato de minhas fãs xingarem uma garota que se aproxima de mim. Tenho dezenove anos e necessito ter uma pessoa com que posso compartilhar diversas coisas, a pressão da mídia em cima de mim é muito forte e ás vezes não consigo suportar tudo isso sozinho. Apesar de ser famoso, eu sou humano e como qualquer um eu preciso me sentir amado. Não que eu não me sinto amado com o amor de minhas Beliebers, é que... você entendeu? - Ellen assentiu -  E algum tempo atrás eu vi mentions horríveis sobre Kath, aquilo realmente me deixou chateado
- Por que?
- Não é óbvio? - ele riu fraco - Ela é minha melhor amiga, amo ela demais é claro que vou ficar mal ao ver aquelas coisas. Ainda mais quando se trata de uma pessoa tão incrível com ela. Vi coisas do tipo "ela é uma interesseira, só quer status" ou "ela esta afastando você da gente", eu só queria tentar mostrar a todas minhas fãs que...  Kath é uma pessoa maravilhosa, passou por coisas ruins essa semana e julgá-la sem ao menos conhece-la é algo estúpido. Ela sempre esta comigo quando visito lugares carentes, você pode ver o quanto sua alma é boa e... ela já enfrentou meus seguranças uma vez que duas Beliebers tentavam entrar no meet sem a pulseira, fazendo com que essas duas meninas entrassem. Eu me orgulho muito dela. Nunca vou me cansar de dizer que ela é incrível 

PARA TUDO! 25 COMENTÁRIOS? EU TO SONHANDO? 
MUITÍSSIMO OBRIGADO, VOCÊS SÃO DEMAIS, LINDAS, MARAVILHOSAS E GOSTOSAS :)
Imagina só, na sinopse de Only Best Friends teve CINCO comentários e eu fiquei de verdade super mega feliz. E agora então? Estou sorrindo para as paredes haha!
Outra coisa, vocês são malvadas hein? Pode deixar que o infeliz do Justin vai sofrer um bocado ainda. Com todos os comentários e dicas que vocês me deram eu já sei como será essa enorme crise de ciúmes que o Biebs vai ter :) 
Obrigado por avisarem sobre o probleminha do capítulo 5 que estava indo para o 4 e tals :P Já arrumei!
Capítulo pequenos, como assim? Estou deixando eles mais curtos por dois motivos
Primeiro: meu notebook ta bugado, ta desligando toda hora e isso esta me irritando
Segundo: iria ficar chatinho um capitulo enorme falando o que Justin e Kath fizeram no dia, então quando eles foram se acertar eu faço um grandão pode ser??
Não sei se irei postar amanhã, já que é véspera de ano novo YEP!
Então FELIZ ANO NOVO para toooodas vocês, que em 2014 agente esbarre no Justin Gostoso Bieber e que não seja só boatos de que ele irá vir para o Brasil na estreia do Believe Movie :)
Muitos beijos e até o próximo capítulo '-'   

28/12/2013

Only Best Friends: Capítulo 17 - Jealousy? I don't have this

28 comentários: | |
Please leiam o final do capítulo, xoxo
"Sentir ciúmes de quem não é nosso, 
é a pior coisa que existe, por que não podemos reclamar 
muito menos pedir explicações"

Justin Bieber POV

Já disse que odeio acordar com o celular tocando? Não? Pois bem eu ODEIO. Aquela bosta tocava freneticamente. Estiquei meu braço e peguei meu iPhone que estava no criado-mudo
- Alô? – perguntei rude sem ao menos ver quem era
- Bom dia para você também – reconheci a voz. Scooter
- O que você quer? Eu não posso dormir mais nessa vida? – resmunguei me sentando
- Ate pode mas não quando tem ensaios da turnê. Alias, o ultimo se você esqueceu – revirei os olhos – Liguei para avisa que a Darlene, sabe quem é?
- Claro que eu sei Scooter, como não saberia o nome da coroa que cria a nossas danças? – ele riu
- Mais então, ele sofreu um acidente e quebrou o pé e não tem como dar aula. Eu já contratei um professor que foi muito indicado
- Tá legal! – revirei os olhos, não acredito que ele me ligou para falar isso – Aliás como é o nome do veio?
- Joseph, ah e ele não é tão velho assim não viu?
(...)
Estacionei na frente do prédio onde ficava a sala onde ensaiamos e desci do carro, ligando o alarme logo em seguida. Cumprimentei o porteiro com um aceno de cabeça e entrei no hall, o elevador não demorou muito a chegar e assim que eu entrei no mesmo apertei para ir ao ultimo andar.
Vinte segundos. O tempo que levou para ele parar na sala. E foi também o tempo que eu tive para respirar fundo antes de estar no mesmo ambiente que Katherine. Tentei muitas vezes falar com ela na noite passada porem ela sempre recusava minhas ligações. Eu sei que havia errado com ela, não devia ter deixado à raiva tomar conta dos meus atos. Só que agora era tarde demais para ficar me lamentando sobre meus erros. Minha única saída era; concertar as coisas. Porque eu preciso dela, literalmente de todas as formas, em minha vida.
Dei um “oi” para todos e procurei Kath pela sala, a encontrei conversando com Chloe no canto da sala, assim que ela me viu eu sorri torto e então ela virou seu rosto. Suspirei frustrado, Kath estava linda, como sempre, usava uma calça legging azul marinho e seu top preto que realçava bem seus seios. Droga, como eu desejo essa garota. Eu tentava de varias formas não demonstrar os olhares maliciosos que eu lhe lançava.
Alguns minutos depois, um cara que eu não conhecia entrou na sala chamando a atenção de todos
- Boa tarde pessoal! – ele sorriu fraco
- Joseph? – ouvi Kath dizer. Então era ele o tal Joseph? O branquelo de olhos azuis procurou quem estava o chamando e arregalou os olhos
- Katherine? – ele sorriu abertamente me fazendo revirar os olhos e depois prestar atenção nos seus próximos atos. Joseph a abraçou forte e a levantou no ar – Céus, quanto tempo
- Pois é – ela sorriu – Como você esta? Andou malhando é? – a qual é? Ela só pode estar tirando uma com a minha cara.
- Mais ou menos, faz dois anos que eu me formei em dançarino profissional
- Sério? – ele assentiu – Que legal, mais então o que você faz aqui?
- Ah é ia me esquecendo! – ele se virou para nós – Bom meu nome é Joseph. Tenho 25 anos e estarei substituindo a dona Darlene
- O que aconteceu com ela? – Chloe perguntou
- Ela quebrou o pé e ontem Scooter me ligou pedindo para mim cobrir as aulas restantes. Bom vamos começar a aula? – o encarei com tédio e com uma sobrancelha arqueada. Assim que ele me viu sorri fraco e acenou com a cabeça – É um prazer trabalhar com o senhor, Bieber – sorri sínico o fazendo ficar sem graça.
Pelas duas horas decorrentes, tive que aturar Joseph dando em cima de Katherine e lhe lançando piadas baratas. Ai eu te pergunto; da onde eles se conhecem? Toda aquela baboseira e os rubores que se formavam na bochecha de Kath quando ele a elogiava, estava me deixando completamente irritado. Me diz como Scooter pode me contratar um idiota com ele? Ah fala sério. E o pior, sem querer admitir mais falando mesmo assim, Joseph dançava bem. Claro, não tão bem quanto eu.
- Dá para você parar de fuzilar o coitado? – me virei e Alfredo me olhava rindo, revirei os olhos e fizemos nosso toque rotineiro
- O que faz aqui? – me sentei encostado na parede, já que eu não participava dessa dança decidi dar uma descansada
- Vim  fotografar o ultimo ensaio.
- Eu nem acredito que daqui dois dias estarei fazendo o ultimo show da Believe Tour – suspirei pesado
- É cara passou bem rápido – assenti – Mais então, o que aconteceu entre você e Kath?
- Nós brigamos 
- Por que?
- Ela descobriu que é adotada - Alfredo arregalou os olhos - No mesmo dia discutimos e eu acabei indo para uma boate e... e eu fiquei com uma garota. Antes de ontem nos acertamos só que ela viu as fotos de eu saindo da balada junto com a menina - bufei - E então ela acabou com qualquer coisa que tínhamos - falei enquanto a observava dançar. Ela se movia com tanta facilidade e eu amava isso
- Caro, você é um idiota 
- Eu já entendi isso tá legal? - acabei falando alto demais fazendo todos me olharem.  
(...)
Entrei em meu carro e bati a porta com força. Apoiei minha cabeça no volante e mordi os lábios tentando não chorar, menos de um dia e eu já estou enlouquecendo sem Kath. Peguei meu celular no bolso da minha calça de moletom e desbloqueei a tela vendo uma foto minha e dela, tentando não pensar no quanto eu era idiota por ter feito o que fiz, disquei seu número 
- Por favor atende! - sussurrei. Porem, nem mesmo com os dedinhos dos meus pés cruzados, ela não atendeu. Soquei o voltante e encarei a janela do carro, fiquei com mais raiva ainda ao ver a seguinte cena; Joseph e Kath saindo do prédio rindo, ele estava com um braço em volta de seus ombros e ela parecia não ligar para isso. Eu queria quebrar a cara desse desgraçado. Katherine me viu e ficou me encarando por alguns segundos, pouco mais o suficiente para eu conseguir sussurrar um "eu te amo", então ela seguiu para onde quer que fosse com Joseph.
Liguei o carro e parti em direção a minha casa

Katherine Collins POV

Minha tarde foi divertida. Eu e Joseph ficamos conversando por horas no Starbucks. Ele era filho de um grande amigo do meu pai, havia um bom tempo que eu não o via. Eu cheguei em casa e já estava escuro. Fui direto para o meu quarto e tomei um banho demorado. Assim que terminei vesti uma camisola e me deitei encarando o teto ate ouvir meu celular apitar em sinal de mensagem. O peguei e era uma mensagem de Justin, eu iria ignorar se não fosse a enorme curiosidade que me possuía. Decidi por fim ler

"Eu sei que você esta decepcionada comigo, e eu quero me matar por isso. Mas por favor não saia da minha vida, eu preciso de você mais do que imagina. E Kath... eu não suporto te ver rindo com aquele branquelo dos olhos azuis. Eu quero você só para mim, você é só minha. Ciúmes? Não, não é isso. É só medo de perder você! Por favor, me perdoa? Eu te amo!"


Bosta de capítulo, desculpa '-'
Quero que me respondem uma coisa; Justin sofre mais um pouquinho ou ele e Kath se acertam logo? Preciso da ajuda de vocês, eu já tenho o próximo capítulo em mente, mas quero saber o que vocês realmente querem. Tem várias coisas para acontecer ainda e eu não sei se eles devem ficar brigados por um tempinho :P Help Me! 

27/12/2013

Only Best Friends: Capítulo 16 - You're not so different from him

20 comentários: | |
não me matem '-'
"Nunca me atirei em um amor com tanta força 
Tudo o que eu queria erar quebrar seus muros
Mas tudo o que você fez foi me quebrar"

Katherine Collins POV

Eu e Justin saímos do banheiro depois de um longo banho repleto de caricias. Vesti meu pijama e depois escovei meus dentes com a minha escova que sempre ficava em seu banheiro. Thomas ligou uma vez em meu celular mais eu não atendi, provavelmente ele e meus pais sabem que eu tinha vindo para casa de Justin, mesmo que ontem tenhamos brigado.
Deitei ao lado de Justin, seus braços em volta de mim, me fazia sentir completamente segura de qualquer coisa. Meu rosto estava escondido na curvatura de seu pescoço e Justin acariciava minhas costas com as pontas de seus dedos me fazendo ficar arrepiada. No quarto estava estabelecido um silencio um tanto chato, parecia que não tínhamos mais tanto assunto como antes.
E foi nesse silencio que eu pude parar para pensar em meus “pais”, o vazio que me possuía de saber que eles não eram meus pais verdadeiros era enorme e a incerteza se eu realmente queria saber sobre a verdade me invadia. Quem será que foram os meus verdadeiros pais? E aqueles sonhos que eu tinha constantemente, era algum sinal? Tudo isso rondava em minha mente a todo instante e isso estava me deixando bem confusa.
- Você esta quieta – Justin falou baixinho
- Estou pensando
- Em que?
- Tudo! Fico pensando se daqui para frente à relação que tenho com meus pais, quer dizer, com Emma e Matt , será a mesma coisa – ouvi Justin suspirar baixinho e depois ele me apertou mais
- Olha, não pense nisso agora. Deixa para resolver isso depois, tudo bem? – assenti e fechei meus olhos deixando o doce cheiro de Justin invadir minhas narinas – E saiba que pode acontecer qualquer coisa, boa ou ruim, eu sempre vou estar com você. Ao seu lado te ajudando em tudo, da melhor forma possível.
- Obrigado – falei olhando em seus olhos – Obrigado por tudo Justin – ele sorriu – Não sei o que seria de mim sem você.
- Você na precisa agradecer por nada meu anjo, é o meu dever fazer qualquer coisa para te ver sorrindo – fiquei olhando para ele sem qualquer expressão no rosto ate ele selar nossos lábios. Seu beijo era meu remédio, era a solução para qualquer coisa. Sua língua quente e molhada entrou em minha boca e a explorou por completo, era em uma batalha que nós nos encontrávamos, uma batalha a qual ninguém sairia ganhando. Assim que encerramos o beijo, Justin roçou nossos narizes e depois beijou minha testa. Ficamos conversando por algum tempo ate pegarmos no sono
  
Justin Bieber POV

O sol invadiu meu quarto me fazendo resmungar, tentei cobrir meu rosto com o cabelo de Kath mais não adiantou nada. Levantei-me bufando e fechei a cortina de forma bruta. Encarei o quarto com os olhos semicerrados, me dirigi novamente para cama e dei um beijo na bochecha de Kath fazendo ela se remexer na cama e segundos depois abrir os olhos.
- Bom dia! – falei baixinho e ela sorriu
- Bom dia – ela respondeu e levantou seus dois braços fazendo sinal de que era para abraça-la
- Esta bem?
- Aham! – sua respiração em meu pescoço me arrepiou e eu sorri fraco. Desvencilhei de seus braços e lhe dei um selinho
- Eu vou tomar um banho, quer vir? – perguntei na maior inocência possível, não planejava nada demais mesmo.
- Estou com preguiça, depois eu tomo – assenti e selei nossos lábios rapidamente. Segui para o banheiro e antes de entrar no mesmo mandei um beijo para Katherine a fazendo rir.

Katherine Collins POV

Assim que Justin entrou no banheiro, me estiquei para pegar meu celular que estava no criado-mudo. Entrei em meu twitter e fui ver as noticias o que era melhor eu não ter feito. Em uma conta de um site de fofocas havia um link no qual eu cliquei, a pagina foi direcionada para um recente post. Justin Bieber vai à boate acompanhado de amigo e depois é visto saindo com uma garota do estabelecimento.  Assim que terminei de ler a matéria eu podia sentir meu sangue fervendo e em meio a todo esse ódio eu sentia as lagrimas de decepção. Poderia ate ser mentira, com muitas outras que inventam, mais havia fotos de todos os ângulos possíveis. Justin estava acompanhado de uma garota que aparentava ser da mesma idade que ele, ela era morena e usava um vestido vermelho curto. Ele estava com a mesma roupa de quando saiu da minha casa ontem de noite. Ele havia brigado comigo e depois foi se aliviar com uma qualquer. Na reportagem dizia que dentro da boate ele e a garota havia se pegado e depois de um certo tempo dentro do local, eles saíram juntos. No carro dele. E ai eu pergunto; o que eles fizeram? Brincar de casinha é que não foi.
Com minhas forças restantes, me levantei e comecei a vestir minha roupa depressa, mais bem nessa hora Justin saiu do banheiro com uma toalha enrolada em sua cintura, assim que viu o que eu fazia franziu a testa.
- O que você esta fazendo?
- Você é um idiota – falei entre lagrimas. Calcei meu tênis e quando estava indo para o banheiro Justin puxou meu braço
- Kath o que aconteceu?
- Não toque em mim – pedi mais ele me ignorou – Eu falei para não tocar em mim
- Me fale o que houve – comecei a chorar mais ainda e ele me perguntava diversas vezes o que tinha acontecido, eu não conseguia falar nada apenas chorar e pensar em como eu me sentia uma completa estúpida.
- Como você teve coragem de fazer isso comigo? – ele franziu a testa e aquilo me deu mais ódio ainda, fui ate a cama e peguei meu celular mostrando para ele o que eu havia visto – Reconhece essas fotos? – ele ficou encarando meu celular por algum tempo e quando finalmente olhou para mim seus olhos estavam repletos de lagrimas – COMO VOCÊ CONSEGUE CHORAR? –
- Kath... – ele se aproximou de mim, mais eu recuei ainda chorando – Eu sinto muito.
- Sente muito? Não você não sente. Eu me sinto uma estúpida, enquanto eu estava preocupada em vim te pedir desculpas você estava fazendo isso? – apontei para o celular em suas mãos – Sei que não é a primeira vez que você fica com uma garota em uma noite mas COMO TEVE CORAGEM DE FAZER ISSO COMIGO? Nós não estávamos juntos?
- Me perdoa
- Eu nunca mais quero te ver – falei olhando em seus olhos
- Não fale isso, por favor. Eu não consigo ficar sem você. Eu te amo
- Me ama? – perguntei rindo irônica – É isso que você chama de amor? Como que... nossa, estou me sentindo um lixo, me sinto suja e completamente traída. Será que você não pensou em mim? Em tudo que aconteceu comigo ontem de noite?
- Sim, eu pensei mais
- Mais mesmo assim fez – o interrompi – Grande consideração você tem por mim
- Katherine
- EU NÃO QUERO OUVIR SUA VOZ – gritei entre soluços – Eu vim ate aqui te pedir desculpas e te dizer eu te amava e é assim que você retribui? Saindo com outra na maior cara de pau?  Eu esperava isso de qualquer um, menos de você Justin.  E o ruim é que eu não estou com ódio ou raiva de você, o que estou sentindo é decepção. Uma enorme decepção, por que eu preferia que você falasse que não queria mais nada comigo, preferia qualquer coisa, menos sair com uma vagabunda enquanto eu e você estávamos tentando construir uma relação. Eu disse que iria enfrentar qualquer coisa para te amar mais depois disso... a única coisa que eu quero e vou fazer é ficar longe de você
- Kath por favor, me escuta – neguei com a cabeça e peguei minha bolsa, peguei meu celular de sua mão e segui para a porta – Então vai acabar assim? – parei assim que ele falou isso e me virei para ele. Tudo isso me fazia lembrar do meu ultimo namoro. Alec, era o nome do meu namorado. Ele foi o meu primeiro amor, só que nós dois brigávamos muito e sempre que isso acontecia, ele ficava com varias garotas na mesma noite. E eu, a trouxa, sempre o perdoava.
- Sabe o que consegue ser pior do que você ter dormido com uma vadia? É saber que você não é muito diferente do Alec – a expressão de surpresa invadiu o seu rosto, acho que ele não esperava por isso. Literalmente não. – E dói tanto falar isso, por que você me prometeu que não me machucaria. E tudo o que você fez foi me destruir com isso, não bastava só me trair, apesar de não estarmos namorando isso foi uma traição, você tinha que agir como se nada tivesse acontecido. Achou que eu não ficaria sabendo e eu acabaria saindo como a corna no final da historia – pausei e respirei fundo tentando parar de chorar o que não foi possível – E sabe o que consegue ser pior do que você ser igual a Alec? É pensar que conseguimos destruir nossa amizade. Destruir a coisa mais importante em minha vida. Você – apontei para ele – destruiu nossa amizade. E eu te odeio por isso!
- Me desculpa por isso, eu estou completamente arrependido. Sei que posso pedir perdão pelo resto da minha vida e mesmo assim não será o suficiente mas... – ele respirou e olhou para outro lugar do seu quarto depois voltou a olhar para mim - Eu não quero te perder, não quero deixar você escapar por meus dedos. Não quero - ele piscou então todas as lágrimas escorreram
- Então por que você fez isso? - perguntei soluçando - Por que estragou tudo? 
- Porque eu sou um idiota e um idiota não merece ter uma pessoa tão perfeita como você - eu coloquei minhas mãos em meu rosto e comecei e chorei mais ainda, Justin ficava me observando com uma expressão extremamente magoada - Me perdoe...
- Eu me sinto um lixo - falei mais para mim do que para ele 
- Me perdoe - ele repetiu agora andando em minha direção - Por favor? - antes dele conseguir me tocar, eu me virei e finalmente sai do seu quarto. Corri ate meu carro, escutando Justin gritando meu nome. Sai em disparada e assim que tomei uma certa distância de sua casa, eu estacionei e me debrucei no volante. Não estava com condições de dirigir. Meu celular começou a tocar e uma foto de mim e Justin apareceu no visor denunciando ser ele, eu ignorei a chamada e desliguei meu celular. Respirei fundo e liguei o carro indo em direção a minha casa, em alguns minutos cheguei lá e não me importei de verificar ser havia alguém em casa. Assim que abri a porta da sala, Emma apareceu correndo e chorando
- Oh céus Katherine onde você estava? - ela recuou quando ia me abraçar - O que aconteceu com você filha? - sem responder eu a abracei fortemente, ela se assustou mais logo passou seus braços sobre mim - Me diga o que aconteceu
- E-ele... - sentamos no sofá e ela me olhava atenta - O Ju-Justin e-ele...
- Shhhh! - ela fechou os olhos - Não precisa falar, eu já sei sobre o que aconteceu. Afinal ele é Justin Bieber. Você gosta dele Kath?
- Eu o amo mãe! - ela sorriu fraco - E ele teve a capacidade de fazer isso comigo
- Se acalma, respira fundo - assenti fazendo o que ela pediu. Ficamos alguns minutos em silêncio ate eu falar que queria saber sobre a minha vida, ela se assustou mais logo assentiu chamando meu pai para conversarmos todos juntos. Luce trouxe um copo de água com açúcar e assim que me recuperei pedi para minha mãe começar a falar - Bom... 
- Espera espera! - disse meu pai - Antes de tudo quero que você saiba que eu e Emma amamos muito você apesar de tudo, nos perdoe por não ter contado a você. Mas sempre tivemos medo de você se revoltar ou algo do tipo - não falei nada apenas assenti
- Então... um ano e meio depois que eu e seu pai nos casamos, eu engravidei do Thomas, meu maior sonho era ter um casalzinho, então quando Tom completou um ano, nós começamos a tentar ter mais um filho. Que eu torcia ser uma menina, mas não estávamos conseguindo, sabíamos que havia algo errado então fomos até um médico e acabei descobrindo que estava com câncer no útero e - ela parou e respirou fundo - e eu não poderia mais engravidar. Eu fiquei muito mal com isso. Quando Tom estava com quase cinco anos, eu e seu pai decidimos adotar uma menina. Fomos em vários orfanatos mais em nenhum eu encontrava uma criança que me chamava atenção. Passei a procurar sites de adoção e eu encontrei um que era intitulado de Vitoriosos, sabe o por que? - neguei - Por que ali só havia crianças que foram maltratadas ou abandonadas das piores formas possíveis. Eu decidi que iria adotar por aquele site, mais só então que eu fui ver que o orfanato era em outro país, Brasil, eu não liguei para isso fomos até lá e visitamos. Era um lugar enorme mas não foi difícil de te encontrar. Você havia acabado de fazer uns exames e passava no colo de uma enfermeira, seus olhinhos estava abertos e foi por eles que eu me apaixonei. Seus cabelinhos loiros e pele branquinha - ela começou a chorar - Naquela hora eu sabia que havia encontrado minha filha
- Então eu sou brasileira? - perguntei engolindo em seco, meus pais assentiram 
- Nos apaixonamos mais ainda quando fomos saber como você parou ali - não estava frio, mais eu me encolhi abraçando meu corpo - S-sua mãe, é tão estranho falar isso enfim... sua mãe morreu de infarto quando você tinha cinco semanas, seu pai era alcoólatra e o vício dele aumentava a cada dia. Ele entrou em depressão quando sua mãe morreu, então decidiu te levar para um orfanato. Mais nenhum queria aceitar pois era muito difícil cuidar de um bebê recém nascido. Então seu pai... te deixou em um beco e foi lá que você foi encontrada. Levaram você para o hospital e quando completou oito meses foi para o orfanato, nós te adotamos quando você tinha um aninho e ate hoje... esta conosco, e filha eu agradeço a Deus por tudo, ate por minha doença por que se não fosse por ela jamais teria te encontrado. E mesmo meu sangue não correr em suas veias, eu te amo demais. - nessa hora eu já chorava muito, me levantei e agachei perto do dos meus pais, os abracei de uma vez e beijei a bochecha de cada um
- Eu amo vocês - falei - Amo muito vocês, obrigado por tudo tudo tudo. Me perdoem por algo que eu fiz e que deixaram vocês magoados. Me perdoem. 

Justin Bieber POV

- Como Justin? Como você fez isso com ela? - minha mãe me perguntou pela milésima vez enquanto andava de um lado para o outro. 
- Se for para você ficar jogando na minha cara, por favor saia - apontei para a porta do meu quarto, ela parou de andar e me repreendeu com o olhar - Eu sei que errei feio com ela e me sinto mal por isso
- Errou feio? Acho que sua ficha ainda não caiu! Você magoou a Katherine, Justin - ela disse olhando em meus olhos. 
- Eu sei e eu me odeio por isso!

Hey girls!
Espero ter feito vocês chorarem por que eu chorei escrevendo esse capítulo.
Foi mal por estar pequeno mais foi o que veio em mente. 
Eu vi que começaram a plagiar ILWMB e eu fiquei puta com isso, denunciei a página diversas vezes e espero que vocês tenham ajudado também. Por que além de ser revoltante isso, plagio é crime!
Mais enfim... digam o que acharam da "pequena" briga de Jatherine e até o próximo capítulo :)

ILWMB: Capítulo 15 - I just want to be happy with him

7 comentários: | |
"Querida, estou aqui. Estou aqui para ficar, não posso ir em nenhum lugar. Sei que isso é frustrante porque você foi magoada. Querida está tudo bem. Perdido em seus olhos, toda vez que você olha para mim prometo ser tudo que você precisa. Não irei deixar você querida, não, porque só quero amar você. Nunca colocarei ninguém acima de você. Só quero beijar você, quero lhe abraçar até o fim querida, até o fim."

28 de agosto de 2016 - Nova York, segunda-feira, 3:45PM
Justin Bieber P.O.V.
Charlotte chorava sem parar enquanto eu a abraçava. Vê-la chorar era horrível, ainda mais sabendo que parte da culpa era minha. Eu queria poder jogar tudo pro alto e levar uma vida normal com ela, mas eu não podia, eu precisava continuar pelos meus fãs, as pessoas que dariam a vida por mim mesmo sem me conhecer.
Meus olhos já estavam marejados e eu queria chorar, mas eu tinha que ser forte pela Char, tinha que mostrar pra ela que tudo iria ficar bem.
Charlotte: Me desculpa por ter contado, por favor. Eu não estava mais aguentando esconder isso. - Ela falou com a voz abafada e eu a abracei um pouco mais forte.
Justin: Está tudo bem, não se preocupe. - Depositei um beijo na cabeça dela.
Charlotte: Não está tudo bem, é óbvio que não está! - Ela praticamente gritou, se afastando e me olhando nos olhos. - Olha o que isso vai causar, Justin! Milhares de pessoas vão ficar contra você, você vai perder fãs!
Justin: Eu posso perder fãs, mas minhas Beliebers de verdade não vão me abandonar só porque eu estou procurando minha felicidade. Se eu tenho você e tenho minhas Beliebers, então eu não preciso de mais nada. - Ela sorriu, limpando uma lágrima que escorreu pela sua bochecha. - Vem aqui agora. - Abri meus braços e ela se aproximou novamente, se aninhando nos meus braços.
Não sei por quanto tempo ficamos ali, apenas sentindo a presença um do outro, mas quando voltamos a realidade Scooter estava nos chamando.
Scooter: Graças a Deus achei vocês! - Falou soltando um suspiro de alívio. - Venham, a polícia vai retirar vocês daqui.
Charlotte: Polícia? - Ela perguntou levantando e passando as mãos no cabelo.
Scooter: Sim, o local está cercado de fãs e repórteres, tive que chamar a polícia. - Ela me olhou assustada e eu segurei sua mão, tentando lhe passar segurança.
Justin: Cadê o Alfredo? - Perguntei enquanto descíamos a escada.
Scooter: Ele está nos esperando lá embaixo, nós vamos no carro com vocês. - Assenti.
Nós caminhamos até a porta dos fundos e fomos rapidamente até uma Range Rover preta. Scooter sentou no banco da frente e eu, Char e Alfredo fomos atrás. Charlotte olhava para aqueles vários carros de polícia com os olhos arregalados, então passei meu braço pelo ombro dela e a beijei rapidamente.
Alfredo: Não precisa ficar assustada com isso. - Ele falou.
Charlotte: Vocês não ficam? Olha o tanto de gente.
Alfredo: Nós convivemos com isso desde 2013. É algo que estamos acostumados.
Charlotte: Acho que vou ter que me acostumar com isso também.
Justin: Se ainda quiser ficar comigo... - Ela sorriu.
Charlotte: É óbvio que eu quero. - Sorri também. Era bom ter minha garota comigo novamente.
O carro andava rapidamente, pois tínhamos que sair dali antes de descobrissem que saímos pelos fundos e Charlotte olhava para trás toda hora, provavelmente com medo de estarmos sendo seguidos.
Scooter: Acho que vocês deveriam sumir por um tempo, deixar tudo se acalmar. - Falou, quebrando o silêncio que se instalara ali.
Charlotte: Hã? Como assim? - Falou agora fitando Scooter.
Scooter: Vocês deveriam viajar, ficar longe disso por alguns dias e tirar um tempo só pra vocês.
Charlotte: Ah, eu adoraria, mas eu tenho um emprego que não posso abandonar.
Justin: Eu falo com a Miranda se você quiser.
Charlotte: Não, Justin. Eu quero fazer meu trabalho como qualquer outra pessoa, eu já te disse isso. Não se preocupe com o que vão falar, eu vou enfrentar tudo. - Sorri. Essa mulher é incrível.
Justin: Ok, eu só queria ajudar.
Charlotte: Eu sei. Obrigada por se preocupar. - Ela me deu um beijo e sorriu depois.
Scooter: Atrapalhando o momento romântico de vocês, tenho que dizer que isso não vai ser bem visto pelas pessoas. Um romance entre irmãos é um incesto, vocês sabem, certo? Se eu fosse vocês evitaria a televisão, a internet e os jornais por alguns dias. - Assentimos. Queria poder livrar ela de tudo isso.

Charlotte P.O.V.
Eu estava realmente assustada com tudo o que aquela notícia estava causando. Parecia que o mundo todo parou para saber do relacionamento do Justin Bieber com a irmã adotiva.
Em frente ao prédio onde eu morava havia dezenas de pessoas e todas as pessoas que encontramos no caminho até o meu apartamento nos olhavam estranho, por isso eu evitava olhar em seus rostos.
Ao entrarmos no meu apartamento, Justin sentou no sofá e eu sentei ao seu lado. Por alguns segundos ficamos apenas em silêncio, mas depois Justin decidiu falar primeiro.
Justin: Eu juro que eu não vou deixar ninguém fazer nada de mal à você, Char. Eu vou te proteger e fazer de tudo para podermos ficar juntos, ok? - Falou me olhando nos olhos e me fazendo sorrir.
Charlotte: Não precisa se preocupar comigo, eu já disse que vou enfrentar tudo. - O abracei e ele me abraçou de volta. Eu nunca imaginei que isso seria tão difícil e ainda não estamos nem na metade dos problemas. - Hey, você tá chorando? - Perguntei ao ouvir ele fungando. Justin então se afastou um pouco de mim e me olhou, as lágrimas escorrendo pelo seu rosto.
Justin: Me desculpa por parecer tão gay na sua frente. - Falou sorrindo fraco e limpando as lágrimas com a própria camisa.
Charlotte: Não seja tão machista. - Falei rindo e limpando uma lágrima que acabara de escorrer pelas suas bochechas. Justin riu também.
Justin: Eu to aqui sofrendo e você fica me fazendo rir.
Charlotte: Oh, me desculpa, pode continuar. - Levantei as mãos pra cima como se estivesse me rendendo, fazendo ele rir novamente.
Justin: Agora é sério. - Justin deitou sua cabeça no meu colo enquanto eu mexia em seu cabelo. - Eu to com medo, Char. Não por mim, mas por você. Não quero que você sofra.
Charlotte: Nada vem fácil, você sabe.
Justin: Olha, eu não quero que você me esconda seus sentimentos, ok? Me conte tudo que você estiver sentindo e então eu vou te ajudar. Vou te fazer a mulher mais feliz do mundo. - Sorri e abaixei meu corpo para beijá-lo. Mal sabia ele que eu já era a mulher mais feliz do mundo só por tê-lo em minha vida. - Você já parou pra pensar o tanto de garotas que queriam estar no seu lugar? - Falou quando separamos nosso lábios e eu ri.
Charlotte: Você sempre consegue me fazer rir quando eu tô triste. - Ele sorriu.
Justin: Eu quero te ver sempre feliz.
Charlotte: Então não me deixe.
Justin: Nunca, babe. - Falou antes de juntar nossos lábios mais uma vez. - Que coisa mais brega. É você que me faz ficar gay, tá vendo. - Ri.
Charlotte: Você já é gay de nascença. - Ele sorriu malicioso.
Justin: E a Charlotte-irmã entra em ação. - Ri.
Charlotte: Obrigada por me fazer esquecer os problemas. - Justin sorriu.
Justin: Faço de suas palavras as minhas.
Antes que um de nós pudéssemos dizer alguma coisa, meu celular começou a tocar e Justin levantou para pegá-lo para mim. Percebi sua feição mudar ao olhar quem ligava e meu coração disparou ao imaginar quem era.
Charlotte: É ela? - Perguntei e Justin assentiu. Suspirei e peguei o celular de sua mão, tomando coragem para atender.

"Charlotte: Oi, mãe.
 Pattie: Oi, Char. Eu sei que Justin está aí, então coloque no viva-voz, por favor. - Fiz o que ela pediu.
 Charlotte: Pronto.
 Pattie: Eu não quero brigar com vocês, eu só quero que me expliquem como pretendem levar isso à sério. Vocês sabem que isso não é bem visto por ninguém, sabem o que vão causar, certo?
 Justin: Nós sabemos tudo o que iremos causar, mas já conversamos e estamos dispostos a enfrentar tudo.
 Pattie: Eu quero conversar melhor com vocês. Vou pegar um avião amanhã de manhã para Nova York, ok?
 Charlotte: Ok. Eu vou estar trabalhando, mas o Justin vai estar aqui em casa. Você pode vim direto pra cá se quiser.
 Pattie: Tudo bem. Até amanhã então. Eu amo vocês.
 Charlotte: Também te amamos."

Justin: Será que finalmente ela vai aceitar? - Perguntou.
Charlotte: Eu espero que sim. - Falei o abraçando.


Tá, eu sei que eu deveria ter postado um capítulo melhor depois de tanto tempo sem postar, mas foi só isso que saiu rs
Eu não postei antes pq viajei e quando eu finalmente parei em casa passei mal :(
Fiquei muito decepcionada quando eu vi que a página "O Mundo das Beliebers" estava me plagiando, perdi até a vontade de escrever. É muito ruim quando isso acontece. Bloqueei o botão direito do mouse e o atalho CTRL+C, assim eu não corro a chance disso acontecer novamente.
Enfim, espero que gostem desse capítulo mesmo ele tendo ficado uma bosta kshfkldjfsknd Até o próximo capítulo e digam nos comentários o que acharam do Complete My Journals ;*

Obs.: Obrigada a quem denunciou a página, vocês são as melhores leitoras do mundo ♥

26/12/2013

Me ajudaaaa /Bia

4 comentários: | |
Estão plagiando ILWMB e postando na página "O Mundo Das Beliebers". Vocês não tem vergonha não? Uma página grande como essa fazendo plágio de um blog pequeno como o meu? Tomem vergonha na cara e passem a usar a criatividade que eu sei que vocês tem para criar suas próprias fics. Já denunciei a página por plágio e não se esqueçam que plágio é crime.

Obs.: quem quiser denunciar a página pra mim eu ficarei muito agradecida, aliás não é justo eu passar tanto tempo escrevendo pra alguém copiar e receber vários elogios como se fosse ela que escreveu. O link da página é http://facebook.com/omundodasbeliebers

24/12/2013

Um comentário: | |
Oi gente, aqui é a Bia :)
Eu ainda não tenho um capítulo de ILWMB pronto, por isso vim aqui só pra dizer Feliz Natal pra vocês :D
Espero que vocês tenham um ótimo Natal com a família de vocês e que recebam vários presentes hahaha
Beijinhos e Feliz Natal mais uma vez <3

Only Best Friends: Capítulo 15 - I love you too

14 comentários: | |
"- Eu tenho medo de ferir o coração de alguém
- Por quê?
- Porque eu sei como dói"

Justin Bieber POV

A raiva e a dor que eu sentia era enorme, então tudo que vivemos também foi mentira? E eu aqui que nem idiota fazendo de tudo para conquistá-la. 
Sai o mais rápido daquela casa, entrei em meu carro e parti em alta velocidade. Peguei meu celular em meu bolso e liguei para Lil Za
- Diga Bieber - ele atendeu no terceiro toque
- Ta fazendo o que?
- Nada de interessante, por que?
- Estou afim de sair hoje, topa?

Katherine Collins POV

Terminei de tomar meu banho e vesti meu pijama, meu rosto ainda permanecia inchado e as lágrimas insistiam em cair mais de forma menor. Eu me sentia devastada, me deitei e liguei a TV deixando em qualquer canal. Peguei meu celular e disquei o número de Justin na tentativa de ele atender, chamou diversas vezes ate cair na caixa postal. Bufei frustada e tentei de novo mais dessa vez seu celular estava desligado, engoli em seco e senti as lágrimas se intensificarem. 
Eu precisava tanto dele aqui comigo agora, me dizendo que tudo ficaria bem. Só que resolvemos discutir na pior hora possível. Em meio a tantos pensamentos eu acabei adormecendo.
(...)
Acordei as 16hrs, resultado de uma noite completamente mal dormida, meu corpo estava extremamente dolorido. Fiquei horas na internet tentando ao máximo esquecer tudo o que vem acontecendo, Thomas tentos diversas vezes conversar comigo mais eu nunca dava bola, eu só queria ficar sozinha.
Tomei meu banho e me vesti. Desci as escadas lentamente para ver se havia alguém em casa e felizmente não, tomei meu café e decidi concertar as coisas entre mim e Justin. Entrei em meu carro e dirigi ate sua casa, cheguei lá em dez minutos, desci e o portão logo foi aberto já que o segurança dali me conhecia, a porta foi aberta por Pattie que me recebeu com um enorme sorriso
- Kath! Como esta? - ela me abraçou e eu retribui
- Bem e você? - sorri fraco
- Também, entre aí - ela deu espaço e eu entrei abraçando meu copo em seguida
- Justin esta aqui?
- Sim, mais ele esta dormindo - sorriu - Fique aqui esperando, daqui a pouco ele acorda - assenti e me sentei no sofá. Pattie trouxe para mim um suco e depois sumiu pela enorme casa me deixando ali sozinha, o que era bom para eu poder pensar nas palavras certas para dizer a Justin. Eu precisava mais que tudo falar sobre meus sentimentos a ele, me abrir e dizer tudo o que sinto, se não uma hora ou outra acabaria explodindo.
Ás horas foram se passando e nada de Justin acordar, já era 19hrs e eu ainda estava ali esperando por ele. Decidi por fim ir ate o quarto dele e o acordar, abri a porta devagar e ele estava sentado na cama com o notebook no colo
- Katherine? - perguntou e depois franziu a testa - O que faz aqui?
- O que faz aqui? - repeti a pergunta assim que entrei no quarto - Estou desde as quatro e meia te esperando lá embaixo
- Eu não sabia - disse sem se importar e voltou a olhar para o computador
- Podemos conversar?
- Não temos nada para conversar - falou me ignorando
- Temos sim e muita coisa
- Não temos não, olha eu não estou com cabeça hoje. Será que pode ir embora? Quero ficar sozinho - lancei para ele um olhar triste mais ele pareceu não se importar
- Eu preciso falar com você
- EU JÁ DISSE QUE NÃO QUERO CONVERSAR! - ele gritou e eu engoli em seco, fitei o chão e senti as lágrimas começarem a escorrer em meu rosto - Vai embora!
- Tudo bem eu vou! - disse vencida - Só queria que soubesse que essa era a hora que eu mais precisava de você
- Katherine chega, chega tá? Para um pouco de se fazer de vítima - o encarei sem crer no que ele tinha acabado de dizer
- Vítima? Mais... - me interrompi sem saber o que falar
- É vítima, você sempre é a certa da história - ele se levantou - As pessoas sempre tem que estar pedindo desculpas para você, mesmo que na verdade você é que esta errada
- E em que eu estou errada Justin?
- Em tudo!
- MAIS QUE DROGA - coloquei minhas mãos em meio ao meu cabelo - SERÁ QUE DÁ PARA VOCÊ PARAR DE AGIR COMO UMA CRIANÇA?
- VOCÊ DISSE QUE FOMOS UMA MENTIRA. EU ESTAVA TENTANDO TE CONQUISTAR E ESCUTAR ISSO ACABOU COMIGO
- JUSTIN PELO AMOR DE DEUS, SE COLOQUE EM MEU LUGAR - solucei - Eu acabei de descobrir que sou adotada. Será que não dá para se colocar em meu lugar? Você não sabe o que é se sentir uma intrusa em um lugar, não sabe o que é se sentir fútil e enganada a vida toda - ele balançou a cabeça e riu fraco, eu não acreditava que aquele ali na minha frente era o meu melhor amigo
- Me deixe sozinho Kath
- Eu ainda não terminei de falar tudo o que tinha
- ENTÃO FALA PORRA, FALA E VAI EMBORA. SÓ QUE SAIBA QUE NÃO ESTOU MAIS DISPOSTO A TE CONQUISTAR, NÃO QUERO FICAR COM ALGUÉM QUE NÃO ME AMA - o fitei sem reação alguma - FALA KATHERINE!
- Eu vim te dizer que eu também te amo - falei olhando em seus olhos e na mesma hora toda aquela raiva que ele sentia desapareceu - Primeiro te pedir desculpas por ontem, eu só estava muito decepcionada com tudo e depois te dizer Parabéns! por que você conseguiu me conquistar. Eu estou apaixonado por você Justin e isso é uma droga por que você não esta mais disposto a ficar comigo. Eu achei que quando estivesse pronta para dizer as três palavras que você queria tanto ouvir, estaríamos bem e feliz mas... hoje tivemos a nossa primeira briga, digo primeira briga feia - ri fraco e depois voltei a chorar - Eu te amo Justin! - me virei disposta a ir embora, já que era o que ele tanto queria. Abri a porta e desci as escadas ainda chorando
- KATH ESPERA! - me virei e Justin apareceu correndo - Não vai, por favor
- Mais você praticamente me expulsou daqui
- A verdade é que eu não quero que você vai, fica aqui comigo - neguei com a cabeça e ele me lançou um olhar pidão - Por favor, me perdoe por ter sido grosso com você. Não quero que tudo acabe assim
- Porque você tem que ser tão estúpido? - ele abaixou a cabeça - Você em nenhum minuto pensou no que estou passando e se arrependeu de ter saído daquela maneira lá de casa? Poxa, eu precisava e preciso tanto de você para conseguir enfrentar tudo isso - molhei os lábios e limpei minhas lágrimas com raiva
- Me perdoe! - ele levantou o olhar para mim - Você não sabe o quanto eu fiquei triste ontem, sinto muito - assenti fraco e depois mordi os lábios tentando não chorar novamente - Como você esta?
- Tentando me acostumar com tudo isso - olhei ao redor da sala e depois suspirei fundo - Eu vou ir agora!
- Não, fica aqui? - ele se aproximou de mim um pouco receoso - Passa a noite aqui em casa, amanhã vamos ate a sua casa e conversamos com seus pais
- Já disse que não quero falar com eles
- Kath, você não quer saber a verdade?
- Por que você sempre tem razão? - ele riu e depois passou seus braços por minha cintura
- Eu não tenho sempre razão, só me preocupo com você e faço de tudo para o seu bem - sorri torto e desviei nossos olhares, Justin colocou seu polegar em minha bochecha e virou meu rosto fazendo eu olhar para ele - Você me perdoa mesmo? - assenti com os olhos fechados, senti os lábios de Justin colando nos meus em um longo selinho que depois foi se tornando um beijo mais profundo, minhas duas mãos seguravam seus braços e as suas estavam em volta da minha cintura. Assim que encerrei o beijo, Justin passou sua língua pelos meus lábios e me deu mais um selinho - Diz novamente que me ama?
- Eu te amo - falei com nossas bocas coladas, senti os lábios de Justin se curvarem em um sorriso
- Eu também te amo!
(...)
Entrei no chuveiro e molhei meu cabelo me sentindo completamente aliviada por deixar a água escorrer pelo meu corpo. Comecei a cantarolar uma música qualquer quando levo um susto
- PORRA! - gritei e me virei enquanto Justin ria - CRETINO
- Calma - ele disse me abraçando por trás
- O que você esta fazendo aqui? - sorri quando ele apoiou seu queixo em meu ombro
- Vamos matar a saudade? - ele riu sapeca
- Tarado!
- É sério - me virou e me prensou na parede, mordeu o lábio inferior e sorriu malicioso - Você é gostosa demais
- Cala boca, seu idiota - passei meus braços por seu pescoço e o puxei mais para perto de mim. Justin tentou me beijar mais eu desviei meu rosto e levei meus lábios para o seu pescoço onde eu dei um leve beijo, ouvi Justin arfar o que me fez sorrir fraco. Sua mão deslizou pelo meu corpo e parou na minha bunda onde ele apertou, dei um pulo de susto fazendo ele rir. Justin mordeu o lóbulo da minha orelha depois beijou meu pescoço, procurei seus lábios e quando o encontrei arfei, Justin me apertou mais na parede fazendo seu membro já ereto roçar em minha intimidade fazendo eu separar nossos lábios para poder gemer
- Eu nunca desejei ninguém na minha vida como te desejo - ele disse em meus aos beijos me fazendo rir
- Eu queria tanto te dar prazer como você me dá - Justin parou de me beijar e olhou em meus olhos, olhou para seu membro e depois para mim e arqueou a sobrancelha
- Tem certeza?
- Tenho - falei sem graça - Só preciso que me ajude - ele sorriu fofo e pegou minha mão levando ela ate seu membro, eu podia sentir minhas bochechas queimarem de vergonha mais eu queria mais que tudo fazer aquilo. Minha mão começou a deslizar lentamente em seu membro, Justin gemeu e fechou os olhos mordendo os lábios em seguida. Em alguns segundos fui me "acostumando" a fazer aquilo, então Justin tirou sua mão e me deixou trabalhar sozinha ali. Ele gemia baixo com os olhos fechados e aquilo era maravilhoso, as veias de seu pau foram engrossando e Justin logo tirou minha mão dali
- Não quero chegar no meu limite agora - ele riu malicioso e eu revirei os olhos, sua boca foi ate meu seio onde ele começou a chupar e mordiscar de leve, comprimi os lábios tentando impedir meus gemidos. Sua mão deslizou por minha coxa e depois entrou em contato com minha intimidade, dessa vez não aguentei e gemi alto. Ele começou a me estimular de forma esplêndida e da mesma forma que ele o impedi de me deixar chegar no limite. Justin me deu impulso e eu envolvi sua cintura com minhas pernas, ele começou a me penetrar lentamente, cravei minhas unhas em seu ombro e repousei minha cabeça na curvatura do seu pescoço, meus olhos estavam fechados me deixando só sentir todo aquele prazer imenso. Eu e Justin soltávamos gemidos roucos e baixos
- Mais rápido - implorei e ele atendeu me pedido tornando suas entocadas mais fundas e forte. Justin apertava minha coxa e minha orelha me fazendo revirar os olhos. Minhas costas batiam diversas vezes na parede por conta das entocadas. Meu limite estava próximo e o do Justin também, minutos depois senti o liquido de Justin me preencher me fazendo gemer alto. Seus braços me seguravam fortemente me impedindo de cair
- A primeira vez é única, mais a segunda você nunca esquece - ele sussurrou em meu ouvido me fazendo rir, encostei nossos lábios e iniciei um beijo calmo e molhado já que estávamos debaixo do chuveiro - Eu te amo Collins - ri fraco
- Eu também te amo Bieber - ele abriu um sorriso tão grande que me pergunto como não rasgou sua cara
- Você não tem noção de como é bom ouvir isso de você - balancei a cabeça rindo e lhe dei um selinho logo depois

Hello Beliebers divas!
Desculpa a demora mais sabem como é, final de ano e uma correria do caramba. Esse final de semana eu tive apresentação de dança e não parei um minuto se quer em casa. Mais consegui postar hoje!! Provavelmente amanhã eu não posto então FELIZ NATAL para todas vocês.
Obrigado pelos comentários do capítulo anterior e BEM VINDAS novas leitoras :)
Bom é isso, me digam o que acharam desse capítulo e ate o próximo :) 
Obs: Se tiver muitos erros, ignorem, escrevi correndo porque a bateria do notebook ta acabando e to sem o carregador aqui haha!


23/12/2013

Summer Paradise - My girlfriend, my boyfriend

11 comentários: | |

"If I could just die in your arms, I wouldn't mind.
Cause every time you touch me, I just die in 
your arms"
Die in Your Arms - Justin Bieber


                Lucy Montgomery’s P.O.V.

                Meu celular tocou, indicando que uma nova mensagem tinha chegado. Tirei-o da bolsa, a mensagem era de Caitlin.
                - É a Caitin – falei ainda olhando para o celular. Desbloqueei e li:
                Onde vocês estão? Já estamos aqui, venham logo!
                Ri do desespero da garota.
                - Acho melhor irmos antes que a Caitlin tenha um heart attack – falei “heart attack” irônica. Justin riu.
                - Vamos logo. – Entrelaçamos nossas mãos e fomos até o Mormaii que ficava a apenas alguns metros. Falamos à recepcionista que nossos amigos nos esperavam, ela nos indicou a mesa que eles estavam e sentamo-nos quando chegamos
                - Finalmente! – Chris exclamou, levantando as mãos.
                - Cala a boca, loira! – Falei rindo.
                - Poxa, não perdeu essa mania ainda? – Ele fez biquinho.
                - Da mesma forma que você não perdeu mania de me chamar de gorda – fiz biquinho também.
                - Tem razão, preciso mudar seu apelido. Que tal gostosa? – Ele perguntou maliciosamente, eu ri.
                - Por mim... – dei de ombros.
                - Que história é essa de chamar a minha namorada de gostosa? – Justin falou com ciúmes.
                - Sua namorada, Bieber? – Perguntei arqueando as sobrancelhas.
                - Sim, por quê? – Ele perguntou me olhando.
                - Peça em namoro primeiro, gatinho – dei um selinho nele. – E nem pense em impedir Christian de me chamar de gostosa, sinto-me em forma – falei e dei outro selinho nele. Justin bufou.
                - Garota, você tá que tá, hein? – Ele falou bufando, ainda.
                - Relaxa e goza que a vida é rosa – repeti a frase que Caitlin falou mais cedo.
                - Vem me fazer gozar, então – ele falou com um sorriso malicioso. Se eu não conhecesse Justin há tanto tempo, já tinha voado na cara dele há muito.
                - Nossa, ousado! – Falei. – Pode deixar, me aguarde, gatinho – falei maliciosa.
                - Estamos aqui ainda! Sem intimidades na mesa, por favor! – Chaz falou.
                - Isso é inveja, porque eu tenho a gostosona aqui e você não – Justin falou.
                - Pior que é verdade – Chaz falou e todos nós rimos.
                - Tô de olho, Charles – Justin falou fuzilando-o com os olhos.
                - Cait, eu não acredito que você trouxe a gente para cá! Eu simplesmente amo o Mormaii! – Estava tão animada de poder, finalmente, comer no Mormaii.
                - Desde quando você gosta do Mormaii, criatura? – Ela perguntou.
                - Não me chama de criatura! Sou filha de Deus – nós rimos. – Um casal amigo da minha mãe levou a gente em um lá de Chicago, uma delícia – falei sorrindo.
                - Louca! – Ela disse. – Senti tanto sua falta, Lucy – ela falou com um biquinho.
                - Eu também – sorri de canto. – Acho que aquelas foram as melhores férias da minha vida. Apesar de alguém – apontei para Justin – não ter me deixado descansar.
                - Não me culpe, Montgomery! – Ele exclamou.
                - Culpo, sim! – Mostrei a língua. Justin lambeu meu lábio superior.
                - É ainda melhor que morango! – Ele disse foi lamber de novo.
                - Justin, meu namorado não é um cachorro, ok? – Falei rindo.
                - Agora eu sou seu namorado? – Ele perguntou curioso.
                - Sempre foi – falei rindo. Beijamo-nos na frente de todos.
                - Vamos conversar sobre isso mais tarde – ele sorriu.
                - Nossa, claro – dei um sorriso de deboche.

                Lucy Montgomery’s P.O.V.




Hey, girls!
E aí? Estão ouvindo o UTM de vocês? Natal tá chegando! Já é amanhã a véspera (e a ceia de muitos, creio eu).
Bom, tantas coisas aconteceram ao redor de Justin durante esse tempo que estive fora. Maconha, Music Journals completo (choremos) e a história que a Avalanna morreu nos braços de Justin. Perdoem-me por falar morreu e não faleceu. Sei que quando dizemos falecer é mais respeitoso, mas quando dizem essa palavra, parece que a pessoa sente dó - na minha opinião. Não sinto dó da Avalanna. Eu acho que ela teve os momentos mais felizes da vida dela ao lado de Justin e de sua família. Queria que ela tivesse sobrevivido, mas ela morreu feliz, não foi? Ela realizou seu sonho e isso não tem preço.
Enfim, quanto a maconha já disse e digo novamente: SEM COMENTÁRIOS SOBRE ISSO! Minha opinião é completamente diferente da opinião das outras Beliebers e tal. 
De qualquer forma, espero que tenham gostado. Me digam o que acharam. 
OBS: Sábado vou viajar e volto só dia 20 de janeiro, então não sei se vou conseguir postar, mas vou fazer de tudo pra roubar o notebook ou PC de alguém.

MERRY CHRISTMAS!
HAPPY NEW YEAR!


Anônimo: Obrigada. Continuei, espero que tenha gostado.
Feer Santos: Haha obrigadaaa. Espero que tenha gostado.
Midiane dos Santos: Haha. Eu tenho problemas com partes hots, não sei escrever, sempre que escreve sai sempre algo fofo e tal, sem muita luxuria. Mas daqui alguns capítulos, vai ter umas ceninhas até que "hots".
Carol Mercadante: Haha você volta e eu vou :( Haha Caitlin é uma pessoa confusa. Gosta do Ryan, mas também fica com o Chaz. E o Chris é um perdido da vida u.u
♡ Júúlie Carter Mahone ♡: Haha Justin é um pequeno grande safado u.u Espero que tenha gostado.
Anônimo: Obrigada, gatinha.
Mas, enfim, lá vou eu explicar novamente: quando comecei a escrever IB's/fanfics, meus capítulos eram do tamanho de capítulos de livros de literatura e isso cansava tanto a mim quanto as minhas leitoras. Então, agora que eu, finalmente, voltei a escrever, eu comecei com capítulos BEEEM menores. Como eu já tenho capítulos prontos até o capítulo 20, eles continuarão desse tamanho até tal. Mas eu prometo que vou tentar fazer maiores a partir do 21, ok?
Brenda Lima: Continuei, espero que tenha gostado :)